texas-moody

Agressões contra a imprensa durante protesto em outubro foram as mais violentas da capital mexicana, aponta Artigo 19

Por Norma Garza

Com um saldo final de 46 jornalistas e defensores dos direitos humanos agredidos no dia 2 de outubro de 2013 na marcha comemorativa da chacina em Tlatelolco, a organização Artigo 19 qualificou este ataque à liberdade de expressão como o mais violento na capital política do México durante um ato de protesto social.

Em um relatório recente, a organização defesora da liberdade de expressão descreveu os testemunhos recolhidos pela rede de solidaridade #RompeElMiedo como um ataque direto contra a imprensa. Artigo 19 também pediu às autoridades para oferecer aos afetados reabilitação física e compensação pelas agressões, reconhecer sua responsabilidade e oferecer desculpas, e submeter os responsáveis a julgamento.

O documento relata que 120 jornalistas, defensores dos direitos humanos, socorristas e comunicadores sociais sofreram violência nesta marcha, com 46 casos de agressões, 32 cometidos por policiais, 8 cujos agressores são desconhecidos, 3 cometidos por supostos policiais a paisana e 3 por pessoas de rosto coberto.

CNN México, Sinembargo, SDP Noticias, e Aristegui Noticias, entre outros meios, repercutiram o relatório da entidade não governamental. Leia o documento completo na página da Artigo 19.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog Jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos