texas-moody

Mulheres assumem protagonismo na indústria de podcast em espanhol

Logotipo do festival PodWoman sobre um fundo rosa

Logo do Podwoman (Crédito: Captura de tela)

As mulheres, historicamente invisibilizadas e silenciadas, conquistaram a possibilidade de ser ouvidas por meio da indústria do podcast. Nos últimos anos, sua participação cresceu e, embora não haja dados suficientes disponíveis, segundo o Ivoox, 43% dos podcasts em seu catálogo de originais em 2021 foram criados por mulheres, e o público feminino representa 50% de seus ouvintes.

Nessa busca por ser ouvida, foi criado o PodWoman, um evento de produtoras de podcast em espanhol dedicado às mulheres, que teve sua segunda edição no dia 5 de março. “Nossa missão na PodWoman é aproximar a produção de podcast das mulheres, valorizar seu trabalho dentro dessa indústria e torná-lo conhecido. Espero que hoje saiamos mais sábias e com o exemplo de todas as mulheres que nos acompanharão”, disse Maria Santonja, produtora da Ekos Media e diretora do evento, durante a transmissão.

O evento foi realizado online gratuitamente e incluiu mais de 10 horas de conteúdo com mesas redondas e classes magistrais onde participaram mulheres relevantes da indústria de podcast em espanhol. A Latam Journalism Review (LJR) cobriu o evento e conversou com especialistas em áudio e gênero para analisar a importância de espaços como esses. 

“Os eventos em que as vozes das mulheres são protagonistas permitem-nos visibilizar as experiências e subjetividades que nos atravessam e que historicamente foram desvalorizadas. Não é que eles nos deem voz, mas esses espaços permitem que nossa voz seja ouvida por um público maior”, disse à LJR April Torres, linguista mexicana e professora de estudos de gênero.

Nós colocamos a voz

Dizem que estamos vivendo na era de ouro do áudio e dos podcasts. Atualmente qualquer pessoa com acesso a um microfone pode se gravar e fazer upload do áudio para as diversas plataformas de distribuição disponíveis na Internet. Segundo dados do Listen Notes, atualmente existem mais de 3 milhões de podcasts no mundo e, entre eles, cerca de 335 mil estão disponíveis em espanhol.

Apesar da oferta inesgotável, algumas das palestrantes do evento argumentam que ainda é uma indústria dominada por homens. Embora existam opiniões conflitantes sobre isso. 

“Estamos menos representadas. No podcast e nos negócios é igual. A sociedade patriarcal nos ensinou que devemos ficar quietas, caladas e sem fazer barulho. De repente, dar voz, dar uma mensagem e nos encorajar a dizer o que pensamos e a sermos ouvidas, é uma exposição à qual não estamos acostumadas e exige maior coragem porque não é o que aprendemos", disse a argentina Nayla Norryh, anfitriã do podcast Onda Ceo, dedicado ao empreendedorismo feminino, durante sua participação em uma das mesas do evento. 

Nem todas as mulheres no evento sentem o mesmo. Na mesa intitulada “Mulheres empreendedoras lançam-se em podcasts”, a apresentadora do podcast “Espabilismo Freelance”, Marina Miller, abriu o debate dizendo que nunca sentiu que teve menos oportunidades por ser mulher. "Talvez seja por causa da minha personalidade, mas não me senti menor por ser uma mulher nesta indústria", disse Miller. 

Uma das abordagens do PodWoman é analisar a realidade do podcast com uma perspectiva feminina. Além disso, tornar visível e valorizar o trabalho das mulheres em todos os processos de produção de podcast; tanto que o slogan do evento é “nós colocamos a voz”.

Mulheres como referências

"O podcast é muito mais democrático do que outras mídias e permite acesso massivo para todos e, principalmente, para as mulheres", disse à LJR Lalo Recanatini, roteirista argentina e especialista em podcast com mais de 15 anos de experiência. “Acho que o avanço generalizado, ainda que lento, dos direitos das mulheres na América Latina também influencia”

Recanatini também destacou a participação das mulheres não apenas como produtoras, mas também como apresentadoras de podcast. Ele elogiou o trabalho de Carolina Guerrera (Radio Ambulante), Ana Ormaechea (Prisa), Javiera May Trejo (Las Raras), Martina Castro (Adonde Media) e Marina Hinojosa (Latino USA).

Durante o PodWoman, também foi discutida a importância das referências para que outras mulheres sejam incentivadas a participar e criar seus próprios podcasts. "Dessa forma, algo que talvez você pensasse que não era possível, torna-se uma possibilidade quando você vê que outra mulher fez isso", comentou durante o evento a pesquisadora e apresentadora do Luminicescia de Talento, Tania Lasanta.

Torres concorda plenamente neste ponto. “A representação das mulheres nos espaços de comunicação é importante porque pode inspirar outras a abrir caminhos em suas próprias disciplinas e em suas próprias questões”, disse a linguista.

A LJR também conversou sobre o tema com Mariana Vaccaro, jornalista e editora do Podcasteros, comunidade de produtores e amantes de podcasts em espanhol. Vaccaro acredita que é muito importante que as mulheres tenham referências, principalmente nos espaços de poder.

“Ouvir, ver, estar presente (ainda que virtualmente) e conhecer as experiências de mulheres de diferentes países, com sotaques diferentes, sempre soma”, disse Vaccaro. “Não é a mesma coisa começar a produzir podcasts sabendo que antes havia uma Martina Castro (vencedora do PodWoman 2022), por exemplo. Quando há mulheres no caminho que se quer seguir e elas também são generosas com as informações que dão, com as ferramentas, com o que contam sobre suas carreiras, isso soma muito e, em grande parte, acho que isso é o feminismo: ajudarmos umas às outras. Por isso é tão importante ter eventos como o PodWoman”, disse a jornalista.

Prêmio PodWoman 2022

duas mulheres falando em uma tela de zoom, uma apresentando um prêmio para a outra por podcasting

Entrega do Prêmio PodWoman 2022 a Martina Castro, CEO da Adonde Media (Crédito: Captura de tela)

O PodWoman, desde a sua primeira edição, atribui um prêmio honorário a uma mulher que tenha se destacado no mundo do podcast durante o ano anterior ao evento. Desta vez a vencedora foi Martina Castro, fundadora, produtora de podcast e CEO da Adonde Media.

“Queremos premiar a impressionante carreira de Martina Castro como pioneira na produção de podcast em espanhol, e destacar especialmente o maravilhoso ano passado, em que sua produtora Adonde Media nos encantou com podcasts como 'El verdadero robo del siglo', 'Uribe acorralado' e o projeto 'Los últimos días de Maradona', apresentado em cinco versões diferentes para cinco países”, disse a organização do evento em um comunicado à imprensa.

Castro deu uma classe magistral durante a transmissão, na qual falou sobre o valor de ter um ambiente de trabalho saudável e contribuir com a comunidade quando for dada a oportunidade. “Nós, entre as mulheres, sabemos o que significa ter que fazer o dobro do esforço, por isso é que eu aprecio esta comunidade e que este espaço PodWoman tenha sido criado”, disse Castro ao receber o prêmio.

More Articles