texas-moody

Jornalistas peruanos são alvo de agressões da polícia durante sete dias de protesto nacional

Segunda-feira, 16 de novembro, o Peru despertou luto nacional. Sentimentos mistos, desespero, choro, tristeza e desânimo invadiram a grande maioria dos mais de 33 milhões de habitantes. Dois estudantes foram mortos durante manifestações e protestos que começaram na semana anterior e enfrentaram a mais dura repressão da Polícia Nacional. Milhares foram às ruas depois que o presidente peruano Martín Vizcarra foi destituído pelo Congresso e um novo chefe de Estado, Manuel Merino, foi empossado. As mortes dos jovens posteriormente levaram à renúncia do deputado.

Após quase uma semana de manifestações pacíficas em todo o país, jornalistas também foram alvos. No mesmo dia em que as marchas começaram, a Associação Nacional de Jornalistas do Peru (ANP) instalou um observatório que possibilitou linhas de emergência no WhatsApp. Até o fechamento deste artigo, 38 ataques foram registrados em jornalistas. Destes, 31 identificaram policiais nacionais como os principais agressores.

Como os manifestantes, eles foram vítimas de gás lacrimogêneo e projéteis.

Foto de protestos no Peru

Foto de protestos no Peru (Flor Ruiz)

TESTEMUNHOS DA LINHA DE FRENTE

Na quinta-feira, 12 de novembro, a equipe médica extraiu um projétil de chumbinho semelhante ao que as crianças usam para brincar, perto da área lombar do fotojornalista Alonso Chero Uceda.

"Eu estava cobrindo incidentes da marcha, eu estava gravando manifestações, confrontos. Houve um momento em que passei entre as ruas Inambari e Letícia... à medida que passo, sinto um impacto", disse Chero, que trabalha para o grupo El Comercio, à LatAm Journalism Review (LJR).

Quando ele finalmente chegou a uma clínica, um projétil foi removido.

"Os únicos atrás de mim na época eram os policiais, só que eles poderiam ter feito isso. Tenho três pontos nas costas, me deram sete dias de repouso médico e tenho um tratamento para controlar qualquer tipo de infecção", disse ele.

A camisa de Alonso Chero

A camisa de Alonso Chero (divulgação)

Estilhações de munição foram detectados no lado esquerdo, a poucos centímetros de sua coluna. O fotojornalista afirma que, de acordo com os médicos, se o objeto estourasse em seu corpo, teria causado danos graves e irreversíveis. Após esse fato, em depoimentos para um noticiário, Chero relata ter sido vítima de posterior intimidação. Em cinco ocasiões, policiais, identificados e não identificados como civis, foram à sua casa pedir o projétil extraído. Seu caso foi passado ao Ministério Público para as respectivas investigações.

O fotojornalista César Campos Medina, do Grupo El Comercio, também disse à LJR que foi agredido e intimidado pela polícia.

"Eu cobri as marchas por cinco dias. Na terça-feira, eu estava na Praça de St. Martin, num tumulto de pessoas que foram dispersadas por bombas de gás lacrimogêneo. Enquanto caminhava ao meu lado, um policial me diz, 'sai', e chuta minha perna esquerda. Quando ele se retirava, ele me insulta, eu digo a ele, 'eu fico aqui, sou jornalista'", disse Campos.

A polícia o levou à força para seu superior, que disse que iria ajudá-lo.

"Nas vezes em que há conflitos, em protestos, eu tomo muita cautela. Nos primeiros dias das manifestações, nós fotógrafos de mídia temos sido mais propensos a ser atacados. Comecei na imprensa há oito anos, é a primeira vez que me sinto agredido assim. Os fotógrafos são sempre afetados por esse trabalho, pela pressão da polícia, eles nos veem como seus inimigos", disse ele.

Um ataque semelhante sofreu Renzo Salazar, fotojornalista.

"Na segunda-feira, quando os manifestantes foram da Praça de St. Martin para o Congresso, eu subo no meio-fio, um policial vem e diz 'desce', 'mas por quê' eu digo a ele, e me puxa pela mochila, nas costas, para que eu perdesse o equilíbrio", disse Salazar à LJR. "Eu me viro, tiro minha mão, digo 'sou da imprensa', repito, então eu me deito, caído no chão. De lá os policiais que estavam ao redor me puxam por cada braço e cada perna, eles me levam assim."

De acordo com o repórter, a polícia tirou a sua máscara e ele começou a tirar fotos com a mão esquerda.

"Eles me derrubaram, cinco deles me puxaram, e outro fotógrafo tenta interceder, eu faço força com um pé quando eles me puxaram, para me soltar; Consegui continuar andando, me certifiquei de ter meu equipamento fotográfico, e eles percemeb que eu tiro fotos deles", disse.

"Eles agem sem critério, por inércia. Eles têm pouco controle da situação, eles reprimem todos e não diferenciam que a gente trabalha, eles nos atacam, não há marcha que não dizemos a eles que estamos trabalhando", disse ele. "Eu vi como eles atiraram em pessoas identificadas, as agressões dos policiais são mais graves do que antes, isso não é novo. Perdi a fé na polícia."

Por telefone, o repórter de vídeo Orian Sanchez, na cidade de Puerto Maldonado, região de Madre de Dios, disse que um projétil de gás lacrimogêneo raspou seu rosto.

"Eu estava na praça, fazendo um link para o canal. Foi uma manifestação pacífica, onde inicialmente havia cerca de 30 pessoas, havia mais de 50 policiais, era desproporcional, não havia necessidade do extremo da violência vista", disse ele à LJR. "Um cidadão foi violentamente pego, jogado no chão, arrastado para a rua, espancado. A polícia levou detentos protestando em paz, lançando bombas de gás. Houve um tiro, senti meu rosto lá com sangue."

Embora ele tenha dito que estava do lado da rua, longe da polícia e dos manifestantes, ele sentiu um ferimento de bala no rosto.

"Eu corri para fora, pedi ajuda a um policial motorizado, ele me negou. Agora eu me pergunto, se isso aconteceu comigo por efeito de um estilhaço de uma bomba de gás lacrimogênio, como três testemunhas me disseram, que teria acontecido se eu recebesse o impacto diretamente: ou eles me matam, ou eu fraturaria a maxila", disse. "Para mim, foi um impacto direcionado, calculado, intencional. Eu não estava sozinho, éramos cerca de 10 repórteres. Depois de uma hora e meia do impacto, o coronel chegou e disse: 'Oh, eles fizeram você', ele diz a um homem mais velho para me levar para me tratar. Eles não cobriram nenhuma despesa para mim. Desde aquele dia, tive dores de cabeça, na mesma noite vomitei três vezes. Ainda estou com dores de cabeça, tomo remédios para dor", diz ele, perturbado e impotente.

Sanchez, venezuelano, vem da cobertura de manifestações em seu país, onde a polícia reage de modo desproporcional diante das manifestações e a imprensa é apontada como agitadores. Por isso, se diz indignado que esta semana tenha visto a violência excessiva da polícia, que houve excesso de força e que não havia necessidade do nível de repressão com a população na cidade da selva peruana. O caso de Sánchez e de outro jornalista em Puerto Maldonado também foi relatado pela ANP.

Protestas en Lima, Perú

Os protestos depois da posse de Manuel Merino (Flor Ruiz)

 

Paralelamente às agressões sofridas pelos jornalistas, um grande número de estudantes de comunicação visual, jornalismo ou pessoas relacionadas têm coberto ativamente os protestos. Eles publicaram suas fotografias e vídeos gravados nos protestos, como parte da mídia independente, redes sociais ou coletivos que buscam tornar visível e transparente a intervenção dos jovens em questões de direitos humanos.

Luis Javier Maguiña, 22 anos, estudante de Ciências da Comunicação na Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP), foi um deles.

"Na quinta-feira fui gravar fotos, fui atingido por um disparo na perna, não atingiu o músculo da minha coxa, mas até agora minha perna está roxa", disse ele à LJR. "Sou ativista, faço fotos para conscientizar as pessoas sobre o que está acontecendo. Quero que minhas imagens contribuam para denunciar violações de direitos humanos. Eu sei que há fotos difíceis de fazer, eu não vou ganhar prêmios, eu vejo que essas são as fotos que ganham, as que mostram as pessoas queimadas, eu não quero isso. Eu saí todos os dias para tirar fotos durante esta semana de repressão."

Defensores da imprensa relatam ataques

Em nível internacional e nacional, várias instituições condenaram a repressão durante a semana convulsionada.

A relatoria especial para a liberdade de expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) expressou sua "extrema preocupação com o uso excessivo da força policial contra manifestantes e jornalistas, bem como com as prisões no contexto dos protestos no Peru". Ela também lembrou que o governo peruano fornece aos jornalistas o máximo de proteção possível para que eles pudessem fazer seu trabalho livremente e manter a sociedade informada.

O Sistema das Nações Unidas (ONU) no Peru se disse preocupado com a atuação da polícia em manifestações pacíficas, onde manifestantes e jornalistas foram feridos, bem como o registro de violações de direitos de jovens manifestantes detidos. Lembrou que o Estado peruano havia ratificado vários instrumentos de direitos humanos, como o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Ele pediu "uma investigação independente, imparcial e oportuna dos eventos ocorridos e, se aplicável, para reparar as vítimas e punir os responsáveis".

Protestas contra Manuel Merino en Lima, Perú

Protestos contra Manuel Merino en Lima, Peru (Flor Ruiz)

 

Na quinta-feira, 12 de novembro, a Associação de Imprensa Estrangeira no Peru (APEP) condenou os ataques a jornalistas feridos, incluindo o fotógrafo Ernesto Benavides, da agência internacional de notícias Agence France Press (AFP), que foi atingido por disparos. A APEP exigiu uma investigação e pediu respeito ao trabalho jornalístico.

Na segunda-feira, 16 de novembro, o Instituto imprensa e sociedade (IPYS), a ANP, o meio digital de Ojo Público e a Associação de Fotojornalistas do Peru (AFPP) fizeram um balanço das agressões aos profissionais da imprensa durante os protestos .

O IPYS destacou o trabalho da imprensa no país e a importância da liberdade de imprensa, pois durante as manifestações da semana passada, as informações foram registradas de forma verdadeira, transparente, e divulgadas dessa forma nas redes sociais e nos veículos de jornalismo. O IPYS observou que, embora as agressões policiais direcionadas a jornalistas se espalhem na mídia, é claro que há um setor sombrio que quer que a imprensa não denuncie.

O Ojo Público apontou para o caso do fotojornalista Alonso Balbuena, que foi vítima de agressão brutal após receber de um policial o tiro de uma bomba de gás lacrimogêneo a poucos metros de distância, causando uma grave ferida na perna direita -- exposição de tecido muscular, tecido ósseo, perda de tecido mole, perda de tecido necrosado. Eles enfatizaram que não se trata de demonizar a polícia, mas de demonstrar sua ação.

A Polícia Nacional disse em um comunicado de imprensa de 14 de novembro que eles "garantem o direito de protestar pelos cidadãos e convocar manifestações pacíficas e ordenadas". Eles indicaram que a polícia "só fará uso necessário da força em casos estritamente necessários".

Agressões à imprensa que não devem ficar impunes

Na segunda-feira, 16 de novembro, enquanto a população ainda não se recuperava do assassinato de Inti Sotelo e Bryan Pintado, os jovens da "geração bicentenária", que provocou a continuação dos protestos e a renúncia do presidente de fato em menos de uma semana, a procuradora do país, Zoraida Ovalos, informou que abriu uma investigação preliminar contra o ex-presidente , Manuel Merino de Lama, o ex-primeiro-ministro, Intero Flórez Aráoz, e o titular do Interior, Gastón Rodríguez Limo, pelos supostos crimes de abuso de autoridade e assassinato intencional dos dois jovens.

Vários meios de comunicação destacaram a responsabilidade civil, criminal e administrativa deste ex-presidente, ex-ministros e da Polícia Nacional.

À tarde, o novo presidente do Congresso e do governo de transição até as eleições gerais de abril de 2021, Francisco Sagasti, em seu discurso de posse, afirmou que os dois jovens não serão devolvidos à vida e que se solidarizaram com as manifestações pacíficas em massa e protestos da juventude. Em duas ocasiões, ele se desculpou pessoalmente pelos fatos infelizes. Ele também se solidarizou com jornalistas, para quem solicitará investigações relevantes sobre as agressões sofridas, já que o trabalho da imprensa revelou a repressão na qual foi alvo.

Mais artigos