texas-moody

Repórteres Sem Fronteiras quer aumentar presença na América Latina e investe em escritório regional no Brasil

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF), ONG que defende a liberdade de expressão e informação, tem investido no Brasil para aumentar a visibilidade e presença no país. Em 2015, a RSF abriu um escritório regional para a América Latina no Rio de Janeiro e lançou, no final de novembro de 2016, uma versão do seu site em português.

"Nós já tínhamos uma pessoa cuidando da zona, mas a ideia era se aproximar mais do terreno. Queríamos estar fisicamente presentes para nos aproximar das fontes de informação, dos correspondentes, poder se deslocar mais facilmente para conferências e levar a voz da organização na região", afirmou o diretor do novo escritório, Emmanuel Colombié, ao Centro Knight.

Segundo ele, o Brasil é um país prioritário no continente para a organização. No entanto, a ONG tinha pouca penetração no país, se comparado à Colômbia e ao México, onde a RSF tem uma presença histórica.

"Escolhemos o Brasil também porque nós estávamos menos visíveis aqui. Então a ideia era aumentar a nossa presença e, ao mesmo tempo, continuar a cobrir o continente inteiro", diz Colombié. Para ele, a ONG trabalhava muito com os países de língua espanhola, o que acabava deixando o Brasil em segundo plano.

"Nós não comunicávamos tão frequentemente sobre o Brasil por causa dos numerosos problemas que encontramos no país e por falta de recursos mesmo. Mas agora estamos nos comunicando muito mais em português", conta ele. O objetivo da ONG é aparecer não só para os leitores brasileiros, mas também para outros países lusófonos.

De acordo com o diretor, a ONG quer se dedicar ao Brasil porque o país é um dos mais violentos do continente para repórteres, com muitos casos de assassinatos. Em 2016,  três jornalistas foram mortos no Brasil. Em 2015, foram cinco casos. Ele lembra que esse problema é recorrente em outros países, como México, Honduras e Colômbia.

"Os assassinatos ocorrem onde há muita corrupção e crime organizado. O Brasil continua sendo um país muito corrupto e, com isso, há também ameaças, violência institucionais, verbais, físicas e assassinatos. Isso afeta muito jornalistas independentes, que se encontram longe das grandes cidades e investigam casos de corrupção e crime organizado", disse Colombié.

Ele lembra também que a violência contra jornalistas aumentou a partir de 2013, nas manifestações. "Nos últimos anos, com as tensões políticas no país, a violência está crescendo. E não tem um observatório disso, não há dados públicos sobre esses casos, então é fundamental o trabalho de organizações civis", afirmou.

Outro motivo para que a ONG se preocupe com o país é a concentração de mídia e a falta de pluralidade, fenômeno conhecido no Brasil como "coronelismo eletrônico". São grandes proprietários de terra ou empresários que têm, ao mesmo tempo, mandatos políticos e veículos de comunicação.

"É uma mistura de poder econômico, político e midiático, as consequências são terríveis para a qualidade da informação, porque sempre há interesses particulares interferindo nas linhas editoriais. Isso prejudica seriamente a liberdade de imprensa e expressão", afirma. Ele destaca também o crescente poder das igrejas, que são donas de grandes grupos de televisão e imprensa.

Além da violência e concentração de mídia, outra questão que preocupa a RSF no Brasil é o constante uso da Justiça como forma de intimidar jornalistas. Os crimes ditos contra a honra servem, em muitos casos, como um mecanismo para silenciar repórteres não só no Brasil, mas em vários países da América Latina, de acordo com Colombié.

Frentes de trabalho

Uma das frentes de trabalho que a ONG pretende desenvolver no Brasil é a proteção e apoio a jornalistas ameaçados. Colombié conta que a RSF tem uma equipe na sua sede, em Paris, na França, que oferece assistência para repórteres no mundo todo. As soluções e medidas desenvolvidas pela ONG podem ser um simples envio de material de proteção, como colete à prova de balas, até a articulação entre associações e redes de apoio para mover um jornalista de um país para outro.

"Nós oferecemos soluções de urgência para jornalistas que querem fugir da sua região por estarem ameaçados. Alguns querem sair do país e nós damos uma orientação jurídica para que eles possam pedir asilo político", conta o diretor. Assim, jornalistas brasileiros e latino-americanos em risco podem escrever para o escritório regional em busca de ajuda. O email do responsável pela área no escritório, o coordenador de comunicação Artur Romeu, é aromeu@rsf.org.

Caso a RSF não tenha uma solução para o problema, Colombié diz que a ONG busca dar visibilidade ao caso e sensibilizar a comunidade internacional, bem como pressionar as autoridades locais para que resolvam o assédio.

A ONG também aposta na criação de um mecanismo nacional de proteção a jornalistas no Brasil. "O nosso escritório aqui no Rio está trabalhando com uma equipe em Genebra para pressionar as autoridades brasileiras a estabelecer esse mecanismo para jornalistas ameaçados. Isso tem que ser criado pelo governo, mas precisa ser independente", afirma.

Parcerias

O escritório regional, que conta hoje com apenas dois funcionários, Colombié e o brasileiro Romeu, deve crescer nos próximos anos. Para dar conta do volume de trabalho, a RSF tem uma rede de correspondentes - pelo menos um em cada país da América Latina - que faz um monitoramento e mantém a ONG informada sobre questões locais.

Segundo Colombié, há atualmente apenas quatro escritórios da RSF, além de Rio e Paris. Um fica nos Estados Unidos, dois na Europa e um na África. A ONG também pretende abrir um escritório na Ásia nos próximos anos.

No Brasil, o diretor quer buscar parcerias, inclusive com universidades, para expandir o trabalho da ONG e realizar atividades de capacitação e formação para jovens jornalistas e também para a audiência. "Queremos fazer sobre cibersegurança e ética jornalística. Também queremos ter oficinas sobre como verificar as fontes de informação e identificar conteúdo falso ou influenciado por interesses privados. Isso é muito importante no Brasil", lembra.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos