texas-moody

Aceleradora de meios Velocidad com foco em sustentabilidade ajudou dez meios de comunicação latino-americanos a crescer e diversificar a receita

“Plantamos sementes para uma cultura de trabalho, uma mudança de mentalidade nas organizações [participantes], pensando em sustentabilidade e incorporando pessoas-chave para essas áreas [estratégicas]”, disse Vanina Berghella, diretora do Fundo Velocidad em 3 de abril de 2022, durante o 15º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital, na Universidade do Texas em Austin.

As áreas estratégicas de desenvolvimento nos dez veículos de comunicação são gestão e finanças, sustentabilidade, audiências e visão e cultura do produto.

Panel Velocidad 15 Coloquio

Painel do fundo Velocidad no 15 Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital. (Foto: Paola Nalvarte)

Berghella abriu o Colóquio com uma apresentação do alcance e dos desafios do programa de aceleração Velocidad, que entre 2020 e o final de 2021 assessorou, apoiou e financiou melhorias em cada uma das 10 mídias latino-americanas participantes, a fim de fortalecer seus pontos fortes.

As dez mídias selecionadas, de nove países da América Latina, tiveram um crescimento até seis vezes maior do que o financiamento que receberam do Velocidad, disse Berghella, somando uma receita que ultrapassou os cinco milhões de dólares ao final do programa.

Os meios de comunicação participantes foram Convoca, do Peru; Lado B, do México; Cerosetenta, da Colômbia; El Toque, de Cuba; El Surti, do Paraguai; +CIPER, do Chile; Ponte Jornalismo, do Brasil; El Pitazo, da Venezuela; Red/acción e Posta da Argentina.

O investimento total do programa foi de USD 817 mil, além de outros USD 206 mil extras para que os participantes pudessem investir em “benefícios de bem-estar” durante a pandemia, ou seja, para que pudessem cobrir as necessidades de suas equipes e assim poder continuar.

O início do programa de aceleração coincidiu com o início da pandemia do COVID-19, na primeira semana de março de 2020.

“Começamos o dia de aceleração, o momento das consultorias, na mesma semana que começou a quarentena na América Latina, então foi um processo absolutamente complexo tentar nos organizar", disse Berghella. Eles enfrentaram o desafio de “combinar o processo profissional com as questões pessoais de cada um dos indivíduos que passam pela aceleração e pela pandemia. Portanto, há um valor agregado ali em relação ao compromisso que cada uma das mídias participantes teve no processo de aceleração.”

O programa teve duas etapas. Nos primeiros seis meses, os dez veículos participaram de webinars, tiveram milhares de horas de assessoria estratégica e personalizada com cinco consultores especialistas da região. A segunda etapa, que durou dez meses, contou com seis das dez equipes. Além disso, até 40 assessores táticos, ou consultores de processos, trabalharam com as equipes durante as duas etapas.

O Velocidad foi um modelo imersivo intensivo e profundo, que serve de aprendizado para processos semelhantes, disse seu diretor.

Velocidad é administrado pela SembraMedia e pelo International Center for Journalists (ICFJ), com apoio financeiro da Luminate.

Com base nessa experiência, o Velocidad está desenvolvendo documentos e materiais didáticos com seis estudos de caso das mídias gerados durante todo o processo de aceleração, além de guias de aprendizado sobre as principais áreas de foco do programa.

Outros participantes do painel Velocity do Colóquio, juntando-se a Berghella, foram Claudia Urquieta, editora de comunidade do +CIPER do Chile; Agustina Campos, gerente geral e diretora da FIBRA, de Red/acción da Argentina; Diego Dell'Agostino, cofundador do Posta da Argentina; Javier Melero, cofundador do El Pitazo da Venezuela; Alejandro Valdez Sanabria, diretor e cofundador da El Surti do Paraguai; e Isabela Ponce, consultora estratégica da Velocidad e fundadora da mídia GK no Equador.

Dell'Agostino disse que, graças ao Velocidad, a equipe do Posta aumentou e diversificou o seu quadro. “Conseguimos porque colocamos nossas finanças em ordem, com foco na sustentabilidade, graças ao Velocidad”, disse o jornalista argentino.

"Aprender é cercar-se de pessoas que sabem mais do que você nas áreas que o veículo precisa", disse Dell'Agostino. "Passamos de uma start-up para uma empresa que cresceu 200% no primeiro ano e 400% no segundo ano."

Urquieta, do +CIPER, disse que por ser um dos veículos de comunicação mais antigos participantes do programa Velocidad, eles tiveram que se “reinventar”. Ao perder seu principal financiamento em 2018, o +CIPER implementou um programa de membros no ano seguinte.

“Tínhamos a confiança do público” e estávamos no mercado há 15 anos, disse Urquieta. No entanto, graças ao Velocidad, eles agora têm uma equipe de sustentabilidade que se concentra em associações e novos fluxos de receita, disse ela.

Para Valdez, do El Surti, os meses que passou imerso no programa Velocidad parecem anos, por tudo o que aprendeu. Vendo que seu ponto forte era a narrativa gráfica, passaram a oferecer consultorias e criaram o Latinográficos, uma iniciativa que busca promover o jornalismo visual oferecendo produção, além de treinamentos, encontros e oficinas para jornalistas, ilustradores e designers da região.

"No processo Velocidad, passamos da publicação de um JPG de 800 pixels por dia para a criação de uma organização regional especializada em transformar informação em ação", disse Valdez.

Na Red/acción, disse Campos, durante o processo de aceleração perceberam que tinham muitas marcas e muitas coisas a dizer, por isso decidiram criar a agência de conteúdo Estudio Fibra, para aproveitar o capital jornalístico que já teve.

“Sem a equipe de jornalistas da Red/acción, o Fibra seria impossível, e sem a equipe e a narrativa que a Red/acción tem até agora, teria sido [também] impossível”, disse Campos.

“Criamos esta nova unidade de negócios que oferece narrativas editoriais para empresas e organizações. Hoje, essa nova unidade de negócios gera 53% de nossa receita. O Velocidad nos ajudou a consolidar essa nova linha de negócios. Ainda temos muito [para fazer], mas hoje sem [o apoio de] outros seria muito difícil”, acrescentou.

Graças ao Velocidad, disse Melero do El Pitazo, eles conseguiram reduzir sua equipe, redefinir funções e dobrar o tráfego de páginas em um ano, além de aumentar sua receita em quase 500% no ano passado.

Uma das consultoras estratégicas do Velocidad e diretora da GK do Equador, Isabela Ponce, disse que um dos primeiros desafios que encontrou nos três meios de comunicação que consultou durante o programa foi a falta de definição de papéis.

Ajudá-los a perceber que tinham que delegar responsabilidades e ter alguém especializado em cada área foi difícil. Foi um processo para os participantes aprenderem a deixar ir, disse Ponce. "Toda a mídia em crescimento precisa enfrentar isso."

Uma das perguntas dos participantes do Colóquio para os participantes do Velocidad foi o que há depois do Velocidad, eles se sentem órfãos? O painel respondeu quase em uníssono, que o objetivo era ficar sem Velocidad ​​e seguir em frente. "Eles nos prepararam para sobreviver", disse Dell'Agostino, do Posta.

Uma das conclusões dos participantes do Speed ​​é que a mídia deve diversificar sua renda para ser independente e sustentável. Eles podem implementar serviços de adesão, incluir a participação da comunidade, oferecer serviços editoriais, consultorias, treinamentos, entre outros, desde que se enquadrem no perfil de cada veículo.

E não depender muito da publicidade “é fundamental” para a independência editorial, disse o diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, Rosental Alves.

More Articles