texas-moody

Fundador de jornal colombiano é sentenciado a 20 meses de prisão por editorial com críticas a congressista

Um tribunal colombiano sentenciou o fundador e editor do jornal Cundinamarca Democrática a 20 meses de prisão e uma multa de 5.500 dólares pelos crimes de difamação, calúnia e injúria, relatou o Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ).

Luis Agustín González, fundador da publicação mensal Cundinamarca Democrática, recebeu a sentença em 13 de outubro por um editorial de 2008 em que critica a candidatura ao Senado da deputada María Leonor Serrano, ex-prefeita de Fusagasuga no departamento de Cundinamarca, de acordo com o jornal Semana. Após perder as eleições, Serrano alegou que o editorial prejudicou sua reputação.

Serrano comemorou a decisão judicial e acusou o jornalista de chantageá-la, de acordo com o El Espectador. “O problema com Agustín é antigo e ele não é um jornalista, pois nem bacharelado tem, ele é um chantagista que disse que acabaria comigo se eu não lhe desse uma boa publicidade", disse a política.

Federação Colombiana de Jornalistas (Felcoper) afirmou que esta condenação representa a situação dos jornalistas regionais na Colômbia, alvos de dificuldades econômicas para sustentar seus veículos de comunicação e de pressões de funcionários públicos. A entidade convocou outras 25 organizações afiliadas na Colômbia a enviar cartas ao Tribunal Penal de Cundinamarca para que ele revoque a decisão judicial.

Associação de Jornais e Veículos Informativos (Andiarios) declarou que a sentença forma um grave precedente para a liberdade de opinião e que as ações penais contra jornalistas constituem censura, informou o jornal El Espectador.

Mais artigos