texas-moody

Faça mais e melhor jornalismo para defender a democracia em meio a governos autoritários, dizem palestrantes de webinar

“Acredito que é hora de ter coragem, mas não descuidada, pois não queremos ser mártires, para continuar buscando informações para os cidadãos. Temos que lembrar que o jornalismo é um serviço à comunidade, um serviço ao cidadão”, disse César Fagoaga, gerente geral da Revista Factum de El Salvador, durante o webinar “Jornalismo em tempos de polarização e desinformação na América Latina".

Para o jornalista salvadorenho, essa deve ser uma das estratégias para enfrentar governos autoritários que abusam do judiciário e compram ou invadem a mídia para amedrontar e censurar o jornalismo. Fagoaga se reuniu com colegas de Honduras, Nicarágua e Venezuela para o último painel do dia, intitulado “Democracia e liberdade de imprensa: o papel da imprensa na defesa da democracia e da liberdade de expressão”.

A conversa foi moderada por Teresa Correa , professora da Universidad Diego Portales no Chile. Ela iniciou a discussão com um panorama “sombrio”, segundo alguns palestrantes, da situação da liberdade de imprensa em muitos países da região, mas principalmente nos representados no painel.

Teresa Correa, Jennifer Ávila, César Fagoaga, Ewald Scharfenberg, and Cindy Regidor durante o painel “Democracia e liberdade de imprensa: o papel da imprensa na defesa da democracia e da liberdade de expressão”

Teresa Correa, Jennifer Ávila, César Fagoaga, Ewald Scharfenberg e Cindy Regidor durante o painel “Democracia e liberdade de imprensa: o papel da imprensa na defesa da democracia e da liberdade de expressão”. (Captura de tela)

 

Jennifer Ávila, cofundadora do veículo digital nativo Contracorriente de Honduras, disse que o problema mais grave do país é a cooptação do sistema de justiça pelo Executivo, que em última instância é usado como uma “arma contra os jornalistas.

Ela contou a história de como em 2020 - em meio à pandemia - Honduras aprovou um novo Código Penal que não apenas ratificou a difamação e a calúnia como crimes, mas acrescentou novas dimensões a esse crime, como a difamação financeira. Também tornou crime revelar informações consideradas um "segredo oficial".

“Isso representa uma ameaça ao jornalismo e é obviamente a primeira coisa que os poderosos apresentam como um alerta”, disse Ávila. Ela acrescentou que este último crime é especialmente prejudicial ao jornalismo investigativo, que normalmente revela informações que deveriam ser de conhecimento público.

“Existem vários aspectos no novo Código Penal, que acredito ser uma prática que nossos sistemas de justiça têm feito para silenciar a imprensa independente, especialmente a imprensa incomodada”, disse ela.

Ávila destacou que essa situação também se dá em um contexto de muita polarização criada desde 2009, quando ocorreu um golpe. Este cenário cria um ambiente inseguro para jornalistas, especialmente durante a temporada de campanha. Os jornalistas também carecem de ajuda estatal para sua proteção, disse.

“Neste momento estamos próximos das eleições e, francamente, também não temos garantias de segurança na rua, porque as instituições judiciárias, repito, são cooptadas e, obviamente, em vez de protegerem a imprensa fazem-no inimigo ”, disse ela.

Fagoaga disse que a situação em El Salvador parece ser uma cópia da realidade nicaraguense, com o problema adicional de que a “perda da ordem democrática e constitucional” que aconteceu na Nicarágua ao longo de uma década, em El Salvador ocorreu em dois anos, disse.

O jornalista afirmou que esse processo pode ser visto em três fases. A primeira foi por meio de um discurso de ódio e da criação de inimigos “para encobrir suas próprias falhas”. O problema mais sério, disse ele, é que, por se tratar de sociedades violentas, esse tipo de discurso tem mais repercussões na vida real. Por exemplo, a Associação de Jornalistas de El Salvador (APES, na sigla em espanhol), liderada por Fagoaga, já registrou mais ataques em 2021 do que em todo o ano de 2020, faltando dois meses no ano. Ele também disse que a Polícia Nacional é a principal agressora dos jornalistas.

A segunda fase tem a ver com o bloqueio sistemático de informações. Em El Salvador, disse, não pode haver entrevista que não tenha sido aprovada pela presidência. A terceira fase é o uso de instituições do Estado para atacar meios de comunicação e jornalistas, como o uso de redes de TV e rádio para atacá-los ou o uso de contas oficiais do Twitter com o mesmo objetivo.

Tudo isso piorou quando, em 1º de maio, a Assembleia Nacional anulou o Supremo Tribunal de Justiça para nomear novos juízes, muitos deles aliados do Executivo.

“Isso quebrou a ordem constitucional. Desde então, não podemos dizer que temos democracia em El Salvador. Não há separação dos poderes, há controle do aparelho judiciário ”, disse Fagoaga. “Isso é muito importante porque em El Salvador e em outros países muitos de nós acreditamos que democracia significa apenas votar. Não, a democracia é muito mais do que isso. ”

Após essa pausa, vem a fase final, que envolve “amordaçar e reprimir a mídia e os jornalistas”, disse . Ele acredita que estamos vendo os primeiros indícios, já que as autoridades começaram a falar sobre a necessidade de regular a mídia, logo depois que “investigações jornalísticas revelaram a corrupção do governo [Nayib] Bukele”.

Na Nicarágua, após 14 anos no poder, Daniel Ortega já reforçou suas estratégias e mecanismos para acabar quase totalmente com a imprensa independente, mas os jornalistas do país não desistem, segundo Cindy Regidor. Ela trabalha para a Confidencial e atualmente está na Costa Rica. Assim como El Salvador vê o que está por vir ao olhar para a Nicarágua, os nicaraguenses viram na Venezuela naquela época.

Regidor disse que o esmagamento da mídia começou em 2007, quando as entrevistas começaram a ser restritas e também as declarações a jornalistas não considerados aliados. A partir de então, começaram a compra da maioria dos canais de televisão e estações de rádio pela família Ortega Murillo, o uso da publicidade oficial como ferramenta de recompensa ou punição e um círculo cada vez mais fechado da mídia.

No entanto, em abril de 2018, a situação piorou devido aos protestos em massa contra o governo Ortega. A repressão que resultou em mais de 300 mortos, milhares de feridos, centenas de presos políticos e outros que buscavam o exílio também foi prejudicial ao jornalismo independente. O caso mais grave foi o assassinato do jornalista Ángel Gahona, que fazia a cobertura ao vivo de um dos protestos. Dois outros jornalistas estiveram presos por mais de seis meses, Miguel Mora e Lucia Pineda, e os meios de comunicação 100% Noticias e Confidencial foram confiscados.

Essas duas agências de notícias estão sendo censuradas em sinal aberto, então precisam transmitir pelo YouTube. O governo também usou estratégias como o embargo alfandegário para evitar que a mídia impressa receba suprimentos. Como em Honduras, o abuso do poder judiciário na Nicarágua cria leis que buscam censurar ainda mais a mídia, como a lei do crime cibernético. Essa lei permite que o governo penalize as “notícias falsas” de acordo com seus próprios critérios.

As eleições presidenciais mais recentes em 7 de novembro testemunharam outra onda de perseguição a jornalistas e figuras da oposição, disse Regidor. Isso levou ao exílio de mais de 30 jornalistas, entre eles o diretor executivo do Confidencial, Carlos Fernando Chamorro. Além do exílio, os jornalistas deixaram de incluir assinaturas em seus artigos para se protegerem.

No entanto, Regidor vê uma evolução no surgimento de novas plataformas de informação, que procuram combater o muro de informação. Ela também disse que a proximidade entre os jornalistas é outro ponto positivo.

“É extremamente importante que, em última instância, o que nós jornalistas nicaraguenses tenhamos feito tenha sido formar um único corpo, seja na Nicarágua ou em outro lugar”, disse Regidor. “Vejo claramente que é uma ditadura e o nosso público confia em nós. Não gosto de usar linguagem bélica, mas acredito que o jornalismo se tornou uma última fortaleza... na Nicarágua ”.

O jornalista venezuelano Ewald Scharfenberg , coeditor do canal digital nativo Armando.info e atualmente exilado na Colômbia, disse que embora pareça uma “piada amarga”, o que seus colegas da Nicarágua e de El Salvador estão passando agora já se experimentou na Venezuela.

Em seu país, o 'chavismo', já com 23 anos no poder, nos primeiros anos não tinha tendências tão ditatoriais como em outros países. Embora o importante meio de comunicação RCTV tenha sido fechado, não houve outros encerramentos ou prisões de jornalistas.

Para Scharfenberg, o regime de Hugo Chávez utilizou mecanismos que chamou de pós-modernos, como o controle do fornecimento de mídia impressa, impostos onerosos para a mídia, leis que prejudicam indiretamente a mídia ou o uso de redes nacionais para interromper programas que consideravam inconvenientes.

No entanto, depois da morte de Chávez, além da crise econômica, “o controle da mídia assume outra aparência, uma aparência talvez mais diretamente controladora e repressiva”, disse Scharfenberg.

Por volta de 2013, o governo começou a comprar os principais meios de comunicação da oposição, como Globovision, Ultimas Noticias e El Universal. Além disso, jornalistas começaram a ser julgados e sites nativos digitais como o Armando.info, que nasceram para enfrentar a compra de mídia tradicional, foram bloqueados.

Conforme explicou, em seu meio de comunicação eles conseguiram detectar ferramentas de bloqueio que fazem com que, de cada 10 pessoas que clicam em redes sociais como o Twitter, apenas uma consegue acessar seu site.

“Mas acredito que além de todas essas menções a certos mecanismos e formas de controle aplicados pelo governo da Venezuela, muitos deles semelhantes a outros países, acho que o principal efeito e dano causado após 23 anos na Venezuela, são os danos do regime ao conceito de verdade, ao conceito de fato”, disse Scharfenberg.

O governo tenta agora impor apenas uma verdade, disse ele. O caso em questão é Alex Saab, empresário colombiano atualmente acusado em Miami por lavagem de dinheiro e que o governo venezuelano diz ser diplomata. De acordo com Scharfenberg, a versão do governo teria prevalecido se não fosse o trabalho de Armando.info, que havia seguido a trilha de Saab anos antes.

Embora o panorama pareça realmente “sombrio”, como disseram os palestrantes, eles acreditam firmemente que o jornalismo deve seguir seu curso para manter a democracia, sendo uma das “últimas fortalezas”, como disse Regidor.

Ávila acredita que o mais importante é continuar fazendo mais e melhor jornalismo e se tornando aliado de outros especialistas como advogados.

“Acredito que uma das maneiras pelas quais o jornalismo pode responder é se profissionalizar, mas também trabalhar com outras disciplinas, como neste caso, com profissionais do direito, e ser extremamente rigoroso em nossos processos editoriais”, disse Ávila. “Também tivemos que aprender novas tecnologias e mídias sociais, como o discurso de ódio acontece no Twitter, Facebook. Talvez sejamos mídia digital e talvez não estivéssemos tão bem equipados para realmente lidar com isso.”

Fagoaga concordou totalmente com Ávila em ser rigoroso, e acrescentou a necessidade de estar próximo de outros jornalistas, mas mais do que isso, fazer com que a comunidade entenda a importância do jornalismo.

“[É necessário] que as pessoas percebam a importância do jornalismo. Muitas vezes acreditamos que a liberdade de expressão é apenas o direito que temos para divulgar nossas ideias ”, disse Fagoaga. “A liberdade de expressão, que é um direito humano, é também o direito que temos de receber informação. Quando eles atacam o jornalismo, estão restringindo nosso direito à liberdade de expressão e isso é importante, que possamos comunicar isso às pessoas para que possam nos defender. O jornalismo ficará mais seguro caso se torne um órgão único com a sociedade, e isso depende de nós ”.

Os vídeos do webinar estão disponíveis em Espanhol e Português.

Mais artigos