texas-moody

Programa Report for the World chega ao Brasil e ajuda duas redações a contratar repórteres

Os criadores de um programa de sucesso que alia jornalistas com comunidades carentes nos Estados Unidos estão cavando raízes na América Latina.

Report for the World, um programa da organização internacional de notícias  The GroundTruth Project, está fazendo parceria com os nativos digitais brasileiros  Marco Zero e InfoAmazonia para financiar cargos de reportagem e oferecer treinamento para suas redações.

Lançado em meados de 2021, o  Report for the World é um programa de serviço internacional inspirado em outra das iniciativas de sucesso do projeto, o  Report for America, que beneficiou quase 400 repórteres em redações nos Estados Unidos desde 2017. Para ambos os programas, jornalistas são contratados localmente nas redações para cobrir questões pouco abordadas.

Kevin D. Grant

Kevin D. Grant do projeto GroundTruth: Report for the World é um antídoto para o jornalismo de pára-quedas (cortesia)

“Report for America foi o nosso esforço para resolver a crise do jornalismo local aqui em casa. À medida que crescia, mantivemos contato com colegas em todo o mundo que sempre perguntavam sobre quando levaríamos o modelo RFA globalmente”, disse Kevin Grant, cofundador e diretor de conteúdo do The GroundTruth Project, à  LatAm Journalism Review (LJR) . “Portanto, Report for the World é um retorno às nossas raízes e um esforço para enfrentar crises de notícias semelhantes em todo o mundo em parceria com os principais veículos de notícias independentes.”

Junto com o Brasil, os próximos membros do Report for the World - como são chamados os jornalistas do programa - estarão localizados na Índia, Nigéria e Estados Unidos, “sociedades que estão sendo confrontadas com forças antidemocráticas”, disse Grant.

De acordo com o cofundador, o GroundTruth Project vem construindo relacionamentos no Brasil nos últimos anos, especificamente com consultores de confiança como Simone Cunha, diretora operacional do laboratório de jornalismo  Énois. Na busca por aprender sobre o panorama da mídia brasileira, eles viram a necessidade de jornalismo independente de alta qualidade no país.

“Não há dúvida da influência que o Brasil tem não apenas como parte da região, mas até mesmo como uma potência global”, disse Wilson Liévano, editor-chefe do The GroundTruth Project, à  LJR .

Da sustentabilidade às questões raciais, diversos temas próximos à missão da iniciativa convergem no país, acrescentou.

“Além disso, o estado em geral da mídia, que é, de uma forma latino-americana, concentrado grandes conglomerados, ou principalmente, tomando uma grande fatia do mercado de mídia do país”, disse Liévano. “São necessários mais veículos independentes para equilibrar isso.”

Wilson Liévano

Wilson Liévano do Projeto GroundTruth: mais mídia independente para proporcionar equilíbrio no Brasil (Divulgação)

Além disso, ele acrescentou que o Brasil é um bom lugar para startups, com projetos de reportagem dispostos a explorar e inovar.

Para selecionar os veículos com os quais a Report for the World trabalharia no Brasil, a iniciativa aproximou os parceiros existentes para identificar redações que compartilhavam seus valores, disse Grant. Entrevistou candidatos e, em seguida, selecionou o Marco Zero, coletivo de jornalismo independente com sede em Recife, e o InfoAmazonia, meio de comunicação focado em jornalismo de dados e questões socioambientais na Amazônia.

Marco Zero e InfoAmazonia vão contratar dois jornalistas cada. Os cargos iniciam com mandato de um ano, renovável por um segundo e terceiro ano. O Report for the World cobre metade do salário de tempo integral nos primeiros dois anos e um terço do salário no terceiro ano. Também apóia as redações nos esforços de arrecadação de fundos para os custos salariais restantes.

Além do financiamento, os membros da equipe receberão treinamento da Report for the World e da Énois, como Grant explicou. Eles se concentrarão em DEI (diversidade, equidade e inclusão), colaboração editorial e proteção e segurança.

Para elaborar os ferramentas para os novos membros da equipe, a Report for the World trabalhou com Marco Zero e InfoAmazonia para identificar as necessidades de reportagem em suas redações e cargos que gostariam de ter, mas para os quais não tinham orçamento.

A Report for the World faz uma primeira análise das inscrições, mas as decisões sobre os repórteres a serem contratados cabem, em última instância, às redações participantes, explicou Liévano.

A expectativa é que os repórteres sejam das comunidades que cobrem ou tenham grande familiaridade com elas, disse Grant.

“O Report for the World foi desenhado  de tal forma que é uma espécie de antídoto para o jornalismo de pára-quedas. Não é um programa para repórteres que gostariam de se mudar para um novo país para tentar reportar em uma comunidade diferente”, disse ele. “Trata-se realmente de conhecimento local e experiência local, porque sabemos que o jornalismo local e independente de sucesso tem a ver com confiança e conhecimento local.”

Marco Zero está procurando um  fotógrafo e um  repórter multimídia para cobrir o impacto ambiental e social do desenvolvimento.

Carolina Monteiro

Carolina Monteiro do Marco Zero: uma grande conquista (Divulgação)

“A decisão baseou-se em necessidades já identificadas pela gestão do Marco Zero, de forma a aumentar a nossa cobertura, tanto do ponto de vista dos temas como das linguagens e formatos dos relatórios”, Carolina Monteiro, Marco Zero co-fundador, disse à  LJR. 

A repórter da equipe vai “contribuir com formas mais inovadoras e dinâmicas de lidar com as agendas do Marco Zero, de forma a atrair um público mais jovem”, explicou.

Já o repórter multimídia trabalhará para reportar do ponto de vista dos mais impactados pelas violações, disse Monteiro. Exemplos de cobertura seriam megaconstruções ou falta de saneamento na periferia.

Além de aumentar a redação, Monteiro disse que fazer parte do Report for the World dará ao veículo nativo digital a chance de fazer parte de um programa que trabalha para fortalecer o jornalismo independente local e cobrir tópicos raramente veiculados na grande mídia.

“É uma grande conquista para a Marco Zero e esperamos trabalhar com essa rede que também reúne organizações e profissionais dos Estados Unidos, Índia e Nigéria”, disse ela. “Esperamos uma troca de experiências muito rica.”

O prazo para inscrição para as vagas do Marco Zero é  15 de outubro.

Para a InfoAmazonia, Report for the World traz a oportunidade de criar uma equipe de reportagem permanente. O site, voltado para jornalismo de dados, faz reportagens sobre a Amazônia desde 2012 com freelancers, mas não tem uma equipe fixa de repórteres, como disse a diretora editorial Juliana Mori à  LJR.

Juliana Mori

Juliana Mori da InfoAmazonia: é uma oportunidade de troca (Divulgação)

“É empolgante e também é um desafio, porque estamos crescendo com isso, quero dizer, em infraestrutura”, disse Mori. “Estamos muito habituados a fazer reportagens especiais e a ter uma equipa concentrada nisso durante alguns meses, mas não temos uma equipa que cobre tudo o que se passa… numa base muito constante.”

Para a sua equipe, o site está contratando dois repórteres. Um cobrirá mudanças climáticas e políticas ambientais, e o segundo cobrirá  povos indígenas e outras populações tradicionais. O prazo para se inscrever é  19 de outubro.

“Como estamos nos aproximando das eleições do ano que vem, eleições presidenciais, e é um grande tema para nós, e a Amazônia está no meio da discussão, entendemos que seria bom ter um repórter focado apenas nisso, nas políticas públicas ”, disse Mori. “Como ainda queríamos alguém para cobrir semanalmente todas as outras questões socioambientais, entendemos que o melhor a se pedir seria ter dois repórteres em uma colaboração fixa conosco.”

Além de oferecer uma oportunidade de crescimento, fazer parte da Report for the World significa uma rede de apoio, supervisão e intercâmbio, afirmou.

“Esperamos ter muito interesse das pessoas e encontrar dois repórteres que complementem nossa equipe”, concluiu Mori.

Depois que os membros do corpo forem selecionados por Marco Zero e InfoAmazonia, o plano é que eles comecem a reportar e treinar nas redações em novembro.

Grant disse que a Report for the World planeja lançar uma chamada global aberta para inscrições na redação em 2022. A América Latina pode, é claro, fazer parte dessa chamada.

More Articles