texas-moody

Assédio sexual é constante para mais da metade de jornalistas mulheres na Venezuela, segundo relatório

Em junho de 2020, quando alguns países ainda estavam em quarentena devido à COVID-19, um grupo de 14 mulheres jornalistas se reuniu virtualmente pela necessidade de encontrar um espaço onde pudessem compartilhar recursos, oportunidades e também discutir a incorporação da perspectiva de gênero no jornalismo produzido pela mídia da Venezuela.

Encontro virtual da Rede de Mulheres Jornalistas da Venezuela (imagem)

Encontro virtual da Rede de Mulheres Jornalistas da Venezuela (imagem)

Foi o surgimento oficial da Red de Periodistas Venezolanas (Rede de Mulheres Jornalistas Venezuelanas), que atualmente é um grupo diversificado de mais de 150 mulheres jornalistas, dentro e fora da Venezuela.

Naquela primeira reunião, quando começaram a discutir quais assuntos eram importantes para os participantes, surgiu a conversa sobre o assédio no local de trabalho.

“Curiosamente, todos as jornalistas tinham uma ou duas histórias para contar, apesar de serem, em muitos casos, de gerações diferentes. Por isso pensamos que, para resolver este problema, era necessário medi-lo”, disse a jornalista Maye Primera  durante a apresentação de 25 de novembro da reportagem “Assédio sexual contra jornalistas na Venezuela”, primeira publicação da rede. Primera se encarregou de redigir a investigação.

Capa da reportagem "Assédio Sexual Contra Jornalistas Femininos"

Capa da reportagem "Assédio Sexual Contra Jornalistas Femininos"

A principal constatação do relatório da Rede de Mulheres Jornalistas Venezuelanas é que 45% das entrevistadas alegaram ter sofrido assédio sexual, bullying ou agressão no local de trabalho.

Para a reportagem, que foi publicada em parceria com a organização Medianálisis, 111 jornalistas de todo o país, de diferentes idades, cargos e meios de comunicação foram entrevistados de forma anônima. A maioria eram mulheres entre 25 e 35 anos e funcionárias de veículos de mídia digital. Para realizar a pesquisa, a Rede de Mulheres Jornalistas Venezuelanas se inspirou em um instrumento para medir o assédio nas redações mexicanas, denominado Acoso Data, criado pelo coletivo Las Periodistas Unidas Mexicanas (PUM, ou Jornalistas Unidas Mexicanas).

“Nós as procuramos para trazer essa experiência para a Venezuela. Acreditamos que o assédio ainda não é tema de conversa no país”, disse Primera durante a apresentação virtual.

A LatAm Journalism Review (LJR) entrevistou Estefanía Reyes, uma das editoras e investigadoras do relatório, sobre o que a rede espera alcançar com esta publicação.

“A princípio, queríamos nomear um desconforto que a maioria das jornalistas já sentiu. Em segundo lugar, para mostrar que isso não acontece com uma ou duas de nós, mas que é um problema sistemático e generalizado. E, reconhecendo ambos, para influenciar a criação de políticas de Estado e empresariais que levem a espaços de trabalho seguros para as mulheres jornalistas, especialmente, mas também para as mulheres em todas as profissões”, disse Reyes.

Assédio como forma de censura

Da mesma forma, mais da metade das entrevistadas reconheceu ter recebido comentários sexuais sobre elas ou com duplo sentido que as incomodavam, olhares obscenos, assim como comentários sobre suas roupas ou aparência que as incomodavam.

Além disso, quase um quarto recebeu telefonemas, mensagens ou e-mails com conotações sexuais sem o seu consentimento ou foi solicitada a se vestir de forma "feminina" ou "atraente" para determinados eventos ou reuniões.

“Os números a seguir confirmam que as formas de assédio verbal são as mais frequentes e, portanto, também as mais normalizadas. Já as formas de assédio que envolvem ataques físicos ou solicitações mais explícitas são menos frequentes”, afirma o relatório.

Fotojornalistas mulheres também estão incluídas na investigação. De acordo com o relatório, 100% das mulheres fotojornalistas que participaram da pesquisa afirmaram ter sofrido mais de uma situação de assédio sexual, bullying ou agressão no local de trabalho. Em muitos casos, essas situações eram frequentes.

Tive que largar o trabalho porque meu chefe estava decidido a que eu tivesse algo com ele. Inicialmente acreditei que poderia lidar com isso, fui esquivo e evitei, mas chegou um momento em que já era insuportável como ele me olhava, como fazia as coisas para que ficássemos sozinhos. Foi insuportável, parei de trabalhar. (Captura de tela do testemunho anônimo apresentado no relatório)

"Tive que largar o trabalho porque meu chefe estava decidido que eu tinha que ter algo com ele. No começo eu acreditava que poderia lidar com isso, fui esquiva e o evitei, mas chegou um momento em que era insuportável como ele me olhava, como ele fazia as coisas para que ficássemos sozinhos. Era insuportável, eu parei de trabalhar." (Captura de tela do testemunho anônimo apresentado no relatório)

Os motivos, estima o relatório, podem ser porque o fotojornalismo é uma área composta principalmente por homens. Portanto, as fotógrafas devem romper e coexistir em ambientes regidos pela dinâmica do poder masculino. Da mesma forma, tendem a passar mais tempo nas ruas, muitas vezes em situações de conflito, onde o risco é maior.

O relatório também destaca como o assédio pode afetar o desempenho no trabalho e mudar o estilo de vida das pessoas afetadas.

Das inquiridas que sofreram assédio, 42% decidiram tomar medidas de proteção, tais como: deixar de cobrir certas instituições em face de ameaças de coletivos e funcionários que as assediaram, intimidaram ou agrediram sexualmente; abster-se de ir a determinados lugares ou buscar qualquer tipo de informação por medo de avanços sexuais não solicitados de fontes; mudar o guarda-roupa para peças mais masculinas para não chamar a atenção; fingir ter um parceiro como estratégia de dissuasão; mudando de ritmo ou demitindo-se de seus empregos.

“Nós, mulheres, vemos o assédio também como uma forma de censura e uma censura exercida por vários lados: Estado, governo, local de trabalho, etc. É um tipo de comportamento normalizado. O fato de algumas colegas mulheres pararem de cobrir certos acontecimentos ou de trabalhar em certos lugares ou terem que assumir uma atitude defensiva permanente por não se sentirem confortáveis ​​é censura e afeta o direito do público de ter essas vozes", disse Maye Primera.

Dificuldade em reconhecer o assédio

A Rede de Mulheres Jornalistas Venezuelanas define, em seu relatório, assédio no local de trabalho como qualquer comportamento verbal, não verbal ou físico de natureza sexual ou outro comportamento baseado no sexo, que afeta a dignidade de mulheres e homens, o que é indesejado, é desarrazoado e ofensivo para o destinatário e acaba afetando seu trabalho.

No entanto, para muitas entrevistadas, não é fácil reconhecer os limites do assédio.

As criadoras do relatório garantem que, embora o resultado da pesquisa mostre que 45% das jornalistas foram submetidas a algum tipo de assédio, o número na verdade é maior porque muitas das jornalistas que responderam "não" à pergunta "Na Venezuela, você já vivenciou ou está vivenciando alguma situação de assédio sexual, bullying ou agressão no ambiente de trabalho (dentro ou fora das instalações da empresa)?", mais tarde, confirmaram com respostas a outras perguntas que elas realmente sofreram assédio.

Portanto, afirmam que o assédio sexual é uma constante para mais da metade das jornalistas na Venezuela.

“É difícil reconhecer o assédio porque é uma característica intrínseca da forma como os homens historicamente aprenderam a se relacionar com as mulheres e vice-versa. É uma prática enraizada na desigualdade de poder em termos de gênero e tão normalizada que até as mulheres têm dificuldade em reconhecê-la como uma forma de violência. Entre outras coisas porque, ao fazê-lo, somos consideradas exageradas, conflituosas ou problemáticas no contexto laboral”, disse Reyes.

In the newspaper where I worked, the editor-in-chief, a man who could be older than my father, called me several times at his office to tell me that a friend of his (who turned out to be a pimp) was interested in dating me and assured that on one occasion he followed me from the newspaper to the bus stop to find out my route. Although I faced him and expressed that it was inappropriate, those proposals continued and he ordered that they assign me to cover any activity directed by that friend, a teacher and government official and who directed the public relations of an institution. (Screenshot of an anonymous testimony featured in the report)

“No jornal onde eu trabalhava, o editor-chefe, um homem que poderia ser mais velho do que meu pai, me chamou várias vezes em seu escritório para me dizer que um amigo dele (que no fim era um cafetão) era interessado em namorar comigo e garantiu que certa vez me acompanhou do jornal até o ponto de ônibus para saber meu percurso. Embora eu o tenha enfrentado e expressado que não era apropriado, essas propostas continuaram e ele ordenou que me designassem para cobrir qualquer atividade dirigida por aquele amigo, professor e funcionário público que dirigia as relações públicas de uma instituição.” (Captura de tela de uma testemunha anônima apresentada no relatório)

Falta de protocolos

Na Venezuela, no final de abril de 2021, a partir do movimento # YoSíTeCreo (eu acredito em você), um fenômeno semelhante à campanha #MeToo dos Estados Unidos, alguns meios de comunicação começaram a criar protocolos para abuso/assédio nas redações. No entanto, não é um denominador comum.

De acordo com Reyes, há muita relutância por parte da liderança dos meios de comunicação em abordar essa questão de uma forma significativa e com a urgência que ela merece.

“Acho que em parte responde ao medo de abrir uma caixa de Pandora porque, embora não o reconheçam abertamente, sabem que esta é uma realidade presente em todas as redações. Em segundo lugar, existe também o receio de que, num contexto autoritário de criminalização contra os meios de comunicação independentes, esta questão seja utilizada como mais um instrumento de perseguição”, afirmou a jornalista.

A Rede de Mulheres Jornalistas Venezuelanas, após a apresentação deste relatório, espera unir esforços para que todas as redações e meios de comunicação do país tenham um protocolo contra o assédio, pensado na perspectiva de gênero, como primeiro passo para a construção de uma cultura de zero tolerância ao assédio e ao sexismo.

Mais artigos