texas-moody

Editorias de opinião em espanhol em grandes jornais dos EUA oferecem diversidade e uma perspectiva local, diz Luz Mely Reyes, colunista do Washington Post

O Washington Post anunciou recentemente a adição de dois colunistas regulares à sua seção de opinião em espanhol, Post Opinion. Ambos se juntam a outras vozes latino-americanas proeminentes em uma plataforma popular para destacar questões importantes na região, conforme a editoria cresce em audiência e conteúdo.

Luz Mely Reyes (cortesia)

Jornalista venezuelana Luz Mely Reyes, colunista do The Washington Post. (Cortesia)

“Que o Post continue focado em incorporar as vozes e olhares das colunistas femininas também é uma grande contribuição para a igualdade de gênero e, no meu caso particular, como mulher negra na América Latina, sinto-me honrada e consciente da responsabilidade que implica ter um plataforma de tanto alcance”, disse a jornalista venezuelana e nova colunista fixa do Post Opinion, Luz Mely Reyes à  LatAm Journalism Review (LJR) .

Desde o seu  lançamento, em agosto de 2019, o número de leitores da editoria vem crescendo em mais de 50 países, com as maiores audiências no México, Peru, Colômbia e na comunidade de língua espanhola nos Estados Unidos, disse à LJR o editor da Global Opinions do Post, Elías López Gross.

“Temos uma base muito sólida nesses quatro países e hoje também temos uma newsletter [semanal] que é uma ótima maneira de apresentar o que estamos fazendo, como as últimas manchetes e colunas que são mais importantes para o leitor”, ele comentou. Lopez. “Só neste ano, a newsletter cresceu 23% em assinantes. Estamos muito contentes".

Este espaço é uma oportunidade para "colocar nosso grão de areia" para melhorar o debate na América Latina, disse Mael David Vallejo, editor sênior do Post Opinion, à  LJR. Por isso, acrescentou, buscam integrar em suas fileiras mais autores de diferentes países da região, de trajetória reconhecida ou emergentes, para que por meio de suas colunas ajudem a entender melhor o que está acontecendo em seus países.

Além de Luz Mely Reyes, o jornalista peruano Diego Salazar também ingressou recentemente no quadro de colunistas regulares do Post Opinion.

“O Washington Post, que é um dos jornais mais importantes do mundo ocidental, está assumindo um forte compromisso de incluir cada vez mais vozes diversas, principalmente em nossa região, na América Latina. Ser colunista do Post dá a você uma plataforma mais ampla do que eu tinha como mero colaborador”, disse Salazar à  LJR .

Diego Salazar (cortesia)

Jornalista peruano Diego Salazar, colunista do The Washington Post. (Cortesia)

Uma das características que Salazar destacou no que diz respeito a escrever colunas de opinião para um jornal americano como o Post, é que ao contrário do que acontece na maior parte dos meios de comunicação hispano-americanos com colunas de opinião, onde os textos tratam do que o jornalista pensa de uma determinado acontecimento, o Post pede a seus colunistas um argumento, uma análise e uma proposta para o leitor sobre os fatos.

Nesse sentido, comentou Salazar, dificilmente terá a estrutura e os espaços necessários no Peru que o Post lhe dá para tratar dos assuntos do seu país com o rigor editorial que o jornal norte-americano exige.

Outro colunista regular do Post, o jornalista cubano Abraham Jiménez Enoa disse à LJR que o jornal lhe dá a oportunidade de colocar temas sobre Cuba na conversa global que geralmente passam despercebidos e que quem não acompanha o dia a dia do país ou leia a mídia independente da ilha.

Escrever para o Post sobre Cuba é como “ter uma voz que ressoa muito mais no mundo”, disse Jiménez, especialmente porque em seu país a imprensa independente sofre assédio e perseguição por parte do governo.

Embora o Post não tenha uma linha editorial política estabelecida, tem uma agenda muito clara sobre os temas que considera prioritários, além dos temporários, disse Vallejo. Sua cobertura inclui questões de desigualdade, violência de gênero, racismo, direitos da comunidade LGBT + e direitos humanos em geral.

Por semana, o Post Opinion publica entre 10 e 14 textos de produção original em espanhol.

Enquanto o Post Opinion continua crescendo, outro importante jornal americano recebe um pedido urgente de seus leitores, para não deixar de publicar colunas de opinião em espanhol em sua edição diária.

Mais de 100 jornalistas, autores, ex-presidentes e intelectuais escreveram uma carta ao diretor do The New York Times, AG Sulzberger.

"Um boato começou a circular em minha comunidade jornalística de que o New York Times está planejando eliminar o 'NYT em espanhol' por completo", escreveu o jornalista Jon Lee Anderson, um dos signatários, publicou Axios alguns dias atrás.

A carta assinala que acontecimentos recentes, como lideranças com tendências autoritárias e agitação social na região, “exigem constante escrutínio da imprensa”. Os signatários expressaram sua tristeza pelo fechamento da redação espanhola em 2019, mas que se sentiram encorajados pela existência do espaço de opinião em espanhol.

“Acreditamos que a publicação diária de perspectivas e reportagens escritas e editadas em espanhol por quem conhece a América Latina contribui muito para a 'missão do Times de' ajudar as pessoas a entender o mundo', pois é o melhor modelo do tipo de jornalismo que pode ajudar a fortalecer a democracia nos lugares que mais precisam”, destacam na carta. Não devemos esquecer que existe uma conexão histórica entre a América Latina e os Estados Unidos, que tem consequências que ressoam em ambos os lados da fronteira, hoje mais do que nunca”.

Em 2016, o Times  abriu uma redação para produzir conteúdo em espanhol sobre as Américas, com escritório no México, que fechou em 2019, por “motivos financeiros”. Nos três anos de funcionamento, a edição teve um grande alcance continental e mundial, com uma prolífica produção de mais de 900 artigos de opinião e centenas de artigos originais de jornalistas e pesquisadores da região, segundo uma de suas então editoras, Paulina Chavira.

A seção espanhola do Times reuniu os textos de jornalistas, acadêmicos, pesquisadores e especialistas, tendo uma grande chegada na mídia e governos de outros países do continente. Quando o jornal decidiu suspender sua edição hispânica, seus editores mostraram-se surpresos e insatisfeitos com a decisão e despediram-se de seus leitores, dando-lhes uma seleção de suas melhores matérias.

Melissa Torres, porta-voz do Times, explicou à LJR que apesar de ter encerrado sua edição em espanhol há dois anos, o NYT continua publicando conteúdo em espanhol diariamente, além do boletim El Times, que é publicado duas vezes por semana. Torres disse que, embora não tenha mais uma equipe voltada para a produção de conteúdo jornalístico original em espanhol, há uma equipe dedicada a selecionar, traduzir e divulgar grande parte da cobertura em inglês do jornal para falantes de espanhol nos Estados Unidos e em outros países.

“Nossa estratégia agora se concentra em nossas principais notícias para assinantes, para uma audiência global. Considero importante mencionar que a interrupção do NYT en Español em 2019 não afetou nossas seções de notícias na América Latina, que continuam produzindo conteúdos originais da região”, disse.

O Washington Post anunciou recentemente a adição de dois colunistas regulares à sua seção de opinião em espanhol, Post Opinion. Ambos se juntam a outras vozes latino-americanas proeminentes em uma plataforma popular para destacar questões importantes na região, conforme a seção cresce em audiência e conteúdo. 

Mais artigos