texas-moody

'Temos o dever, a esperança e o compromisso de resgatar este país': jornalistas da Nicarágua falam sobre seus desafios em painel no 16º Colóquio

Falar da Nicarágua e de seu jornalismo é, inevitavelmente, pensar em perseguição e exílio, mas, acima de tudo, em coragem, resistência e reinvenção. Foi exatamente sobre esses temas que quatro jornalistas nicaraguenses falaram durante o 16º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital, em 16 de abril, no painel "Nicarágua: jornalistas libertados da prisão e desterrados".

Dagmar Thiel, diretora da Fundamedios USA e mediadora da conversa, começou destacando que a melhor maneira de descrever o jornalismo nicaraguense é com palavras como "sobreviver e se reinventar". E os jornalistas do painel deixaram claro que, apesar dos obstáculos (como invasões a meios de comunicação, roubo de matérias-primas e suprimentos), ameaças, exílio e até mesmo o desterro recente, "a ditadura não conseguiu nos silenciar".

No entanto, Juan Lorenzo HolmannMiguel MendozaMartha Irene SánchezAníbal Toruño falaram sobre os desafios que enfrentam atualmente para continuar seu trabalho e o que a comunidade internacional pode fazer para ajudar neste momento.

Tres hombres y dos mujeres sentados al frente de un salón frente a una audiencia.

Miguel Mendoza, Aníbal Toruño, Juan Lorenzo Holmann, Martha Irene Sánchez e Dagmar Thiel durante o 16o Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital. (Foto: Patricia Lim / Centro Knight)

 

Durante os 19 meses que passou na prisão de El Chipote, o jornalista esportivo Miguel Mendoza era constantemente questionado sobre o motivo de ter começado a falar sobre questões políticas, considerando ao assunto que cobria. "Sou mais um cidadão do que qualquer outra coisa", diz Mendoza. Como ele explicou, especialmente depois de abril de 2018 – um período de grandes manifestações de cidadãos e repressão do governo – ele não queria ser como alguns jornalistas esportivos que "estão em uma bolha". Por isso, ele usou suas redes sociais para denunciar "o que estava acontecendo", inclusive o assassinato de jovens estudantes e cidadãos em geral, disse ele.

Desde o primeiro dia em que foi libertado da prisão por ser um dos 222 prisioneiros políticos desterrados e enviados aos Estados Unidos, Mendoza começou a publicar em suas redes sociais o que estava acontecendo em seu país. No YouTube, ele tem um programa no qual entrevista outros presos políticos libertados e quer continuar a fazer jornalismo. Entretanto, no exílio não tem sido fácil, entre outras coisas, por causa da situação econômica. De fato, ele disse que pensou em fazer outros tipos de trabalho e, em seu "tempo livre", fazer jornalismo.

Por esse motivo, seu apelo é por maior apoio ao jornalismo independente: "Deus queira [que todo o jornalismo na Nicarágua] não se extinga. Porque se as pessoas encarregadas de financiar todos os meios de comunicação que estão no exílio e estão lutando [não apoiarem], então a ditadura vencerá porque os meios ficarão em branco, vão se apagar porque é preciso se sustentar".

Em uma linha semelhante se pronunciou Juan Lorenzo Holmann, CEO do jornal La Prensa, o mais antigo do país e o último jornal impresso da Nicarágua até alguns anos atrás. Holmann, assim como Mendoza, foi um dos prisioneiros políticos desterrados e também está nos Estados Unidos tentando continuar com o jornal, agora digitalmente.

La Prensa, com 96 anos de idade, representa a história da Nicarágua, de acordo com Holmann. É por isso que sua meta não é apenas chegar aos 100 anos, mas ultrapassá-los. Holmann diz com orgulho que, apesar do fato de suas instalações terem sido invadidasroubadas, eles não foram silenciados.

"Não vão calar nunca o jornalismo independente. Isso é algo que não é responsabilidade apenas do La Prensa. É responsabilidade de muitos jornalistas independentes que aceitaram esse desafio e têm feito isso com grande coragem e com grande dignidade", disse ele. "Acho que a Nicarágua é o único país ou o país da América Latina que tem mais jornalistas no exílio trabalhando [...] porque temos um país lá, temos um país – é verdade que estamos fora – mas esse país está sequestrado. Por meio de nosso trabalho, temos o dever, a esperança e o compromisso de resgatar esse país para que possamos voltar e começar a construir novamente a sociedade com a qual todos sonhamos. Uma sociedade na qual todos nós possamos nos expressar livremente sem o medo de que alguém esteja nos seguindo ou nos persiga ou de que sofreremos novamente exílio, prisão ou até mesmo a perda de nossas vidas.”

Seu apelo por ajuda é dirigido a três grupos: seus leitores, colegas e organizações que podem fornecer financiamento para a mídia. Ao seu público, ele pede apoio contínuo, mas principalmente que pague pelas informações. A outros jornalistas, ele pede que não parem de cobrir a Nicarágua, que vejam esse país como uma espécie de espelho para determinar o que pode acontecer em outros lugares da região, mas principalmente que não percam o foco no que está acontecendo. E, por fim, ele pede às organizações ou fundações que apoiem o jornalismo independente, especialmente as que estão no exílio devido à dificuldade de conseguir dinheiro.

Para Aníbal Toruño, diretor e proprietário da Radio Darío, o apoio financeiro também é um dos principais pedidos de ajuda. Ao longo da história de sua rádio, a estação foi destruída seis vezes, incluindo dois incêndios. Toruño, antes desse "exílio permanente", teve que deixar a Nicarágua por causa de vários ataques contra ele. Em 15 de fevereiro, ele foi declarado “traidor da pátria” e sua nacionalidade foi retirada. A isso se seguiram outras ações, como o congelamento de suas contas, a ocupação da casa de seus filhos e, finalmente, a invasão das instalações da Rádio Darío, que o governo pretendia converter em uma delegacia de polícia.

Devido a esses ataques e à retirada de suas licenças em 2018, a Radio Darío viu a necessidade de se tornar digital. "É, sem dúvida, uma das experiências mais difíceis, especialmente exigente", disse ele. Agora, do exílio, eles tentam continuar a informar e, como no caso do La Prensa, ele também diz com orgulho que têm conseguido continuar. "O grande desafio e a grande vitória que tivemos é que não conseguiram nos silenciar e continuamos a superar a censura, continuamos a nos reinventar para encontrar formas de continuar a alcançar [as pessoas]".

No entanto, o financiamento tem sido a coisa mais difícil: "Se havia algo que tínhamos como meio de comunicação, era que éramos competitivos. Nossos artigos, nossos programas, nossos noticiários eram bons e ainda são. O grande problema que temos é que não temos um país. Portanto, não temos as diretrizes ou a geração de renda como resultado disso", disse ele.

Assim como Holmann, ele pede apoio financeiro das organizações, mas também do público para pagar pelas informações.

Para Martha Irene Sánchez, diretora do meio República 18 e presidente da organização Jornalistas e Comunicadores Independentes da Nicarágua (PCIN, na sigla em espanhol), além do apoio financeiro, a ajuda aos jornalistas no exílio também deve vir dos governos.

Ecoando as palavras do colega jornalista nicaraguense Carlos Fernando Chamorro durante o ISOJ, ela disse que a situação de muitos jornalistas não é mais um exílio devido à crise, mas um "exílio permanente".

"Temos que passar da sobrevivência para a vida, porque não podemos continuar a ser vítimas. Também depende de nós o papel que vamos desempenhar nessa ditadura que nos tirou muito. E não apenas aquilo que se aplica a nós, como a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão, mas aquilo que se estendeu até mesmo às nossas famílias. É por isso que nós, como PCIN, também fazemos um apelo importante para que continuemos a exercer o jornalismo, mas que o façamos em condições que nos dignifiquem, que nos dignifiquem como pessoas", disse Sánchez.

Nesse sentido, para Sánchez, é necessário que os governos "assumam um compromisso real" com as pessoas exiladas. Ele explicou que, em muitos casos, eles passam cinco, dez ou até 15 anos em "uma sala de espera na incerteza" até que consigam ficar em um país permanentemente.

"Não podemos continuar nessa incerteza. Já nos expulsaram de nosso país. Como disse don Aníbal [Toruño], não temos país. Precisamos de segurança migratória para nós e para nossas famílias", disse Sánchez.

Sánchez, que também tentou manter um meio de comunicação na Costa Rica, quis mencionar os jornalistas que ainda estão na Nicarágua e que fazem "jornalismo de catacumba": escondidos, sem assinar seus artigos e com medo de serem perseguidos. Ela também está muito orgulhosa do que foi alcançado pelo jornalismo nicaraguense, tanto dentro quanto fora do país.

"A mensagem forte que dissemos a essa ditadura é: vocês podem ter nos prendido, nos matado – como no caso de nosso colega Ángel Gahona –, podem ter nos jogado no exílio, mas não nos silenciaram", disse ela.

Mais artigos