texas-moody

Curso ‘No Rastro Digital do Dinheiro Público’ ganha versão autodirigida

Já está disponível a versão autodirigida do curso “No Rastro Digital do Dinheiro Público: Como fiscalizar gastos da União, estados e municípios". Isso significa que todos os conteúdos, como videoaulas, leituras, testes e outros materiais, estão abertos na plataforma de aprendizagem online do Knight Center, JournalismCourses.org.

É uma oportunidade a mais para jornalistas e não-jornalistas aprenderem sobre como o orçamento público funciona e como identificar potenciais casos de uso indevido do dinheiro do contribuinte.

Photo of Gil Castello Branco

Gil Castello Branco

“Capacitar e fomentar o acesso à informação em relação à fiscalização das contas públicas, amplia o controle social e contribui para o aprimoramento da qualidade e da legalidade do gasto'', disse o instrutor Gil Castello Branco, que tem uma larga experiência ensinando jornalistas a como acompanhar os gastos do governo.

A partir de exercícios práticos em bancos de dados disponíveis, o curso torna os participantes aptos a investigar a qualidade e legalidade das contas públicas e a apontar suspeitas de mau uso do dinheiro público nos diferentes níveis de governo.

“Eu gostei muito do Siga Brasil. É um banco de dados complexo, mas completo. É uma grande fonte de dados. Porém, é preciso aprender um pouco de AFO - Administração Financeira Orçamentária. O site Compara Brasil também é excelente, sendo uma importante fonte secundária” disse o jornalista e aluno do curso Carlos Eduardo Matos, baseado em Brasília.

Para o jornalista Germano Martins, as orientações sobre como navegar nos portais do governo federal e do Senado foram as mais úteis. "Eu pretendo colocar em prática apresentando pautas no meu ambiente de trabalho. O curso vai ajudar a elaborar essas pautas," disse.

Em sua versão original, o curso foi ministrado de 7 de setembro a 4 de outubro de 2020 e contou com 2.276 alunos registrados. A maior parte deles do Brasil, mas também de Angola, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, mas também de países hispanohablantes como Argentina, Colômbia e México.

O jornalista moçambicano Samo Elias foi um dos alunos internacionais do curso. Ele pretende verificar como os municípios do país estão organizados em relação à transparência iniciando por identificar se há dados acessíveis ao público.

"A questão da transparência é um bico-de-obra em Moçambique, pois há violações graves sobre fundos públicos, sem falar da falta de transparência que culminou com as 'dívidas ocultas'. Como ponto de partida vou começar por pedir os relatórios de contas dos municípios e criar um espaço de debate sobre a transparência pública. Esse espaço pode ser através das redes sociais, depois pode ser expandido para a rádio que é o principal meio de comunicação em Moçambique," disse.

Este curso é uma parceria do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas com a Associação Contas Abertas, com apoio do Google News Initiative. Para saber mais sobre o curso e acessar seus materiais, visite a página dos cursos autodirigidos do Centro Knight.

“A metodologia e a plataforma utilizadas pela Knight Center nos MOOCs [cursos online massivos e abertos, na sigla em inglês] são excelentes! A plataforma oferece a possibilidade de acompanhamento, passo a passo, de todas as atividades dos participantes,” disse Castello Branco. “Em um país com dimensões continentais, como o Brasil, a participação da sociedade no acompanhamento da gestão é essencial. O curso oferece ferramentas para o exercício da cidadania.”

Mais artigos