texas-moody

'A censura foi algo intrínseco ao chavismo desde o primeiro dia,' diz livro sobre 20 anos de repressão na Venezuela

O controle discurso público foi, desde o início, uma característica do novo modelo de governo que se instalou na Venezuela com Hugo Chávez em 1999, disse o pesquisador e colunista venezuelano Andrés Cañizález.

20 anos de censura na Venezuela

"O chavismo, desde o início, estava considerando o sequestro de espaço público na Venezuela", disse o autor em entrevista ao Centro Knight.

Cañizález, comunicador e doutor em ciências políticas, é o autor do livro "20 anos de censura na Venezuela" (1999-2018)", apresentado em Caracas no final de novembro na Feira do Livro, organizada pela Universidade Católica Andrés Bello, instituição da qual ele é pesquisador sênior. Durante a apresentação, o historiador venezuelano Tomás Straka falou sobre o livro que trata de "uma espécie de grande crônica de censura na Venezuela sob o chavismo," de acordo com o comunicado de imprensa.

"Eu pensei no livro como um documento que em algum momento pode nos ajudar a reconstruir a história do país. Então, a cada ano, a partir de 1999, escolhi dois ou três casos emblemáticos de censura e construí uma pequena história sobre o que aconteceu," explicou o autor. Ele também incluiu uma cronologia pontual de vários casos de censura que se espera que possam ser úteis para estudantes e pesquisadores.

Um dos casos emblemáticos que Cañizález destaca em seu livro, como o primeiro ponto de inflexão da censura exercida pelo chavismo na mídia, é o fechamento da Rádio Caracas Televisión (RCTV), em 2007, após 53 anos no ar. Foi a primeira vez na história da América Latina, disse Cañizález, que um governo cassou a concessão de uma das grandes mídias tradicionais. "Isso teve um custo muito alto para o Chavismo," mas também significou aprendizado, disse ele.

Os meses anteriores ao anúncio do fechamento da RCTV permitiram, disse o autor, que a mídia, jornalistas, universidades, estudantes e organizações sociais se organizassem em uma série de atividades contra o fechamento, além de inúmeras manifestações sociais. A partir daí, na opinião de Cañizález, os métodos de censura do governo contra a mídia eram mais arbitrários e prematuros.

Uma das evidências do que eles aprenderam com esse incidente, e que o autor cita em seu livro, foi o "radiocídio," que se refere ao fechamento simultâneo, em julho de 2009, de 32 estações de rádio e 2 canais de televisão locais do país. "Isso veio sem aviso." "Simplesmente, à meia-noite, oficiais militares e da Conatel (Comissão Nacional de Telecomunicações) chegaram às 34 estações e, arbitrariamente, sem que os afetados pudessem preparar ou recorrer da medida, apreenderam os transmissores", disse Cañizales.

Com o fechamento da RCTV, segundo o autor, Chavismo soube que uma medida de censura deve ser executada imediatamente, não podendo ser anunciada com antecedência.

Outro método de censura de Chávez, desta vez mais indireto, disse Cañizález, era pressionar os donos da mídia até que eles fossem colocados à venda para serem comprados por empreendedores ligados ao regime. O caso emblemático desse tipo de censura, segundo o autor, é o fechamento e a compra da Globovisión em 2013, um canal de notícias que também foi muito crítico ao governo.

"Os proprietários foram sujeitos a impostos, perseguição judicial, até que tiveram que sair do país e, em um ato desesperado, tiveram que vender o veículo", afirmou. A venda desse meio “causou uma transformação de 180 graus na linha editorial da Globovisión. Então, sem fechá-lo, o governo conseguiu alterar a linha editorial", explicou.

Chávez pessoalmente conseguiu polarizar a sociedade em muitos aspectos e a mídia era um dos principais objetivos, segundo o autor. Em junho de 2001, em seu discurso no Dia do Jornalista na Venezuela, Chávez disse que a mídia e os jornalistas eram os adversários históricos de seu projeto político, disse Cañizález.

Retrato de Andrés Cañizález. (Courtesy)

A partir de 2013, Cañizález destaca em seu livro, outra modalidade de censura indireta à mídia começou com o desaparecimento da imprensa escrita na Venezuela. O monopólio estatal sobre a importação de jornais foi fortalecido e começou o bloqueio progressivo do fornecimento de materiais de impressão para jornais e revistas de cobertura nacional e regional.

Segundo o livro, mais de 60 jornais deixaram de circular devido à crise do papel, incluindo o jornal independente El Nacional, no final de 2018, após 75 anos de circulação.

A isso se acrescenta que a oferta de notícias televisivas da Venezuela não é mais uma referência informativa para a população, afirmou o autor. “As pessoas procuram informações nas redes sociais, principalmente, mas nem toda a população tem acesso às redes sociais. Existem iniciativas importantes na mídia digital, mas acho que essas mídias não estão conseguindo falar com o público em geral, com o público de massa. ”

Apesar de grande parte da população querer uma mudança de modelo de governo, segundo o autor, existem muitos fatores que favorecem a permanência do presidente Nicolás Maduro no poder (desde 2014). Isso tem a ver com a censura que prevalece na Venezuela, com a desinformação, o bloqueio de sites informativos e, entre outras coisas, com a ausência de referências informativas nacionais, o que faz com que os venezuelanos tenham acesso pouca informação, parcial e fragmentada, enfatizou.

Herdando o modelo que Chávez construiu, disse Cañizález, Maduro tem ferramentas para controlar a mídia através do uso legal, tributário, administrativo e também direto da polícia ou forças militares.

A intenção do livro, conclui o autor, é entender a complexidade da história da censura na Venezuela, “que não se limita a alguns casos específicos, mas há um mar inteiro ao fundo".

Mais artigos