texas-moody

Diretor de rádio hondurenha é morto a tiros na fronteira com El Salvador

O diretor da Rádio Joconguera, Nery Orellana, foi assassinado a tiros nesta quinta-feira, 14 de julho, em uma estrada do município hondurenho de Candelaria, na fronteira com El Salvador, informou La Prensa. Orellana, de 26 anos, é o quarto jornalista assassinado em Honduras este ano, após os homicídios de Adán Benítez e Francisco Medina Polanco e do dono do canal 24 de televisão, Luis Mendoza.

O jornalista viajava em uma motocicleta quando foi interceptado por pessoas não identificadas que dispararam contra sua cabeça, detalhou O Globo. Embora tenha sido levado com vida a um hospital da cidade salvadorenha vizinha de Sensuntepeque, o comunicador morreu poucas horas depois, relata Revistazo.

O chefe da polícia da região, Juan Carlos Bonilla, disse que designou uma equipe especial para o caso. "Até agora tudo indica que um assalto teria motivado o assassinato do jovem. Lamentamos este fato e faremos tudo que for possível para que o caso não fique impune”, afirmou, citado por La Prensa.

Repórteres Sem Fronteiras (RSF) destacou que Orellana era membro da Rede alternativa de Rádios Comunitárias e militante da Frente Nacional de Resistência Popular (FARP), que agrupa os seguidores do ex-presidente Manuel Zelaya. Além disso, a Rádio Joconguera denunciava constantemente violações aos direitos humanos cometidas contra comunidades locais. "Nery Jeremías Orellana tinha o perfil do jornalista exposto ao perigo", denunciou RSF.

Cerca de doze jornalistas foram assassinados em Honduras desde janeiro de 2010. No final do ano passado, o presidente Porfirio Lobo pediu ajuda ao FBI para esclarecer os casos. Honduras foi readmitida à Organização dos Estados Americanos (OEA) em junho passado, mas RSF alertou que esta situação não resolveu a falta de pluralismo nem os desrespeitos ao Estado de Direito no país após o golpe de Estado de 2009.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos