texas-moody

Presidente mexicano nega ter divulgado lista de jornalistas e meios de comunicação que receberam publicidade do governo

Uma lista de 36 jornalistas que supostamente se beneficiaram de contratos de publicidade com o governo do ex-presidente mexicano Enrique Peña Nieto, que foi publicada em 23 de maio pelo jornal Reforma, veio de um pedido de acesso à informação e não foi divulgada pela Presidência, segundo o atual presidente Andrés Manuel López Obrador.

O presidente esclareceu ainda que a lista divulgada pelo Reforma está incompleta, já que a solicitação de informações ao Instituto Nacional de Transparência, Acesso à Informação e Proteção de Dados Pessoais (INAI, por suas siglas em espanhol) pedia apenas informações sobre colunistas e jornalistas que receberam contratos, e não sobre as despesas totais de publicidade oficial do governo Peña Nieto.

"Na verdade, nós não divulgamos os nomes daqueles que recebem ou receberam este apoio para trabalhos informativos, isso tinha a ver com outras agências, se eles tornassem os nomes conhecidos", disse López Obrador após ser questionado sobre o assunto em sua conferência de imprensa matinal em 24 de maio. "Só entregamos essas informações para o Instituto de Transparência, é isso, e nós não divulgamos os nomes."

A lista revelada por Reforma menciona os nomes de 36 jornalistas e empresas de comunicação que receberam contratos durante o governo de Peña Nieto por um total de 1.081.715.991 pesos (cerca de US$ 57 milhões). Não inclui grandes empresas de mídia, como Televisa, TV Azteca ou grupos de rádio, que também se beneficiaram dos gastos com publicidade oficial de Peña Nieto, de acordo com o que Reforma publicou em 2018.

Entre os jornalistas mencionados na lista estão apresentadores de rádio e televisão populares como Joaquín López Dóriga, Paola Rojas, Adela Micha, Martha Debayle, Oscar Mario Beteta e José Cárdenas, entre outros.

Jesús Ramírez Cuevas, porta-voz da Presidência, disse que as informações completas sobre os contratos de publicidade para o governo anterior serão anunciadas em breve, já que existem mais de 50 pedidos para essas informações, sobre as quais eles estão trabalhando agora.

"Aqui dissemos na época que não queríamos que se pensasse que [a disseminação dessas informações] foi nossa resposta a ataques, ou perguntas, ou críticas legítimas, não. Isso foi feito porque os cidadãos pediram ao Instituto de Transparência por essa informação e o Instituto de Transparência nos pediu, e nós demos essa informação e dissemos 'não vamos revelar os nomes'. Também esclareci que a publicidade é legal, ou seja, todos os governos fazem publicidade. Se há um nome aparecendo em um jornal, você tem que olhar quem deu a informação ".

Daniel Moreno, diretor-geral do site de notícias Animal Político, que aparece na lista de beneficiários, esclareceu através de sua conta no Twitter que, de fato, o meio recebeu contratos de publicidade oficial que representavam menos de 15% de sua renda total nos últimos seis anos, mas esclareceu que esses contratos não implicavam a compra de conteúdo ou condições editoriais.

"Por alguma razão que eu não sei, a Presidência tomou a decisão de incluir o meu nome, não da empresa, mesmo eu não tendo recebido nenhum dinheiro, eu não tenho um site nem recebo comissão de vendas. Como sempre disse, sou membro da Editorial Animal e seu representante legal. Nada mais", escreveu Moreno. "Defendemos publicamente que as regras sejam definidas para distribuir publicidade oficial e que não estejam sujeitas à discrição de nenhum funcionário. Continuaremos exigindo isso".

Várias organizações da sociedade civil e jornalistas pediram reformas sobre como o governo distribui publicidade oficial, da qual muitos meios de comunicação no país são altamente dependentes.

Em abril de 2017, López Obrador disse que seu governo reduziria os gastos com publicidade em 50%, como informou a EFE. Além disso, foi anunciado que o montante seria distribuído de forma mais justa para todas as mídias.

Enrique Krauze, colunista e diretor da Editorial Clío e da revista Letras Libres, que também aparece na lista publicada pelo Reforma, escreveu uma nota explicativa sobre a informação divulgada, que ele descreveu como "tendenciosa e infundada".

"Poucas empresas culturais podem viver sem publicidade oficial. Letras Libres e Clío podem fazê-lo, diversificando suas fontes de renda, especialmente os anunciantes privados nacionais e estrangeiros", escreveu Krauze. "Letras Libres não modifica sua linha editorial devido a pressões. Em nosso site, dezenas de textos e capas críticas dos governos anteriores podem ser consultados."

Por sua vez, o INAI negou ter divulgado as informações reveladas pela Reforma e disse que esta solicitação está em processo de revisão.

"O INAI está em processo de revisão das informações fornecidas pelo Sujeito Obrigatório, neste caso o Gabinete do Presidente da República, e até o momento não se pode determinar se as informações são completas ou precisas, de acordo com o que foi solicitado pelo solicitante", disse o instituto em um comunicado.

A agência disse que vai verificar se as informações entregues ao solicitante estão em conformidade com a resolução emitida em 8 de maio de 2019, quando a Presidência foi ordenada a fornecer todas as informações relacionadas ao nome de todas as pessoas físicas e jurídicas que receberam fundos públicos para publicidade oficial de 2012 até hoje.

Em sua coletiva de imprensa no mesmo dia 8 de maio, López Obrador disse ter informações de que o governo Peña Nieto pagou aos colunistas por seus serviços informativos, os mesmos colunistas que agora questionam seu governo, segundo Animal Político.

"Eu não divulgo os dados porque não os considero saudáveis, mas sabemos por que essa atitude, temos todas as informações. Muito dinheiro foi gasto no 'maiceo*', no 'chayote*'. Isso terminou, eles estão chateados e agora eles têm financiamento de outras partes e eles certamente têm a ordem de estar contra nós", disse o presidente.

*Termos usados ​​para descrever o ato de pagar jornalistas ou mídia em troca de um tipo específico de cobertura.

Mais artigos