texas-moody

Governo de El Salvador reforça limites à liberdade de expressão e imprensa durante pandemia de COVID-19

Desde que o governo salvadorenho impôs quarentena obrigatória em casa em 21 de março devido à pandemia de coronavírus, várias restrições executivas afetaram o acesso à informação e liberdade de expressão.

Presidente de El Salvador, Nayib Bukele. Foto: Carlos Barrera/El Faro. (Cortesía.)

Presidente de El Salvador, Nayib Bukele. Foto: Carlos Barrera/El Faro. (Cortesía.)

“Normalmente, este já era um governo muito opaco; está se tornando ainda mais durante a resposta à epidemia”, disse José Luis Sanz, diretor do site de jornalismo investigativo salvadorenho El Faro, ao Centro Knight.  

Sanz destacou que isso ocorre principalmente em relação à criminalização e estigmatização do trabalho jornalístico e ao bloqueio de informações.

“Desde o início da quarentena, El Faro continuou a receber o tipo de pressão ou acusações do governo, que eram comuns. Acima de tudo, vindo do secretário de imprensa ou de outras pessoas próximas ao presidente [Nayib] Bukele, que apontam para nós e nos acusam de ter uma agenda oculta ou de fazer parte de um suposto eixo de ataque ao governo”, afirmou Sanz.

Houve muita improvisação no início da pandemia pelo governo, disse Luis Laínez, vice-chefe de informação do jornal salvadorenho La Prensa Gráfica, ao Centro Knight. "Houve, por exemplo, uma garantia para o movimento de jornalistas, mas ficou assim, sem levar em trabalhadores da mídia em conta (no nosso caso, gráficos e outros colaboradores, incluindo vendedores de jornais)“, disse ele.

De acordo com Laínez, agora um novo decreto permite que jornalistas e profissionais da mídia circulem com o seu passe de imprensa, mas a presidente da Associação de Jornalistas de El Salvador (Apes, na sigla em espanhol), Angélica Cárcamo, disse ao Centro Knight que casos de repressão de jornalistas no contexto de quarentena obrigatória são recorrentes no interior do país.

"No final de semana passado, elementos de segurança disseram a um jornalista de um meio de comunicação comunitário associado à Arpas (Associação de Transmissão Participativa de El Salvador) que seu sua credencial de jornalista não era válida porque é da mídia que, para eles, é crítica ao atual governo”, afirmou Cárcamo.

No contexto do COVID-19, "como Apes, consideramos que não há garantias à liberdade de expressão; pelo contrário, há um aumento nas violações do direito à liberdade de expressão, liberdade de imprensa e direito de acesso à informação”, disse Cárcamo. “Vimos também um aumento de casos de assédio digital e ameaças contra jornalistas, a maioria mulheres, por falsas contas de Twitter', disse ela. 

Como Cárcamo disse, de acordo com dados registrados pela Apes, centro de monitoramento para atenção aos jornalistas, de 21 de março a 21 de abril, ocorreram 30 violações contra jornalistas no país, confirmando um maior abuso de poder pela Polícia Nacional Civil (PNC) e por elementos das Forças Armadas (FAES) contra a imprensa.

O Provedor de Justiça para a Defesa dos Direitos Humanos (PDDH) publicou recentemente que desde o início da quarentena obrigatória em casa, em 21 de março até 20 de abril, registraram-se 581 casos de violações de direitos humanos em nível nacional, 100 deles são violações do direito do acesso à informação.

Em uma declaração datada de 17 de abril, o Conselho de Proteção a Jornalistas de El Salvador denunciou acesso limitado a informações oficiais para jornalistas em entrevistas coletivas do governo desde que o estado de emergência foi declarado devido à epidemia do nova coronavírus. Também lamentou o fechamento do grupo WhatsApp para jornalistas que existiam com a Imprensa da Presidência da República e Segurança Nacional, que "embora com deficiências, atendiam às necessidades e consultas", dizia o comunicado.

O Conselho é formado pelo PDDH, APES, Coletivo de Mulheres Jornalistas, Fundação de Estudos para a Aplicação da Lei (Fespad), Universidade Centro-Americana José Simeón Cañas (UCA), Arpas e Associação de Jornalistas Independentes de El Salvador (Aspies).

De acordo com o documento do Conselho, as operações dos órgãos de acesso à informação pública também foram suspensas.

"Este país, El Salvador, aproveitando a pandemia, suspendeu a possibilidade de os cidadãos solicitarem informações públicas através dos órgãos de acesso a informações públicas, e isso é muito sério", disse César Fagoaga, editor-chefe do site de jornalismo investigativo salvadorenha Revista Factum, ao Centro Knight.

"É muito sério porque a operação do governo não pode negar informações públicas, o governo de El Salvador está deliberadamente fazendo isso. Estamos muito preocupados com o que está acontecendo, acho que as organizações externas também começaram a vê-lo", enfatizou.

O diretor da Human Rights Watch para as Américas, José Miguel Vivanco, disse recentemente via Twitter que as medidas impostas por Bukele para enfrentar a epidemia de COVID-19 em El Salvador são "regras draconianas".

 Presidente de El Salvador, Nayib Bukele. Foto: Salvador Meléndez/Archivo FACTUM. (Cortesía.)

Cárcamo destacou que os salvadorenhos estão enfrentando a luta de duas pandemias, "a primeira é para o COVID-19 e a segunda é para uma figura que não acredita na democracia e ameaça estabelecer uma ditadura no país". “Ele [o presidente] já demonstrou isso em 9 de fevereiro, quando invadiu a Assembleia Legislativa com os militares. Ele fez isso em 15 de abril, quando disse que não aceitaria os julgamentos da Câmara Constitucional, que não são contra as medidas contra o COVID-19, mas que solicitam que os direitos humanos sejam respeitados”, enfatizou.

 Presidente de El Salvador, Nayib Bukele. Foto: Salvador Meléndez/Archivo FACTUM. (Cortesía.)

Presidente de El Salvador, Nayib Bukele. Foto: Salvador Meléndez/Archivo FACTUM. (Cortesía.)

Os mencionados julgamentos da Câmara Constitucional, por meio do Habeas Corpus 148 de 2020, aprovaram uma lei para regulamentar detenções arbitrárias, disse Fagoaga.

Em 15 de abril, Bukele anunciou via Twitter que não cumprirá a resolução da Câmara Constitucional ordenando ao Presidente, às Forças Armadas e à Polícia Civil Nacional que protejam os direitos humanos e não "privem a liberdade sob a forma de confinamento ou internação sanitária forçada de pessoas que não cumprem a ordem de quarentena da casa", publicou El Faro.

"Mas o que vimos agora em 15 de abril é algo que realmente, para mim, abre completamente a porta ao autoritarismo, que é ignorar uma sentença da Constituição. A Câmara Constitucional é o mais alto tribunal de justiça de El Salvador, a decisão da câmara não pode ser apelada, todo servidor é obrigado a cumpri-la e o presidente disse que não a cumprirá”, afirmou Fagoaga.

Há também declarações estigmatizantes de Bukele contra jornalistas independentes e ele bloqueou alguns jornalistas de sua conta pessoal no Twitter, segundo Cárcamo. "O secretário de imprensa também faz declarações estigmatizantes e acusa a mídia de responder a interesses políticos ou de ocultar ONGs", acrescentou.

Na segunda semana de abril, o secretário de imprensa do presidente, Ernesto Sanabria, chamou Arpas de "braço de mídia da esquerda", além de apontar que o papel da imprensa não é a oposição, segundo a associação de radiodifusão. Essas declarações no Twitter foram feitas depois que a Arpas publicou um artigo da Repórteres Sem Fronteiras, no qual a organização solicitava ao governo Bukele mais transparência e permitir que jornalistas cobrissem informações sobre o novo coronavírus.

Em relação a El Faro, Sanz disse que, embora não tenham recebido tentativas de hackers em seus servidores, vários de seus jornalistas detectaram tentativas de hackers em suas contas de mídia social nos últimos dias. “Tentativas de acessar suas redes sociais a partir de servidores no Vietnã ou em diferentes países. Há um jornalista nosso que está no México, que recebeu tentativas de acessar suas contas de El Salvador ”, acrescentou.

"O que imaginamos é que as limitações sejam mantidas e que, além disso, casos de abuso de força, abuso de poder que estão sendo detectados com cidadãos comuns pelo Exército ou pela Polícia, ou o estabelecimento de toque de recolher ou de cerco militar em certos municípios, pode se tornar cada vez mais um obstáculo ao nosso trabalho [jornalístico]”, disse Sanz.

O atual governo é muito peculiar em sua maneira de se comunicar, “na maioria das vezes unilateralmente", disse Laínez da La Prensa Gráfica, "mas não sofremos intimidações do governo. No entanto, ele disse que existem grupos de mídia social que atacam o jornal e que alguns se identificam com o governo, mas sem ter um vínculo orgânico.”

 Estamos diante de um governo que não é transparente, que desinforma, mesmo o próprio presidente publica notícias falsas em sua conta no Twitter, há uma centralização de informações do Palácio Presidencial na capital", deixando jornalistas do interior sem fontes, disse Cárcamo.

"Estamos preocupados que a repressão da imprensa, o abuso de poder pelas forças de segurança pública aumente, que os ataques digitais aos jornalistas possam passar para o plano físico e que o aparato estatal seja usado para assediar a imprensa independente, e que eles podem até ameaçar fechar algumas mídias críticas ou aplicar medidas de espionagem a esses tipos de jornalistas independentes", disse Cárcamo.

Ela também indicou que houve tentativas de diálogo com o governo sobre sua política de comunicação com a imprensa, mas eles também insistiram com a Procuradoria Geral da República para instalar uma unidade especializada para investigar violações contra jornalistas, e também não tiveram sucesso.

O que preocupa Laínez sobre as restrições de quarentena é que elas "estão afogando a renda da mídia", do maior ao menor, devido à paralisia da economia. "Para a mídia, em qualquer caso, é um cenário muito sombrio e será não escapar do fenômeno global de redução de operações ou demissões, devido à impossibilidade de pagar salários devido à redução substancial da renda", afirmou.

* O Centro Knight tentou, sem sucesso, entrar em contato com a Secretaria de Imprensa da Presidência de El Salvador.

Mais artigos