texas-moody

Competição celebra o melhor do jornalismo de dados da América Latina e do mundo

Cartaz de premiação Sigma com figuras ao fundo

A equipe La Nación Data na Argentina foi uma das vencedoras desta edição do Sigma Awards graças ao seu portfólio de projetos. (Foto cortesia)

 

O jornalismo de dados latino-americano teve uma importante representação no Sigma Awards 2022. Trabalhos da Argentina, Peru, Colômbia e Brasil foram selecionados entre mais de 600 inscrições de 379 meios de comunicação de todo o mundo. A equipe La Nación Data na Argentina foi uma das vencedoras desta edição graças ao seu portfólio de projetos.  

O Sigma Awards é considerado um dos mais prestigiados reconhecimentos da área e visa celebrar o melhor jornalismo de dados do mundo e também, conforme publicado em seu site, capacitar, elevar e esclarecer a comunidade global de jornalistas de dados. 

A Latam Journalism Review (LJR) conversou com os líderes dos projetos latino-americanos apresentados no Sigma Awards 2022 para conhecer o processo de criação das matérias apresentadas e como se sentiram após a indicação. 

La Nación Data na Argentina

Este ano, a equipe de dados da mídia La Nación, na Argentina, foi uma das vencedoras do melhor portfólio, junto com veículos como Propublica, dos Estados Unidos, e Important Stories, da Rússia. Seu portfólio inclui trabalhos sobre mudanças climáticas, vacinação contra COVID, inflação e uso de inteligência artificial para monitorar eleições ou analisar músicas trap.

“Estamos realmente muito felizes com os prêmios que a equipe recebeu em diferentes ocasiões. É uma fonte de orgulho e motivação para continuar. Não há segredo, mas sim trabalhamos e buscamos sempre aprender novas tendências e tecnologias”, disse Gabriela Bouret, líder de projetos do La Nación Data, à LJR.

A equipe também foi indicada na categoria de projetos individuais com o trabalho "Yeah, el barrio, drogas y lujo: Así suenan y de esto hablan los traperos en la playlist de los centennials" onde, usando inteligência artificial e aprendizado de máquina para na primeira vez, analisaram 600 letras de trap para, como expressam em sua aplicação, desmistificar os conceitos em torno do gênero e entender o que esses artistas populares estão falando entre as novas gerações.

“Nossa ideia era poder criar um produto que alcançasse o público mais jovem. Então, conversando com o editor de mídia social do jornal Félix Ramallo, tivemos a ideia de poder analisar letras de trap, que é um gênero superpopular entre os jovens aqui na Argentina, e resolvemos fazer com inteligência artificial. Então os dois mundos se juntaram. Por um lado, toda a parte de inovação mais tecnologia. Por outro lado, a parte de novos públicos, novos produtos e outra forma de fazer jornalismo”, disse à LJR Delfina Arambillet, jornalista de dados e membro da Nación Data. 

Bouret e Arambillet explicaram que contaram quantas vezes os rappers repetiram seu nome nas músicas, bem como a alusão a marcas de luxo. Eles também fizeram uso de técnicas como 'Clustering' e 'Topic Modeling' para analisar letras de músicas. 

A utilização desse tipo de tecnologia tem suas dificuldades, principalmente quando são implementadas em outros idiomas que não o inglês. "Tivemos uma dupla dificuldade porque os modelos de inteligência artificial em espanhol não funcionam tão bem quanto os modelos em inglês", explicou Arambillet. “Além disso, os modelos de hoje são treinados com textos escritos em prosa e não em poesia como canções de trap. Em seguida, ele tinha um nível de dificuldade ainda maior. Foi um grande desafio e tivemos que ajudar a modelo com diferentes dicionários”.

Salud con Lupa no Peru

O veículo peruano focado em questões de saúde, Salud con Lupa, em aliança com a Fundação Epistemonikos, foi indicado ao Prêmio Sigma 2022 por seu trabalho Científicamente comprobado: un análisis de los tratamientos más usados contra la COVID-19.

Este projeto consiste em revisar a cada semana a evolução das evidências disponíveis para 46 dos tratamentos e medicamentos mais utilizados contra a COVID-19. Cada um recebe uma classificação de sete níveis que variam de "tratamento padrão" a "não suportado pela ciência".

“Nós no Peru tínhamos um contexto complicado. No início da pandemia, vários medicamentos e terapias foram autorizados sem respaldo científico. Encontramos casos de uso de ivermectina ou azitromicina, drogas que provavelmente poderiam funcionar, mas não se sabia ao certo”, disse Jason Martínez, cientista da computação e cofundador da Salud con Lupa, à LJR.

Homem com cavanhaque olhando para a câmera

“Esta indicação nos deixou muito felizes porque Salud con Lupa tem apenas três anos e já fizemos um trabalho de jornalismo de dados que foi reconhecido”, disse Jason Martínez, cofundador da Salud con Lupa. (Foto cortesia)

“Então propusemos este projeto à fundação Epistemonikos porque eles fazem exatamente isso: revisão de evidências, revisão de estudos e ensaios clínicos para poder determinar através da metodologia (que é chamada de revisões sistemáticas) quão confiável é a evidência sobre algo e o quanto se pode dizer com base nessa evidência”, acrescentou Martínez.

O projeto foi lançado em setembro de 2020 e seu principal atrativo é a visualização de como as evidências de cada medicamento evoluíram ao longo do tempo. Eles também têm um mecanismo de pesquisa onde você pode revisar os resultados por tipo de tratamento ou por classificação. 

“Esta nomeação nos deixou muito felizes porque Salud con Lupa completará apenas três anos e já realizamos um trabalho de jornalismo de dados reconhecido. Este projeto também recebeu uma indicação ao Prêmio Gabo na categoria inovação. Então estamos felizes", disse Martinez. 

A ideia da equipe do Salud con Lupa é continuar atualizando a visualização toda vez que novas evidências forem publicadas sobre um medicamento ou tratamento contra a doença. 

Cuestión Pública da Colômbia 

O projeto "Sabemos o que você fez na última legislatura" do meio de comunicação Cuestión Pública de Colômbia foi outro dos indicados ao Prêmio Sigma 2022. A investigação mostra o patrimônio de mais de 75 senadores e suas redes, incluindo suas empresas, empresas familiares, contratos estatais e interesses privados.

“Esta é a nossa primeira indicação a um prêmio. Este tipo de pesquisa e trabalho de dados é muito novo na Colômbia e ainda não é amplamente compreendido. As pessoas estão acostumadas com a pesquisa tradicional. Quando soubemos dessa indicação ficamos muito felizes porque a equipe finalmente sentiu o reconhecimento por um trabalho que tem sido enorme”, disse Claudia Báez, editora de dados da Cuestión Pública, ao LJR.  

Trinta e sete pessoas participaram da investigação: desenvolvedores, designers, pesquisadores, jornalistas e verificadores de fatos. Segundo Báez, a verificação é parte fundamental do trabalho que realizam. “É preciso muita verificação das informações, porque se contarmos os nós de 'sabemos o que você fez', estamos falando de 3.550 entidades (entre pessoas e empresas). Isso significa que qualquer uma dessas pessoas pode reivindicar a informação e dizer que não é assim. Temos padrões muito elevados na verificação das informações para evitar pressões”, disse o editor. 

Gráfico de vários rostos de funcionários públicos e gráficos de alguns edifícios sob eles

A investigação realizada pela organização noticiosa colombiana Cuestión Pública mostrou o patrimônio de mais de 75 senadores e suas redes. (Crédito: Captura de tela)

No entanto, essas pressões não demoraram a chegar. Atualmente, Báez, juntamente com sua sócia Diana Salinas, está sendo processado criminalmente perante o Ministério Público colombiano pelo presidente do Senado, Juan Diego Gómez, devido à investigação publicada de seus bens.   

O Brasil continua a ser referência 

O Brasil tem sido referência em jornalismo de dados na América Latina. Este ano, brasileiros receberam cinco indicações na categoria de projeto individual e uma na categoria de portfólio. O Brasil foi o país com mais indicações depois dos Estados Unidos. No entanto, não apareceu na lista de vencedores de 2022. 

Um dos projetos apresentados pelo Brasil foi o Engolindo Fumaça, da Infoamazonia, que investigou os efeitos da poluição do ar causada por incêndios florestais na saúde da população amazônica brasileira durante a pandemia.

"A parte mais difícil do projeto foi trabalhar com os dados de satélite e definir quais bancos de dados de poluição do ar seriam mais adequados aos nossos propósitos", explicou a equipe realizadora em sua inscrição ao prêmio. “O cruzamento imediato de dados de casos de COVID e fontes de incêndio logo mostrou que a relação com a saúde não era o fogo em si, mas a poluição que ele gera. Em seguida, analisamos os conjuntos de dados de qualidade do ar e percebemos que havia uma infinidade de variáveis ​​e modelos, e que era preciso muito processamento para obter os dados necessários para analisar o impacto dos incêndios na saúde humana”. 

Uma porcentagem significativa dos projetos apresentados este ano está relacionada à pandemia de COVID-19 que afetou o mundo nos últimos dois anos. Tratamento, vacinação, consequências físicas e corrupção foram alguns dos temas abordados.

More Articles