texas-moody

Júlio Lubianco

Júlio Lubianco studied journalism at Universidade Federal Fluminense (UFF). He began his career on the local desk at Jornal do Brasil, in 2003. He was a reporter, assignment editor and managing editor at Rádio CBN. He has a Master’s degree in media and communication from the London School of Economics (LSE), with a scholarship from the Journalists of Vision program. He is a professor of journalism at PUC-Rio. He won the Imprensa Embratel award in 2007, the Alexandre Adler award in 2008, and is a two-time winner of the Tim Lopes Award for Investigative Journalism, in 2009 and 2014.

Júlio Lubianco estudió periodismo en la Universidad Federal Fluminense (UFF). Comenzó la carrera en 2003, en el diario Jornal do Brasil. Fue reportero, editor y editor ejecutivo en Rádio CBN. Hizo su maestría en medios de comunicación en London School of Economics (LSE), becado por el programa Jornalistas de Visão. Es profesor del curso de periodismo de PUC-Rio y es presentador del podcast de BRIO, que trata sobre periodismo, carrera, mercado y tecnología. Ganó los premios Imprensa Embratel (2007), Alexandre Adler (2008), y en dos oportunidades el Tim Lopes de Periodismo Investigativo (2009 y 2014).

Júlio Lubianco estudou jornalismo na Universidade Federal Fluminense (UFF). Começou a carreira em 2003, no caderno Cidade do Jornal do Brasil. Foi repórter, chefe de reportagem e gerente de jornalismo na Rádio CBN. Fez mestrado em mídia e comunicação na London School of Economics (LSE), com bolsa do programa Jornalistas de Visão. É professor do curso de jornalismo da PUC-Rio e apresenta o podcast do BRIO, que discute jornalismo, carreira, mercado e tecnologia. Venceu os prêmios Imprensa Embratel, em 2007, o Alexandre Adler, em 2008, e duas vezes o Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, em 2009 e 2014.

Artigos recentes

Equipe da COAR comemora seleção para projeto Acelerando a Transformação Digital

Projeto de checagem Coar foca em desertos de notícias do Norte e Nordeste do Brasil

A Coar é um projeto de checagem com foco nas regiões Nordeste e Norte do Brasil, onde é maior a incidência de cidades sem veículos de jornalismo -- os desertos de notícias. Com recursos limitados, a Coar aposta em parcerias com rádios, TVs e portais regionais para tornar checagens mais acessíveis.

Participantes da Jornada Galápagos 2019: treinamento intensivo na produção de conteúdo jornalístico digital. (Crédito: cortesia Galápagos)

Galápagos lança segunda edição de treinamento em jornalismo digital com mais aulas práticas

A segunda edição da Jornada Galápagos de Jornalismo está com inscrições abertas até 19 de setembro. Nesta edição, que ocorre três anos depois da primeira, a programação inclui mais aulas práticas e mais tempo para interação entre os participantes e convidados.

Session de Cierre 2a Conferencia Latinoamericana sobre Diversidad en el Periodismo

E agora, o que fazer? Algumas ideias para impulsionar a diversidade no jornalismo na América Latina

A sessão de encerramento da Segunda Conferência Latino-Americana sobre Diversidade no Jornalismo fez um balanço das ideias discutidas durante o evento e plantou a semente de criação de uma futura organização continental para promover os conceitos de diversidade, equidade e inclusão no jornalismo na América Latina.

Financiamento do jornalismo independente passa por diversificação de receitas e atuação do Estado, dizem especialistas

A diversificação das fontes de financiamento e a participação ativa do Estado são elementos fundamentais para garantir a viabilidade econômica dos veículos de comunicação. Especialistas reunidos durante painel no Congresso Internacional da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) defenderam uma mudança de paradigma em favor de uma diversificação de fontes de arrecadação.

Cooperativas. Membro da cooperativa recolhe jornal recém impresso. O maquinário pertencia aos antigos donos do jornal. (Foto: cortesia Tribuna Independente)

Cooperativas de jornalistas no Brasil: autogestão da sobrevivência

Em 2022, as duas cooperativas de jornalistas brasileiros mais antigas ainda em atividade completam 15 anos de atividades ininterruptas: a Tribuna Independente e o Portal Desacato. Os feitos, dignos de celebração, ocorrem com uma dose diária de resiliência e esforço financeiro dos jornalistas que encontraram na autogestão uma solução para sobreviver no mercado.

Nativos digitais brasileiros usam WhatsApp para buscar conexão direta com público

Segunda rede social mais popular para o consumo de jornalismo no Brasil, o WhatsApp se tornou foco da estratégia de distribuição de veículos nativos digitais do Brasil, que enxergam uma oportunidade para estabelecer uma conexão direta com o público sem depender do algoritmo de outras plataformas.

Protests against murders of journalists in Mexico

PEC: em seis meses, assassinatos de jornalistas na América Latina superam total de 2021

Vinte e dois jornalistas foram assassinados em países da América Latina entre janeiro e junho de 2022. Os dados são da Press Emblem Campaign (PEC). O número é maior que o total de mortes de jornalistas nos países da região no ano passado: 17. É maior também do que jornalistas mortos na cobertura da Guerra da Ucrânia: 16 no mesmo período.

O livro Índice Chapultepec de Liberdade de Expressão e Imprensa mostra a evolução dos indicadores de liberdade do exercício do jornalismo em 2019-2020 e 2020-2021. O poder Executivo aparece como o mais influente em situações desfavoráveis à imprensa nas Américas.

Poder Executivo tem a maior influência negativa na liberdade de expressão na América Latina, diz Índice Chapultepec

O livro Índice Chapultepec de Liberdade de Expressão e Imprensa mostra a evolução dos indicadores de liberdade do exercício do jornalismo em 2019-2020 e 2020-2021. O poder Executivo aparece como o mais influente em situações desfavoráveis à imprensa nas Américas.

A edição 2022 do Digital News Report do Instituto Reuters mostra que a aversão ao noticiário cresceu em todos os países e, em especial, na América Latina.

Aumenta proporção de latino-americanos que evitam o noticiário, diz pesquisa do Instituto Reuters

O Brasil é onde uma crescente aversão às notícias é pior: 54% dos brasileiros evitam as notícias, bem acima da média mundial de 38%. Na Argentina, 46% dizem hoje evitar conteúdos jornalísticos. Os outros países da região pesquisados foram Chile (38%), Colômbia (38%), México (37%) e Peru (37%).

Cinco Perguntas para Rubens Valente

‘Jornalistas evitam cobrir criticamente o Supremo porque temem consequências’: 5 perguntas para Rubens Valente

O jornalista brasileiro Rubens Valente participou na seção “5 perguntas” da LatAm Journalism Review (LJR). Na entrevista, ele fala sobre a condenação que o obriga a pagar BRL 319 mil a um ministro do Supremo Tribunal Federal. “Houve um efeito que provocou a pior censura de todas: a autocensura,” disse Valente.