texas-moody

Pesquisadora brasileira é premiada com modelo analítico que relaciona condições de trabalho com qualidade do jornalismo

Como as condições de trabalho de jornalistas refletem na qualidade da informação que chega ao público? Isso é o que a pesquisadora e jornalista brasileira Janara Nicoletti quer responder com o modelo desenvolvido no seu estudo “Reflexos da precarização do trabalho dos jornalistas sobre a qualidade da informação”. O trabalho venceu o Prêmio Adelmo Genro Filho 2020 da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) como melhor tese de doutorado do ano.

“A precariedade das condições de trabalho e a [pior] performance da equipe é algo que todo jornalista já sente, sabe que acontece. Só que, de certa forma, é algo colocado como o normal da profissão: você vai dar um jeito de se virar, você vai dar um jeito de dar conta, de fazer a pauta,” disse Nicoletti à LatAm Journalism Review (LJR). 

Ela desenvolveu um modelo de análise das condições de trabalho, desempenho dos jornalistas e a qualidade do produto. Isso é feito a partir de um sistema de índices que dá origem a duas escalas: qualidade laboral e qualidade percebida no produto. 

A escala de qualidade laboral foi medida através de uma pesquisa de opinião (survey) com 117  jornalistas de cinco estados do Brasil: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Já a escala de qualidade percebida do produto fez uma análise de conteúdo. Para a tese de doutorado, Nicoletti analisou 28 edições de um jornal regional de um grupo com atuação no Rio Grande do Sul e Santa Catarina nos anos de 2012, 2015, 2018 e 2019.

Um dos jornalistas que responderam à pesquisa atua há dez anos no mercado. Ele testemunhou a deterioração das condições no jornal onde trabalhava, primeiro numa sucursal do interior e depois na capital. Com constantes reduções de equipe, ele precisou assumir coberturas de colegas demitidos, o que o levou a aumentar sua carga de trabalho para manter a qualidade da sua produção.

“Eu estava na sucursal de uma cidade, mas a sucursal fechou e fui trabalhar em outra cidade. E de lá eu precisava continuar cobrindo a primeira e agora também a segunda. (…) Tinham dois repórteres e um fotógrafo que era também o motorista. Era muito comum a gente sair na carona para fazer a pauta do dia, e um ficava um esperando o outro,” disse o jornalista à LJR*.

Outra respondente da pesquisa menciona a questão da autonomia, ou a falta dela, como fator preponderante para descrever uma das barreiras que enfrenta no dia a dia de atividade jornalística. Isso porque, segundo ela, há interferência direta da direção da empresa na escolha de fontes que são ouvidas pelos repórteres.

“A gente deixou de citar fontes porque a empresa não queria. Existe uma direção bem clara, que é imposta. É frustrante,” disse a jornalista à LJR. Numa situação em que conseguiu convencer a direção a ouvir o contraponto, o resultado não foi o esperado: “No final das contas a fonte não quis falar, porque ela saberia que seria massacrada, então a fonte não quis nem se defender.”   

As duas situações aparecem na pesquisa quantitativa: a maioria dos trabalhadores informou que privilegia fontes oficiais, as coberturas ocorrem principalmente de dentro da redação, há pouco tempo para checar e apurar. Além disso, a autonomia percebida é menor e há maior interferência sobre o trabalho. 

No grupo pesquisado, a qualidade laboral da maioria dos jornalistas (67,5%) é considerada razoável entre 0,41 e 0,60 ponto na escala que vai até 1. Para 10,03% o resultado é ruim (0,21 a 0,40 ponto) e apenas 21,4% pontuaram acima de 0,61, ou seja, um índice considerado satisfatório.

Janara Nicoletti

Pesquisadora e jornalista Janara Nicoletti desenvolveu modelo para analisar condições de trabalho e qualidade do jornalismo. Foto: divulgação

“O ideal aqui seria uma nota a partir de 0,61 em que pode-se perceber um certo equilíbrio entre todas as dimensões relacionadas ao ambiente laboral e rotinas, e também um desempenho bom que represente práticas profissionais adequadas a uma boa qualidade jornalística, como checar informações de terceiros ou ter tempo para revisar o que escreveu,” explicou Nicoletti.

Já na análise de conteúdo, a qualidade percebida no produto caiu de 0,66 em 2012 (considerada boa) para 0,18 em 2019 (classificada como péssima na escala). 

“Ao longo dos anos houve uma queda significativa no número de jornalistas (repórteres, editores e freelancers), colunistas e fotógrafos que assinavam cada edição (mais de 80% em todo o período). Houve também uma redução de páginas por edição ao longo do período que ajuda a entender a crise do negócio e a justificar a queda de profissionais. Porém, a quantidade de conteúdos jornalísticos por edição aumentou entre 2012 e 2019, o que vai na contramão da frase anterior e evidencia um cenário de precarização”, disse Nicoletti.

Segundo a pesquisadora, “as questões de precarização verificadas no produto são ratificadas pela jornada de trabalho longa, com alta produtividade, redução de equipes, horas extras frequentes e aumento da intensidade do trabalho no último ano, entre outros indicadores verificados.” O objetivo da pesquisadora é desenvolver ainda mais este método para que ele possa ser aplicado em outros estudos mais abrangentes e também adaptado a realidades regionais e nacionais distintas.

Assunto tabu

A pesquisa joga luz de maneira objetiva num assunto pouco discutido de maneira crítica nas redações: a relação condições de trabalho e qualidade jornalística. A pesquisa de Nicoletti surgiu a partir de sua própria experiência profissional como repórter e editora numa emissora de TV e da busca de argumentos objetivos para entender como as condições de trabalho interfiriam na qualidade da sua produção jornalística.

“Essa tese nasceu de uma tentativa minha, enquanto jornalista, de tentar mostrar essa realidade de uma forma mais concreta. (…) Há vários estudos que mostram a relação de condições de trabalho e a qualidade do que é feito pelo jornalista, mas sem números,” disse Nicoletti.

Isso se dá não apenas pela dificuldade em quantificar de maneira objetiva critérios subjetivos, mas também pela própria natureza da atividade jornalística e a sua inerente pressão e imprevisibilidade, e também pelo temor de que a participação em algo do tipo possa ser encarada como crítica por empregadores e resultar em menos espaço no mercado de trabalho.

“Quando estamos falando de uma empresa que se coloca como jornalística, que tem um papel de realmente ajudar a promover a democracia com jornalismo, ver esse enxugamento de equipe que é feito e do jeito que é feito, é uma coisa que não faz sentido do ponto de vista do negócio,” disse Nicoletti. “É uma estratégia de negócio que não está funcionando, que está gerando um uma queda de qualidade no Jornalismo, e talvez isso também tenha relação com a queda de credibilidade que o jornalismo está sofrendo.”

Para a coordenadora geral do Prêmio Adelmo Genro Filho, Marli dos Santos, a pesquisa de Nicoletti inova ao propor um rol de indicadores que podem colaborar com o diagnóstico das condições de trabalho e qualidade do jornalismo, com aplicações no mercado de trabalho, para as entidades de classe e as escolas de jornalismo. 

"Investigar essa relação é essencial para garantir que o jornalismo seja um interlocutor competente para a democracia, cumprindo o seu compromisso social. Isso nos permite estabelecer um diálogo com a sociedade, além de ser uma contribuição muito importante da academia para o jornalismo," disse ela à LJR.

Além disso, num momento em que a imprensa está sob pressão de políticos demagogos e do público de um lado, e da crise do modelo de negócio de outro, mostrar de forma clara como questões estruturais afetam a qualidade da informação pode ser visto por alguns como um ataque que enfraquece ainda mais o jornalismo, num momento que toda defesa é pouca. No entanto, para Rogério Christofoletti, pesquisador responsável pelo Observatório da Ética Jornalística (Objethos), ampliar o debate é fundamental para reforçar a função social do jornalismo.

“No Brasil, o debate sobre qualidade no jornalismo quase sempre leva em consideração apenas a estrutura das redações e a capacidade das empresas de oferecer seus produtos e serviços. Mas as condições de produção também abrangem as condições de trabalho dos profissionais envolvidos,” disse ele à LJR. “A tese de Janara aproxima esses pólos, permitindo que haja também o reconhecimento do peso dos jornalistas no resultado final do que chega ao público. Isso amplia os horizontes da discussão sobre o tema.” 

A íntegra da tese de Janara Nicoletti está disponível aqui. 

* Os jornalistas pediram para não serem identificados pois ainda atuam no mercado e temem sofrer represálias dos empregadores. 

Mais artigos