texas-moody

Cobrir o racismo na América Latina vai além de mostrar a violência

Esta é a segunda parte de um artigo que aborda o racismo e a cobertura da violência racial na América Latina. Para ler a primeira parte, clique aqui.

A cobertura recente de racismo e violência racial na América Latina destacou não apenas a necessidade dessa cobertura, mas a necessidade de ter mais jornalistas negros e indígenas nas redações. Algumas revistas digitais alternativas problematizaram essas questões de racismo de maneiras diferentes da mídia tradicional - e há lições a serem aprendidas com sua cobertura.

Apostando na conversa

Kaja Negra é um meio digital com sede no México e cujo trabalho jornalístico tem “muito a ver com mulheres de diferentes áreas e contextos e com pessoas LGBTQ", disse a jornalista e coordenadora Lizbeth Hernández à LatAm Journalism Review em julho. O meio, segundo ele, é um projeto cultural que integra jornalismo, uma editora e uma área de aprendizagem e imaginação na forma de oficinas.

Lizbeth Hernandez

Periodista y coordinadora Lizbeth Hernández de Kaja Negra. (Foto: Cortesía)

Ao decidir como a mídia iria contribuir e como iria participar das conversas que aconteciam sobre o racismo desde o assassinato de George Floyd nos Estados Unidos, Hernández disse que decidiram apostar “na conversa, na escuta”, algo que considera importante nos espaços jornalísticos.

“Acreditamos que o jornalismo não são apenas aqueles grandes especiais transnacionais e colaborativos”, explicou a jornalista. “Podemos continuar fazendo isso, mas ouvir, conversar, dialogar também é importante para nós, especialmente quando vivemos em um país como o México, que é tão polarizado”.

Em junho, Kaja Negra realizou a sessão ao vivo "Antes do racismo, reflexões para desmantelar as práticas e ideias colonialistas" e depois em julho teve uma dinâmica com Jumko Ogata Aguilar, escritora afro-japonesa e chicana de Veracruz, da qual foi convidada que as pessoas façam perguntas, publicamente ou anonimamente, sobre o racismo. Em setembro, eles realizaram outra sessão intitulada "Antes do racismo: reflexões e ideias para desmantelá-lo".

Hernández disse que na Kaja Negra se procuram colaborar e experimentar diferentes formatos que incentivem a participação de uma pessoa que pode não estar interessada em ler um texto longo, mas em ouvir ou fazer perguntas durante uma sessão.

“Procuramos gerar outras dinâmicas, porque embora as histórias jornalísticas contribuam muito, acreditamos que também chega um momento em que temos que explorar outras formas de as pessoas se interessarem pelos temas”, disse.

É importante reconhecer e não invisibilizar, destacou Hernández, o trabalho de grupos que já abordaram a questão do racismo muito antes de estourar na mídia mexicana. Quanto mais meios de comunicação problematizarem a questão, mais relevantes e enriquecedoras serão as discussões, acrescentou. No entanto, essas conversas estão sendo conduzidas principalmente por coletivos, associações civis e organizações não governamentais.

Kaja Negra_Ante el racismo_1

“É aí que a mídia tem que colocar a energia porque tem coisas que estão sendo muito mais interessantes e discutidas de uma forma melhor em outros espaços que não são jornalísticos”, disse.

Ter essas conversas nas redações dos maiores meios de comunicação é difícil, explicou, especialmente durante uma pandemia em que alguns não forneceram equipamentos de trabalho e de saúde e, em muitos casos, o seguro médico necessário para os jornalistas. pode trabalhar com segurança. Além disso, destacou que para ver realmente a desigualdade e a discriminação nos meios de comunicação é necessário analisar quem está em cargos de poder e liderança, a que família pertence e sua compleição.

“Quando o veículo ou o projeto está problematizando algo, isso vai ser percebido mais no trabalho do que no discurso, pois se pode dar um discurso tremendo e na hora chegar até você com as mesmas fórmulas que já estão comprovadas”, enfatizou Hernández . “Para nós é isso, não queremos cair nas reproduções das fórmulas feitas. Queremos problematizar, cara”.

Não basta falar de racismo, é preciso haver jornalismo anti-racista.

Os redatores do meio digital Afroféminas, que conta com colaboradores em toda a América Latina, Porto Rico e Espanha, ajudaram a tornar visíveis os desaparecimentos forçados e os crimes cometidos contra os negros. É o caso do artigo “O racismo não acaba, a guerra não acaba, e quem se importa com a vida dos negros na Colômbia?”, que fala sobre os massacres de jovens e adolescentes negros em apenas uma semana de agosto deste ano naquele país. 

"[Cinco] meninos afrodescendentes foram assassinados em Cali e muitas pessoas na Colômbia não associaram [isso] como um crime de ódio, como foi o caso do crime de George Floyd nos Estados Unidos", disse Alejandra Pretel, redatora afro-colombiana e o representante da Afroféminas na Argentina, à LJR. Deve-se notar que o assassinato de Floyd foi gravado e teve uma transmissão massiva em todo o mundo, disse ele, mas isso apresenta outro problema. “[Devemos] pensar em que nível atingimos que a única coisa que me sensibiliza é ver uma pessoa morrendo de vontade de entender que existe um sistema estrutural e que existem pessoas que são violadas todos os dias por esses sistemas”.

O caso Floyd esteve na primeira página de muitos meios de comunicação, algo que não costuma acontecer com pessoas racializadas na mídia em seus próprios países, frisou Pretel. “Também é importante pensar que estamos em um mundo globalizado e que o que acontece nos Estados Unidos está na TV em todos os lugares e o que acontece na América Latina é a verdade que esperamos descobrir”, disse.  

Mas, além de divulgar esses casos, Pretel acrescenta que é importante que a mídia exerça o jornalismo anti-racista, que é mais proativo e exige questionamentos internos do jornalista e da equipe.

Jornalista e representante da Afroféminas na Argentina Alejandra Pretel. (Foto: Divulgação)

Redatora y representante de Afroféminas en Argentina Alejandra Pretel. (Foto: Cortesía)

Na Colômbia, explicou Pretel, a ideologia da trietnia está profundamente enraizada, ou seja, todo mundo tem algo indígena, preto e branco, mas que o objetivo é branquear tanto as pessoas quanto os costumes. 

“Quando escrevo um artigo e falo sobre o contexto colombiano, coloco brancos e mestiços na mesma categoria porque, devido a muitas dinâmicas históricas e sociais, os mestiços na Colômbia são pessoas que têm privilégios étnicos”, disse.  

O jornalismo anti-racista, explica Pretel, requer desaprender muitas questões que propagam estereótipos e discriminação, e isso inclui a linguagem usada na redação. Em julho, a Agrupación Xangô, organização afro formada por ativistas com foco na justiça social e da qual a Pretel também pertence, denunciou no Facebook uma nota do jornal argentino Clarín, cuja manchete dizia que a Venezuela é “africanizada” e trazia uma foto mostrando um homem negro comendo do lixo. O grupo declarou que a manchete era racista e “ligava a África à pobreza, marginalização, vulnerabilidade. Puro racismo”.

Pretel reitera que é necessário rever a linguagem, as imagens e os conceitos que são utilizados e qual a sua origem. Ele deu como exemplos a etimologia da palavra denegrir, que é "colocar mais preto", e a palavra quilombo, que na Argentina significa desordem, quando na verdade eram espaços de fuga dos negros da escravidão. Ele acrescentou que é preciso integrar índios e negros à equipe jornalística.

“Um jornalismo anti-racista vai além de mostrar a violência sofrida por pessoas racializadas, mas para deixar de usar estereótipos, estigmas, linguagens racistas no que escrevemos ou no que podemos construir a partir desse lugar”.

Mais artigos