texas-moody

Centro Knight amplia iniciativas para promover diversidade, equidade e inclusão nas redações da América Latina

Quase 500 alunos de todos os países da América Latina concluíram recentemente um curso especial online de espanhol e uniram esforços para promover diversidade, equidade e inclusão (DEI) nas redações e no conteúdo que produzem.

O curso "Como promover diversidade, equidade e inclusão (DEI) no jornalismo latino-americano" foi oferecido de 28 de fevereiro a 27 de março como parte de uma série de iniciativas (cursos, webinars, conferência e e-book) organizadas pelo Centro Knight de Jornalismo nas Américas, graças ao generoso apoio da Google News Initiative. O objetivo é incentivar os jornalistas latino-americanos a entender melhor as questões do DEI e incorporar esses conceitos em seu trabalho.

Grupo de pessoas diversas

“Desde que lançamos nosso primeiro curso online aberto massivo (MOOC) sobre diversidade no jornalismo no ano passado, ficamos impressionados com o grande interesse demonstrado pelos jornalistas latino-americanos em aprender mais sobre o tema e como eles podem incorporá-lo em suas organizações e na cobertura de notícias”, disse o professor Rosental Alves, fundador e diretor do Centro Knight. "Graças ao apoio do GNI, não só pudemos oferecer esse MOOC, mas também continuar com outras iniciativas para difundir o DEI entre os jornalistas latino-americanos."

Marco Aviles

Marco Avilés, jornalista e consultor em questões de racismo e diversidade. (Foto de Ann S. Kim. Cortesia)

Em janeiro de 2021, o Centro Knight ofereceu o MOOC em espanhol “Diversidade nas notícias e nas redações”, ministrado pelo jornalista peruano Marco Avilés. O curso, que atraiu quase duas mil pessoas de todos os países da América Latina, agora está disponível como um curso autodirigido que pode ser acessado na plataforma de aprendizado online JournalismCourses.org.

“'Diversidade nas notícias e nas redações' é um curso que oferece ideias, conselhos, leituras, debates e experiências”, disse Avilés. “Mas acima de tudo, tente se motivar a agir. Ou seja, criar espaços de trabalho equitativos e um jornalismo mais receptivo.”

Agora, em sua versão autodirigida, o curso está disponível para consulta por alunos que fizeram o MOOC e por novos interessados ​​no assunto que podem fazer o curso no seu próprio ritmo. É gratuito e não é necessário registro.

Após a conclusão do MOOC, o Centro Knight organizou a primeira Conferência Latino-Americana sobre Diversidade no Jornalismo. Realizada de 26 a 27 de março de 2021, a conferência concentrou-se nos tópicos de gênero, orientação sexual, questões raciais e étnicas e deficiência. Todos os vídeos desta conferência, realizada em espanhol, podem ser encontrados no YouTube. É uma conversa fascinante entre 20 jornalistas latino-americanos preocupados com a diversidade (ou falta dela) do jornalismo na região.

Palestrantes da Conferência de Diversidade

Palestrantes na Primeira Conferência Latino-Americana sobre Diversidade no Jornalismo.

Depois, em 17 de julho de 2021, durante um painel na conferência anual da Associação Nacional de Jornalistas Hispânicos (NAHJ) dos Estados Unidos, o Centro Knight anunciou a publicação do e-book pioneiro “Diversidade no jornalismo latino-americano”. O e-book apresenta artigos de 16 jornalistas de sete países sobre como tornar as redações e a cobertura jornalística mais inclusivas. O e-book, escrito em espanhol, pode ser baixado gratuitamente em JournalismCourses.org.

E, para se preparar para o último curso online, “Como promover diversidade, equidade e inclusão (DEI) no jornalismo latino-americano”, o Centro Knight entrevistou mais de 400 jornalistas, editores, executivos de mídia e estudantes e professores latino-americanos de jornalismo de 15 países sobre questões de diversidade para redações.

A jornalista mexicana e coordenadora do curso, Mariana Alvarado, também realizou entrevistas individuais com diretores de meios de comunicação na América Latina, discutindo os esforços ou a falta de esforços para promover o DEI nos noticiários e em suas redações.

Alvarado disse que aprendeu por meio dessas conversas que a mídia nativa digital parece estar mais focada em cobrir a diversidade do que a mídia tradicional. Portanto, havia um foco em atrair pessoas da mídia nativa digital, mas também de meios de comunicação tradicionais maiores que recentemente mostraram um interesse crescente no DEI.

A pesquisa e as entrevistas também revelaram outro foco importante.

E-book sobre diversidade

O e-book "Diversidade no Jornalismo Latino-Americano" está disponível para download gratuito em JournalismCourses.org.

“Entendemos que precisamos educar todos na indústria, não apenas jornalistas, mas também gerentes e pessoas de recursos humanos”, disse ele.

Como resultado, os participantes do curso incluíram não apenas jornalistas, acadêmicos e estudantes, mas também pessoas em cargos gerenciais e de liderança.

Além disso, mais de 34% das inscrições para o curso eram de homens, o que é notável, já que Alvarado disse que o trabalho do DEI geralmente recai sobre as mulheres.

O curso foi ministrado por quatro instrutores da América Latina especializados em temas relacionados ao DEI: a jornalista e editora de gênero peruana Lucía Solís; a roteirista mexicana e especialista em formação de jornalistas María Teresa Juárez; a jornalista colombiana especializada em investigações e gênero Pilar Cuartas; e a comunicadora argentina Belén Arce Terceros.

“A participação dos alunos foi muito rica, muito ativa e a interação que ocorreu com os instrutores de cada um dos módulos foi especial, pois ao contrário de outros cursos online, muitas das participações nos fóruns tiveram feedback ou comentários rápidos e acertados, tanto dos outros alunos quanto dos próprios instrutores”, disse Alvarado.

O curso online “Como Promover Diversidade, Equidade e Inclusão (DEI) no Jornalismo Latino-Americano” já está disponível como um curso individualizado e pode ser feito a qualquer momento.

Após o curso, Alvarado e os instrutores realizaram sessões de treinamento com redações individuais em Peru, Colômbia e México. Um quarto está prestes a chegar à Argentina. Durante esses treinamentos, eles compartilharam o conteúdo do curso, mas o personalizaram para a redação específica, por exemplo, concentrando-se em gênero ou cobertura antirracista. As sessões de treinamento atraíram jornalistas e executivos dos veículos.

A instrutora do curso, Lucía Solís, refletiu sobre a importância de dar tempo e espaço nas redações latino-americanas para explorar as questões do DEI.

“Acredito firmemente que a profissão jornalística está intimamente ligada ao respeito aos direitos humanos, só que nas últimas décadas esse aspecto fundamental do jornalismo foi negligenciado. A produção de informações foi padronizada sem levar em conta a representação diversa, equitativa e inclusiva das populações vulneráveis, como mulheres, pessoas racializadas ou deficientes e a comunidade LGTBQI+", disse Solís. "Por isso acho importante que o jornalismo responda às demandas de uma sociedade que espera mudanças estruturais tanto na produção jornalística quanto em seus próprios espaços de trabalho e redescubra seus princípios básicos, como a pluralidade de vozes, a ética, a vigilância do cumprimento dos direitos humanos e a inclusão tanto para quem acessa a informação quanto para quem a produz”.

Banner para DEI MOOC

Tanto no curso quanto nos treinamentos, Alvarado percebeu atitudes abertas e humildes entre os participantes.

"Eles foram muito abertos sobre todas as questões que compartilhamos com eles", disse. “Nunca tivemos problemas com alguém sendo desrespeitoso ou arrogante sobre questões que compartilhamos. Sempre houve um bom clima com eles aprendendo e compartilhando experiências conosco. Eles foram humildes em tentar aprender sobre os conceitos que compartilhamos, mesmo que algumas pessoas já tivessem experiência com eles.”

“Estamos muito orgulhosos e felizes com os resultados, pois muitos de nossos participantes expressaram que já estavam implementando algumas mudanças em suas redações e compartilhando o que aprenderam”, acrescentou.

Solís vê esperança em ampliar a conversa sobre DEI na América Latina no futuro.

"Tenho certeza de que as iniciativas não apenas foram bem recebidas, mas também plantaram uma semente de compromisso com diversidade, equidade e inclusão no jornalismo latino-americano que poderemos ver crescer, espero, neste ano e nos próximos", disse.

Mais artigos