texas-moody

Editor mexicano do jornal digital El Faro tem cinco dias para deixar El Salvador depois de o governo negar sua autorização de trabalho

* Este artigo foi atualizado.

No que jornalistas e grupos de imprensa apontam como um ato contra o livre exercício do jornalismo em El Salvador, o governo negou a autorização temporária de trabalho ao editor do El Faro, o mexicano Daniel Lizárraga.

Carlos Dada, diretor e fundador do El Faro, deu a notícia ao virtualmente aceitar um prêmio para o jornal digital da Casa América Catalunya, sediada em Barcelona.

Dada disse que Lizárraga foi convidada para trabalhar no El Faro e que estavam processando sua autorização de trabalho.

“Ontem [6 de julho], agentes do governo salvadorenho vieram a sua casa para notificá-lo de que ele tem cinco dias para deixar El Salvador e que sua autorização de trabalho ou residência temporária foi negada porque ele não conseguiu provar que é um jornalista", disse Dada.

“Um dos jornalistas mais proeminentes da América Latina não conseguiu provar que é jornalista”, disse Dada. "E consideramos isso sem dúvida mais uma forma de assédio e ataque contra nós e mais uma tentativa de nos enfraquecer."

Sem mencionar Lizárraga ou El Faro, o diretor geral de Migração, Ricardo Cucalón, escreveu via Twitter no dia 7 de julho: “@migracion_sv é o garante dos direitos dos cidadãos e todos os estrangeiros que estão em nosso território devem cumprir nossas leis. Caso contrário, o mesmo corpo legal nos dá o poder de deportá-lo. Não permitiremos que NINGUÉM viole nossas leis”. Em seguida, ele passou a citar a Constituição e a Lei Especial sobre Migração e Estrangeiros.

O El Faro observou em um editorial no início deste ano que foi atacado pelo governo do presidente Nayib Bukele desde que assumiu o cargo em junho de 2019.

Em um dos eventos mais graves, o Ministério da Fazenda iniciou uma auditoria no jornal digital em julho de 2020.

No final de setembro de 2020, Dada disse a uma comissão legislativa especial que "por trás do 'ataque agressivo' a que estão sendo submetidos pelo Executivo, há uma intenção evidente de 'desmantelar o estado de direito'", relatou na época elsalvador.com. O diretor disse que houve um ataque sistemático a todas as mídias críticas.

Em 24 de setembro, o presidente Bukele anunciou em rede nacional de televisão que o Ministério das Finanças estava tentando montar um processo de lavagem de dinheiro contra El Faro, conforme noticiado pelo site.

No início de janeiro de 2021, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) outorgou medidas cautelares a 34 trabalhadores de El Faro "por considerar que se encontram em situação grave e urgente de risco de dano irreparável a seus direitos".

O pedido de proteção indicou que os trabalhadores “estão sendo submetidos a perseguições, ameaças, intimidações e estigmatizações - principalmente por meio das redes sociais - por motivos de suas atividades jornalísticas”, assinalou a CIDH.

Em 5 de março, o pedido de amparo de El Faro contra o Ministério da Fazenda foi admitido pela Sala Constitucional Salvadorenha da Corte Suprema de Justiça.

E em abril, o El Faro informou que o ministério disse ter encontrado evasão intencional e impostos no valor de USD 33,7 mil desde 2017. O site negou e acusou o ministério de seguir "ordens de ataque" do governo Bukele.

Em seu país natal, Lizárraga descobriu grandes escândalos de corrupção e enfrentou reações por isso.

Ele e seu colega Irving Huerta foram demitidos do grupo de rádio MVS no México em março de 2015 após serem acusados ​​de “abuso” quando Lizárraga apareceu em um vídeo promocional do Méxicoleaks. No entanto, os críticos apontaram para o papel que desempenhou na investigação "La Casa Blanca de Enrique Peña Nieto", que foi liderada pela jornalista Carmen Aristegui.

Organizações e jornalistas nacionais e internacionais se manifestaram a favor de Lizárraga.

“A liberdade de imprensa deve ser garantida em um país democrático, escreveu a Associação de Jornalistas de El Salvador (APES) por meio de sua conta no Twitter. “A decisão de expulsar o renomado jornalista @danliza de El Salvador se soma às ações do governo de @nayibbukele por não garantir o jornalismo”.

A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) exortou as autoridades "a não obstruir o livre exercício do jornalismo".

* Este artigo foi atualizado para incluir comentários do Diretor de Migração de El Salvador, Ricardo Cucalón.

** Silvia Higuera contribuiu com este artigo.

Mais artigos