texas-moody

A 'imprensa concentrada' e sua oposição ao presidente Castillo no Peru: 5 perguntas para Gustavo Gorriti

GustavoGorriti - LJR 5 PERGUNTAS

(Crédito fotográfico: Revista Caretas)

Se a realidade política no Peru fosse conhecida apenas pelas lentes da imprensa tradicional do país, a opinião pública seria influenciada pelo "peso esmagador" dessa imprensa, que está no poder quase absoluto de um único grupo de mídia, explicou o jornalista investigativo peruano Gustavo Gorriti Ellenbogen em entrevista à LatAm Journalism Review (LJR) .

Em sua opinião, desde que o professor da escola rural Pedro Castillo -convidado para concorrer à presidência peruana por um partido de esquerda- começou a despontar como possível presidente para o segundo turno eleitoral de 2021, contra sua adversária Keiko Fujimori, candidata de direita e filha do ex-presidente Alberto Fujimori, "a imprensa concentrada" tentou "minar" sua candidatura e, agora, seu governo.

Gorriti, um fellow Nieman em 1986, ganhou prêmios de jornalismo de prestígio, como o Prêmio Maria Moors Cabot de 1992 da Universidade de Columbia, o Prêmio Rei da Espanha de 1996 e o ​​Prêmio Liberdade de Expressão do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), em 1998. Também ganhou o Prêmio Novo Jornalismo CEMEX-FNPI, em 2010.

Em seu discurso na premiação de homenagem, Gorriti descreveu os jornalistas como "os historiadores do presente", aqueles que definem a história da América Latina.

Considerado o professor de muitos jornalistas, não só no Peru, o veterano repórter conseguiu desvendar investigações que abalaram fundações e governos.

Na entrevista de cinco perguntas a seguir, Gorriti discute a relação entre o atual presidente peruano, Pedro Castillo, e a imprensa tradicional ou “concentrada” e independente, desde sua turbulenta corrida como candidato presidencial até seus instáveis ​​primeiros meses no cargo.

1. Em sua opinião, como você resumiria a forma como a mídia apresentou (ou representou) o presidente peruano Pedro Castillo como candidato durante a campanha eleitoral de 2021?

Em primeiro lugar, é necessário entender o que entendemos por “mídia” ou “imprensa” no Peru desses tempos. Em termos da imprensa escrita tradicional, um único grupo empresarial de base familiar, o El Comercio, tem uma posição desordenada de domínio nessa área [concentração de mídia], em termos de circulação conjunta, distribuição, leitores. O mesmo grupo mantém o controle de dois terços da participação acionária da principal emissora de TV aberta (América TV) e de sua subsidiária de TV a cabo (canal N).

Existem outros jornais e meios de comunicação que definem sua própria linha (como o Grupo La República), mas seus alcances são muito menores. A GLR é sócia do El Comercio na América TV/canal N, mas como detém apenas um terço das ações, não tem influência ou capacidade decisória sobre a linha editorial.

Há alguns anos, um grupo de notáveis ​​jornalistas nacionais entrou com uma ação judicial para quebrar a posição de monopólio virtual do Grupo El Comercio. A demanda percorreu os meandros do sistema judicial peruano com uma lentidão reveladora próxima da catatonia.

Há mídia independente e jornalismo investigativo robusto, mas principalmente no meio digital. Acredito que eles oferecem uma contrapartida de excelência e profundidade –embora declaro que meu julgamento pode ser influenciado por ser diretor de um deles–. Mas a opinião cotidiana do povo é fortemente influenciada, de uma forma ou de outra, pelo peso esmagador da imprensa concentrada; ou, se preferir, cartelizada.

Feita esta longa mas necessária introdução, respondo. Primeiro, as eleições, realizadas em meio a uma pandemia com efeitos devastadores em toda a linha, foram anormais desde o início. No primeiro turno, Castillo cresceu com uma campanha realizada sob o radar da grande mídia.

Featured prensa Peru

Pedro Castillo e Keiko Fujimori durante a campanha eleitoral de 2021. (Divulgação)

No segundo turno, entre Pedro Castillo e Keiko Fujimori, a imprensa concentrada se opôs e tentou minar a candidatura de Castillo. Eles não foram os únicos. Da centro-direita à crescente extrema-direita e seus grupos abertamente fascistas, fizeram de tudo em uma campanha para impedir a vitória de Castillo e buscar a vitória de Fujimori.

Deve ter sido fácil porque Castillo era um péssimo candidato que não sabia esconder suas deficiências. Candidato ocasional (não era e não é militante) do partido Perú Libre, que se diz esquerdista, mas está ligado às cleptocracias autoritárias da Venezuela e da Nicarágua, Castillo fez campanha com slogans vazios. Mas sua aversão a Fujimori e à extrema direita lhe permitiu uma vitória apertada.

Durante esse segundo turno e depois, a imprensa concentrada produziu um jornalismo panfletário que, em algumas ocasiões, teria causado constrangimento nas antigas redações do Pravda ou do Izvestia.

Tínhamos como candidatos os maus e os piores. Aquela imprensa só tinha olhos e gritos impressos para um dos candidatos.

2. O que você acha que mudou, nesse sentido, desde que Castillo assumiu a presidência?

Nos escassos sete meses que Castillo está na presidência, houve mudanças de cenário, mas não de intenção. Quanto ao primeiro, o cenário de medo sumiu. Os alarmes, às vezes histéricos sobre massas de provincianos confiscando e ocupando as casas de praia dos mais privilegiados depois de saquear suas contas bancárias, terminaram.

Eles deram lugar à realidade de um presidente indeciso, incompetente e errático, cercado por círculos de arrivistas incompetentes, mas frequentemente corruptos (não na escala corrupta dos tubarões, mas das piranhas), combatidos entre facções e contrabalançados por uma porcentagem não majoritária, mas decisiva, de tecnocratas que permitiram que o navio bêbado do Estado peruano não batesse nos recifes, mas até mostrasse alguns sinais de sucesso macroeconômico.

A imprensa concentrada colocou todos os holofotes sobre o governo de Castillo para estridentemente trazer à luz todos os escândalos e asneiras de Castillo e de seu entorno. E a extrema-direita? Não existe para essa imprensa.

Deve-se dizer que Castillo e seu povo facilitaram o trabalho dessas investigações panfletárias. Atualmente, a campanha praticamente aberta da imprensa concentrada é conseguir a destituição de Castillo por meio de um processo de vacância do Congresso.

3. Como você definiria a relação entre o presidente Castillo e o partido no poder com a imprensa?

Primeiro, não há partido no poder. Castillo chegou à presidência por meio do Perú Libre, partido liderado por Vladimir Cerrón, que não pôde concorrer devido a acusações significativas de corrupção contra ele. A relação de Castillo com o Perú Libre é conturbada. Ele teve o apoio de uma esquerda mais moderada, alguns independentes e sindicatos de professores. Agora, ele distribui ministérios entre vários grupos para garantir que a oposição não tenha votos para destituí-lo.

A resposta de Castillo aos ataques da imprensa concentrada é errática. Alguns ministros começaram a falar de uma "imprensa golpista", e houve uma ou outra ameaça murmurada sobre como usar a publicidade estatal. Em termos gerais, eu diria que a imprensa concentrada tem Castillo esmagado sob sua avalanche diária de manchetes. Quando alguns de seus "assessores" (os três patetas teriam sido mais eficazes) sugeriram que ele enfrentasse a "imprensa", Castillo conseguiu uma entrevista com Fernando del Rincón, da CNN, cujo resultado variou de doloroso a desastroso.

4. Qual a relação da imprensa tradicional e da imprensa independente com a oposição? Como você analisaria a ameaça da atual presidente do Congresso à mídia que não deu cobertura favorável à sua recente troca de palavras com o prefeito de Arequipa no Parlamento? 

A extrema-direita, que tem peso crescente na política nacional e influência no Congresso, nem sequer é mencionada como ameaça ao sistema democrático pela imprensa concentrada. A presidente do Congresso é uma mulher de caráter azedo e inteligência limitada que, embora seja oriunda de um partido democrático, atua de fato como aliada dessa extrema-direita. Sua ameaça teria muito significado se essa extrema-direita chegasse ao poder. Até agora não deu certo.

5. A liberdade de imprensa no Peru é atualmente precária?A situação atual pode ser comparada com as condições que existiam para a liberdade de expressão e de imprensa durante a década de Fujimori?

Eles não são de todo comparáveis. Fujimori foi um ditador que, por meio de Montesinos e seus espiões, conseguiu o controle total do Congresso, do Judiciário, do Ministério Público e das forças de segurança. Além disso, cooptou a comunidade empresarial e controlou os meios de comunicação de massa (com exceções muito honrosas) comprando seus proprietários.

O de Castillo é um governo que tropeça nos próprios pés, que não tem maioria no Congresso e que diariamente enfrenta uma imprensa concentrada cujo objetivo, através de campanhas panfletárias, é minar seu governo e conseguir seu impeachment.

Não é uma missão difícil, pois muitas vezes parece que o próprio Castillo tenta, a ponto de acumular erros e tolices, colaborar com eles.

Isso representa algum perigo? Se um boxeador, por pior que seja, entra em uma luta de boxe com um saco de areia, ele tem chance de ser atingido?

É um capítulo triste para o Peru, de perigo para sua democracia, de retrocessos como nação, de desonra para a imprensa concentrada e um grande desafio para o jornalismo independente.

More Articles