texas-moody

Colóquio Ibero-americano de Jornalismo Digital encerra com anúncio de nova associação de jornalismo digital no Brasil, ebook e podcast

O Colóquio Ibero-americano de Jornalismo Digital de 2021 se encerrou com três anúncios importantes: o lançamento de uma associação de jornalismo digital no Brasil, um ebook sobre diversidade e um podcast sobre a perseguição do ex-presidente do Equador Rafael Correa contra o jornal El Universo, enquanto ele era chefe do governo do país.

No primeiro anúncio, a diretora-executiva da Agência Pública, Natalia Viana, revelou que 30 organizações, sites e startups de jornalismo brasileiros estão fundando a Ajor (Associação Brasileira de Jornalismo Digital), que será oficialmente lançada em junho.

Segundo Viana, as organizações que formam a associação fazem jornalismo digital, de maneira inovadora e independente, e são lideradas pelos próprios jornalistas. Ela destacou que a Ajor é a primeira associação do tipo, de jornalismo digital, no país.

"No Brasil, está havendo uma explosão de novas mídias, assim como na América Latina, e essas mídias estão se tornando cada vez mais respeitadas e mais influentes no debate público", disse ela, na apresentação.

Viana contou que a associação nasceu de uma percepção de que esses veículos fazem um jornalismo diferente das redações tradicionais, por ser mais dinâmico, inovador e diverso. E que os diretores dessas organizações têm feito reuniões desde agosto de 2020 para construir a Ajor.

"A ideia da associação é fomentar e fortalecer esse campo, fortalecer a diversidade e o jornalismo independente em todo o Brasil. E também espalhar essa ideia, incentivar outros jornalistas a se tornarem empreendedores e fortalecer todas as associadas", disse ela, acrescentando que a Ajor também se propõe a defender a democracia no país.

"Esse foi um trabalho de nove meses, e o bebê está chegando ao mundo. Nos dá muito prazer e é uma honra para o Centro Knight estar envolvido nesse projeto. Como a Natalia disse, é um exemplo que talvez possa inspirar, em outras partes da América Latina e do mundo, um reconhecimento de que essas startups são um novo tipo de organização que deveria se unir e se associar da mesma forma que os meios tradicionais estão associados", disse Rosental Alves, diretor do Centro Knight.

Em seguida, a jornalista e editora Mariana Alvarado, do México, contou sobre o lançamento de um ebook, como parte da Primeira Conferência Latino-Americana sobre Diversidade no Jornalismo, organizada pelo Centro Knight, com o apoio da Google News Initiative. A conferência, que foi realizada em março de 2021, trouxe jornalistas latino-americanos para falar sobre gênero, orientação sexual, assuntos raciais e étnicos e deficiência.

"Hoje queremos compartilhar com vocês que estamos preparando um ebook que esperamos seja publicado em breve", disse ela, acrescentando que a conferência teve mais de dois mil inscritos.

"Realmente percebemos que temos que continuar promovendo a diversidade, a inclusão e a equidade em nossas redações, isso é algo que não pode mais parar", afirmou.

print screen de mesa dos anúncios

Rosental Alves (no topo, esquerda), Natalia Viana (no topo, direita), César Pérez e Mariana Alvarado

Alvarado disse que, além de estarem planejando a segunda edição da conferência, o ebook será um material de inspiração, que vai abordar as melhores práticas sobre diversidade no jornalismo, baseadas nas experiências dos palestrantes do evento.

Por último, o equatoriano César Pérez, estudante do segundo ano de jornalismo da Universidade do Texas em Austin, apresentou o podcast Crooked Power, que deve ser lançado em setembro. Pérez é codiretor e coapresentador do podcast, em conjunto com Anysa Hernandez, também da universidade.

Pérez também é filho do dono do jornal El Universo, um dos jornais mais importantes do país, que tem quase cem anos. Em Crooked Power, Pérez vai contar a história de como a sua família se tornou alvo do ex-presidente do Equador Rafael Correa. O podcast vai falar sobre a narrativa governamental contrária à imprensa, sobre liberdade de expressão e corrupção.

"Em 2011, o então presidente, Rafael Correa, processou meu pai por um artigo de opinião que outra pessoa escreveu no jornal. O processo foi de 80 milhões de dólares e três anos de prisão", contou Pérez, no Colóquio.

"Meu tataravô fundou El Universo, um jornal equatoriano, cem anos atrás, mas em 2011 meu pai lutou para protegê-lo de um regime intolerante", diz Pérez, no trailer do podcast.

A produção, feita em conjunto pelo El Universo e a produtora de podcasts estudantil The Drag, vai ter uma versão em inglês e espanhol.

Veja o vídeo do 14º Colóquio Ibero-americano de Jornalismo Digital em espanhol e português. O encontro anual, tradicionalmente realizado após o encerramento do Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), é organizado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, com o apoio do Google News Initiative.

 

More Articles