texas-moody

Às vésperas de referendo, presidente do Equador mais uma vez critica a imprensa, a quem acusa de enganar a população

Menos de uma semana antes do referendo que poderá abrir caminho para a reestruturação da Justiça e a regulamentação da imprensa do Equador, o presidente Rafael Correa criticou os veículos de comunicação, afirmando que eles “enganam, mentem” e são seus maiores opositores, informou a agência AFP.

A consulta popular será realizada no sábado 7 de maio de 2011 e terá 10 perguntas. Entre elas, uma sobre uma lei de comunicação para criar o conselho que regule o conteúdo da imprensa.

"Os grandes adversários da revolução cidadã nesta campanha têm sido os meios de comunicação", disse Correa no sábado 30 de abril de 2011, segundo o Expreso. O presidente acusou alguns veículos de fazer campanha contra o referendo.

O secretário de Comunicação, Fernando Alvarado, também atacou a imprensa, acusando os veículos de manipular a informação para confundir a população, de acordo com o El Ciudadano, jornal digital do governo.

El Universo, jornal que está sendo processado pelo presidente por supostas injúrias, publicou um editorial no qual pede à população que fique atenta para evitar "roubo" no referendo.

Correa mantém uma tensa relação com a imprensa e frequentemente chama os jornais de oposição de “pasquins” e “corruptos”. Nos últimos meses, os processos abertos pelo presidente contra o El Universo e dois jornalistas que escreveram um livro sobre supostos casos de corrupção e nepotismo em seu governo pioraram ainda mais essa relação.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos