texas-moody

Sob ataque: reportagens e investigações corajosas do site salvadorenho El Faro

Este artigo foi  publicado originalmente pela Global Investigative Journalism Network (GIJN)  sob uma  licença CC BY-NC 4.0  e está republicada aqui com permissão.

 

The-Lighthouse-MS-13-image

Membros da gangue MS-13 na Penitenciária de Ciudad Barrios, em San Miguel, em uma foto de 2012. Foto: Pau Coll Ruido / Cortesia de El Faro

 

Drones voando pelas janelas da casa do diretor, carros suspeitos seguindo jornalistas, ameaças de morte, quatro auditorias financeiras, acusações criminais falsas e interceptações de linhas telefônicas. Os editores de El Faro, uma das principais organizações de jornalismo em El Salvador e na região, dizem que tudo isso faz parte de uma recente enxurrada de ataques desencadeados contra o jornal digital.

Desde 1998, El Faro tem travado uma batalha corajosa pela responsabilidade neste país de 6,5 milhões de habitantes na América Central, que faz fronteira com a Guatemala e Honduras. El Salvador está sobrecarregado com uma pobreza persistente, uma história de conflito civil e gangues criminosas generalizadas, com a maior taxa de homicídio per capita do mundo.

Mas depois de décadas investigando organizações criminosas, corrupção em vários governos e práticas ilegais por forças de segurança, o jornal pode estar enfrentando um de seus maiores desafios em Nayib Bukele, presidente de El Salvador desde 2019. Bukele expulsou o editor do El Faro, Daniel Lizárraga de El Salvador (ele é um cidadão mexicano); negou permissão de trabalho para o jornalista Roman Olivier Gressier (um americano na divisão em inglês de El Faro); e rotulou o premiado site de notícias de "panfleto" sem "um pingo de credibilidade".

Bukele, que aos 39 anos é apelidado por alguns meios de comunicação como o “Presidente Millennial”, conduz conferências de imprensa vestindo jaquetas de couro e bonés de beisebol virados para trás e fez de seu país o primeiro onde o Bitcoin pode ser usado junto com a moeda oficial, o dólar americano.

Enquanto Bukele cultiva uma imagem moderna, e frequentemente aparece em plataformas internacionais - ele anunciou o Bitcoin como uma moeda salvadorenha em uma conferência de língua inglesa em Miami - os críticos dizem que ele deu uma guinada acentuada para o autoritarismo em casa. Aproveitou a maioria parlamentar do seu partido para eliminar a Câmara Constitucional do Supremo Tribunal Federal - enfraquecendo assim um dos poucos órgãos com capacidade para se opor a ele, substituiu o procurador da República por alguém que El Faro diz ser simpatizante e, alegam os seus adversários, intimidou o Poder Judiciário a seguir a linha do governo.

Carlos Dada

O fundador e diretor do El Faro, Carlos Dada. Imagem: Víctor Peña / Cortesia de El Faro

 

“Não confio nas instituições do Estado para proteger nossos direitos ou conduzir procedimentos legais”, disse Carlos Dada, fundador e diretor do El Faro. “O Ministro do Trabalho ameaçou publicamente os juízes de dois casos com a abertura de investigações contra eles se não dessem a decisão que o governo queria. Esses casos não são contra nós, mas isso dá uma ideia de como as coisas estão agora em El Salvador.”

Nos anos antes de tomar posse como presidente, Bukele elogiou as investigações de El Faro contra seus oponentes políticos. Sua atitude mudou quando, em setembro de 2020, o jornal publicou uma denúncia alegando que membros do governo Bukele haviam feito acordos políticos com a Mara Salvatrucha (MS-13), a maior e mais temida gangue criminosa de El Salvador.

“Quase assim que Bukele se tornou presidente, ele deu início a conversas e encontros com lideranças do MS-13, cujas relações vinha cultivando desde que era prefeito da capital, San Salvador”, explica Carlos Martínez, jornalista premiado e investigador principal de El Faro, que fez parte da equipe que trabalhou na denúncia.

El Faro obteve os livros oficiais que registram as entradas nas prisões de segurança máxima de El Salvador. Em várias ocasiões, eles relataram, um membro do governo de Bukele entrou na prisão ao lado de homens mascarados para manter reuniões com líderes presos do MS-13.

Mais tarde, eles adquiriram memorandos internos da inteligência da prisão, que afirmavam que os visitantes mascarados eram, na verdade, membros de alto escalão da gangue MS-13, que conversavam com seus chefes lá dentro. Por fim, a equipe obteve a transcrição do que foi dito nessas reuniões. Todos esses documentos oficiais foram entregues a El Faro por um denunciante dentro da comunidade de inteligência.

A investigação de El Faro alegou que o governo de Bukele fez uma série de concessões à gangue para ganhar apoio eleitoral no território MS-13 e tentar reduzir o índice de homicídios no país.

O governo negou as acusações e o presidente Bukele  atacou o site de notícias no Twitter, mas a história ganhou as manchetes internacionais. Dez horas após a publicação da investigação, o governo convidou jornalistas a uma das prisões mencionadas no artigo para entrevistar os presos. Qualquer prisioneiro, disse o governo, negaria as reivindicações de El Faro.

Mas El Faro tem defendido veementemente sua investigação, e Martínez diz que, desde então, o presidente realiza testes regulares de polígrafo entre os funcionários do palácio presidencial, perguntando se eles têm algum contato com os jornalistas de El Faro.

A investigação mostrou que apesar da enorme popularidade de Bukele - que na época era de 92% segundo as pesquisas - El Faro manteria uma independência absoluta de qualquer movimento político e continuaria falando a verdade ao poder.

Iluminando o caminho para jornalistas

El Faro - que significa O Farol em espanhol - foi o primeiro jornal digital da América Latina. Foi fundada em 1998 por Dada, um jornalista, e Jorge Simán, um empresário, na esteira dos acordos de paz de 1992 no país, que se seguiram a 12 anos de guerra civil.

“Naquela época, ainda vivíamos o que chamo de lua-de-mel após os acordos de paz”, lembra Dada. “Houve uma mudança geracional nas redações e vários espaços de discurso público. A geração da guerra deu lugar à geração do pós-guerra.”

El Faro, que é dirigido pela empresa de mídia Trípode SA de CV, começou como um jornal digital por causa de restrições financeiras. O objetivo original dos fundadores era passar para a impressão, mas isso nunca aconteceu. O foco inicial no digital acabou sendo uma bênção, permitindo que a equipe se concentrasse no conteúdo jornalístico e na boa gestão.

A chave para seu sucesso tem sido as equipes de investigação do El Faro, criadas com o objetivo de investigar importantes crimes regionais e histórias de interesse humano. Os repórteres se concentram em um determinado tópico por vários anos, dando-lhes tempo para descobrir o material básico e recrutar fontes importantes.

Em 2008, diz Martínez, “montamos uma equipe no México com a única tarefa de informar sobre a rota de imigrantes sem documentos da América Central para os Estados Unidos.” “O jornalismo se concentrou principalmente nos migrantes nos Estados Unidos, mas nunca na jornada cruel pelo México. Esse modelo funcionou tão bem que criamos um grupo de jornalistas com a missão de explicar o funcionamento interno da violência na região”.

A parede sul

O Muro do Sul, ou El muro del Sur, é uma das investigações de El Faro sobre a migração na América Central. Imagem: captura de tela

 

Depois de uma série de guerras civis devastadoras, El Salvador e seus vizinhos da América Central desfrutaram de apenas um curto período de calma antes que gangues criminosas se instalassem para ocupar os lugares que o Estado não pôde ou não quis alcançar. Nas favelas urbanas, o crime organizado se tornou um poder paralelo brutal que ofuscou as capacidades do estado.

O projeto de violência foi pensado para olhar o que estava acontecendo com as diferentes batidas: crime organizado, penitenciárias, gangues e a normalização da violência. A equipe foi apelidada de Sala Negra e de 2010 a 2016 conduziu um trabalho mais abrangente sobre as gangues da América Central do que qualquer um havia publicado antes. Pela primeira vez, os repórteres conseguiram narrar esse fenômeno a partir da perspectiva de membros de gangues, conquistando sua confiança e entrevistando-os.

“Ao nos concentrarmos nesse único fenômeno, pudemos explicar a origem das gangues, a forma como evoluíram e as políticas públicas que as permeiam”, diz Martínez. “Conseguimos penetrar nessas estruturas criminosas e coletar as histórias que elas contavam sobre si mesmas. Explicamos seus conflitos internos e a passagem de entorpecentes na região. Revelamos cartéis de drogas da América Central que não eram conhecidos e explicamos como a violência na região era usada por políticos como mecanismo de geração de votos”.

Os métodos investigativos de Sala Negra, e de El Faro de forma mais ampla, geralmente seguiram a clássica e eficaz técnica de reportagem de imersão em uma determinada área. Seu modelo tenta fornecer aos jornalistas as ferramentas necessárias para descobrir respostas complexas, permitir que os repórteres tenham tempo para construir um relacionamento forte com as fontes e apresentar as investigações em uma forma narrativa para melhor se conectar com o público.

Marcela Turati, uma premiada jornalista mexicana conhecida por seu trabalho sobre desaparecimentos forçados, tem acompanhado de perto o trabalho de El Faro. O estilo de narrativa da equipe, diz ela, é “impressionante, ao mesmo tempo que é muito rigoroso. Esta é uma de suas características distintivas.”

Expansão

A longa lista de prêmios concedidos a El Faro e seus jornalistas inclui alguns dos mais prestigiados dos Estados Unidos e do mundo de língua espanhola, incluindo o Prêmio Maria Moors Cabot, o Prêmio Hillman, o Prêmio Ortega y Gasset e o Rey de España.

Como forma de destacar o trabalho em equipe realizado pelo veículo, a Fundação Gabo, que apoia e promove o jornalismo na América Latina e na Espanha, concedeu à equipe o Prêmio de Excelência em Jornalismo 2016. Foi a primeira vez que o prêmio foi para uma organização de mídia inteira.

Este processo colaborativo foi crucial para o sucesso do El Faro. Equipes de cinco a dez pessoas elaboram cada projeto investigativo, concordando sobre os tópicos que eles cobrirão e encontrando instituições para financiar o trabalho. Além dos artigos que postam online, as equipes também produzem livros, documentários e podcasts e lançaram recentemente “Imperdoável, um documentário co-produzido com La Jaula Abierta sobre a diversidade sexual entre membros de gangues presos em El Salvador.

“El Faro nunca realiza investigações de acordo com o que os financiadores desejam”, explica Martínez. “Assim que sabemos o que queremos investigar, passamos a procurar quem deseja financiar os projetos.” Os doadores reconhecidos em sua página da web incluem Open Society Foundations, Heinrich Böll Stiftung San Salvador, Free Press Unlimited e The Fund for Global Human Rights. El Faro também é membro da Rede Global de Jornalismo Investigativo.

El Faro também buscou apoio por meio de uma campanha de crowdfunding que alude a como sua forma de jornalismo investigativo “desconfortável” não tem medo de investigar corrupção. Semelhante a uma assinatura, os leitores e apoiadores podem fazer doações de USD 2 a USD 20 como uma única vez ou mensalmente.

Um elemento chave para o sucesso do El Faro foi como ele se tornou conhecido em toda a região. Martínez está atualmente desenvolvendo o mais recente projeto investigativo da equipe e, embora os detalhes ainda não possam ser revelados, ele diz que contará com trabalho investigativo em vários países.

El Faro também sedia o Foro Centroamericano de Periodismo, um evento anual que reúne alguns dos melhores jornalistas do mundo para treinar e compartilhar experiências com os da região. O foro também produziu um trabalho colaborativo com outros veículos de notícias ao redor do mundo, entre eles uma investigação sobre a fronteira sul do México (com o jornal espanhol El País) e uma reportagem sobre refugiados da América Central (com a Univision, uma importante rede televisão de língua espanhola dos Estados Unidos).

A mais recente expansão ocorreu no ano passado, quando El Faro lançou uma edição em inglês para ampliar seu alcance nos Estados Unidos. Uma equipe de jornalistas de língua inglesa nativa trabalha em histórias relacionadas à América Central sob a liderança de José Luis Sanz em Washington, DC.

“El Faro se motiva por ser relevante e gerar impacto no discurso público, e o que acontece nos EUA é extremamente importante para a região”, diz Sanz, acrescentando que cerca de 20% dos leitores do site estão agora nos Estados Unidos.

 

Maria luz nochez

Jornalista María Luz Nóchez, integrante da equipe de reportagem de El Faro. Foto: Víctor Peña. Cortesia de El Faro

 

Também houve outras inovações. Um novo comitê, liderado pela jornalista María Luz Nóchez, está avaliando as políticas de diversidade e inclusão de El Faro e treinando jornalistas para escrever a partir de uma perspectiva de gênero.

Uma das histórias que surgiu como resultado - uma investigação sobre como 90% dos casos de estupro infantil em El Salvador ficam impunes - rendeu a Nóchez e Laura Aguirre o Prêmio Latino-Americano de Jornalismo Investigativo (COLPIN). 

“Gênero agora é um tópico coberto com mais obstinação”, diz Nóchez. “Embora já tenhamos trabalhado nesses tópicos antes, desde 2016 colocamos mais ênfase nisso.”

A tempestade que se aproxima

“O que mais me entusiasma em ir para o futuro é consolidar-me como um meio de comunicação não apenas salvadorenho, mas centro-americano”, diz Dada, embora admita que, devido ao assédio que El Faro enfrenta, “o futuro é incerto. ”

Há motivos para preocupação. Fora de El Salvador, o clima da mídia na região é cada vez mais hostil. Enquanto Bukele aperta os parafusos da liberdade de imprensa em El Salvador, o presidente esquerdista Daniel Ortega, da Nicarágua, forçou jornalistas ao exílio. O México é o país mais perigoso do hemisfério ocidental para a imprensa, onde, de acordo com o Comitê para a Proteção dos Jornalistas, os repórteres enfrentam “uma complexa teia de criminosos, gangues de tráfico de drogas e corrupção oficial enraizada”. Na América Latina de forma mais ampla, jornalistas no Equador, Venezuela, Bolívia e Cuba enfrentaram assédio judicial, expulsão e prisão.

“Os riscos que enfrentávamos antes [como ameaças de morte] eram devido ao nosso trabalho”, observa Dada. “Eram riscos que vêm com o trabalho que realizamos. O risco que enfrentamos agora é o perigo de não sermos capazes de fazer nosso trabalho”.

Em fevereiro de 2021, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos - parte da Organização dos Estados Americanos - ordenou ao Estado salvadorenho que tomasse medidas cautelares de proteção em relação aos 34 jornalistas e gestores que compõem o quadro de funcionários de El Faro. Em 23 de junho, Dada disse em uma audiência que o governo não havia providenciado nenhuma das medidas de proteção exigidas.

“É impossível pensar que ficaremos calados ou não faremos nosso trabalho”, diz Martínez. “Temos colegas em outros países que tiveram que enfrentar situações mais difíceis, mais longas e sombrias, e eles permaneceram firmes em seu dever. Eles entenderam que o jornalismo não é um acessório, mas um pilar fundamental na construção de sociedades justas, corretas e decentes. É também assim que entendemos o trabalho que fazemos. ”

Mais artigos