texas-moody

Jornalismo na Nicarágua e El Salvador: a persistência da mídia diante da hostilidade dos governos

Este painel fez parte do 13º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital, realizado totalmente on-line em 25 de julho de 2020. Veja este e outros painéis desse dia aqui.

 Democracia e respeito pelos direitos civis parecem ser o sonho que ainda não foi realizado na América Latina; enquanto o jornalismo, por sua vez, continua em sua luta na qual acredita ser o "lado certo da história" contra poderes abusivos. Com essa reflexão, María Teresa Ronderos, diretora do CLIP, iniciou a conversa “Jornalismo diante de governos hostis: cobrindo a crise democrática na América Central” durante o 13º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital.

Por quase uma hora, Carlos Fernando Chamorro, editor da revista Confidencial da Nicarágua, e Carlos Dada, co-fundador de El Faro em El Salvador, discutiram o papel do jornalismo em uma democracia e como continuar a exercer esse papel com governos autoritários e populistas, em através de ataques, ameaças e assédio.

Para Chamorro, o que está acontecendo na Nicarágua deixou de ser hostil por se tornar uma pressão da imprensa pelo governo. Em mais de uma década no poder, Daniel Ortega progressivamente "desmantelou a democracia" para estabelecer uma "ditadura institucional" em que diferentes liberdades, incluindo a expressão, são violadas e a imprensa é um dos "principais alvos da agressão" da ditadura”, disse ele. No país, existem registros de jornalistas assassinados, presos, mídia destruída, mídia ocupada pela polícia - como a revista Confidencial de Chamorro - e também há controle absoluto sobre a informação pública.

13º Coloquio Iberoamericano Periodismo ante gobiernos hostiles: Reportar la crisis democrática en Centroamérica

Carlos Dada, Maria Teresa Ronderos e Carlos Fernando Chamorro durante o 13º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital.

“Em resumo, o relacionamento é absolutamente conflituoso. Para o Estado, a imprensa é inimiga e é importante dizer que não há contrapesos. Não há parlamento, não há procuradoria, não há ouvidoria de direitos humanos a que jornalistas ou cidadãos possam recorrer", disse Chamorro. "Esse é o ambiente em que o jornalismo é realizado na Nicarágua, uma situação que é agravada pela extrema centralização da informação quando a pandemia do COVID-19 irrompe".

Os anos sob o comando de Ortega não foram fáceis para a imprensa crítica. Um período que também foi marcado por "momentos de profunda solidão", nos quais os jornalistas se sentiam "pregando no deserto", segundo Chamorro. No entanto, apesar desse desmantelamento institucional que deixou os jornalistas sem nenhuma instância a quem recorrer, eles decidiram continuar com o trabalho. "Concluímos que não havia outra maneira de resistir [aos ataques] do que continuar fazendo jornalismo e apelando à confiança, ao relacionamento com nosso público, tentando também fazer alianças com outros setores".

Eventualmente, esse relacionamento com o público e seu trabalho persistente está começando a dar frutos. Os jornalistas começaram um esforço conjunto com o público quando as pessoas saíram às ruas e registraram a repressão do governo em abril de 2018. “O jornalismo faz um ótimo trabalho de curadoria profissional durante todo esse processo e senti que começamos a colher as sementes da credibilidade jornalística que plantamos”.

Essa credibilidade que parece vir da audiência também parece ter efeitos nas fontes. Um exemplo que Chamorro deu foi como a Confidencial conseguiu obter e publicar números dos testes realizados e dos casos confirmados de COVID-19 no país por fontes oficiais; fontes que desde o início da crise foram bloqueadas.

"Acredito que o mais importante tenha sido resistir, com persistência e perseverança, que dias melhores teriam que vir", disse Chamorro. “E acho que, em meio à dor que esse massacre representou, [...] estamos vivendo dias melhores, [acho] que o jornalismo na Nicarágua hoje pode dizer que tem futuro e que somos muitos mais jornalistas independentes hoje do que antes, porque muitos meios de comunicação que foram cooptados pelo regime e que eram aliados do regime ao escolher entre a verdade, o elemento básico da verdade diante de um massacre, escolheram a verdade ”.

Ronderos disse que, embora o caso em El Salvador ainda não tenha atingido a situação na Nicarágua, "parece um grande passo animal" para se tornar um governo mais autoritário desde que Nayib Bukele chegou ao poder há um ano. E é que ele é um presidente que "gostaria de governar sob essas condições de controle absoluto", como resumiu Dada.

Para Dada, a chegada de Bukele ao poder explica-se a partir da juventude da vida democrática nos países da América Central. A democracia, segundo Dada, era uma aspiração da população a melhorar as condições de vida, especialmente após as guerras civis. Além da pluralidade política e do papel da imprensa, as condições do povo, como tal, não mudaram muito em termos de segurança, pobreza ou oportunidades para melhorar sua qualidade de vida, entre outras.

Isso "abre as portas para aspirantes autoritários na América Latina", como no caso de Bukele em El Salvador, explicou Dada. Seus primeiros atos como presidente foram "absolutamente antidemocráticos", uma vez que entraram na Assembléia Legislativa com soldados armados", algo que nem mesmo os presidentes militares ousaram fazer durante a maior parte do século 20", acrescentou Dada. Ele também disse que o presidente ignorou algumas decisões da Suprema Corte e que declarou como inimigo quem se opõe a suas decisões.

"Quando falamos dos inimigos de seus ditames, a imprensa crítica ocupa um dos primeiros lugares", disse Dada, para quem esses ataques à liberdade de imprensa são inéditos desde o final da guerra.

Dada, com dados da Associação de Jornalistas de El Salvador, disse que desde que Bukele assumiu o poder há um ano no país, houve 61 ataques contra jornalistas que incluem censura - como negar o acesso a entrevistas coletivas à mídia que a eles lhes parecem críticos - ataques difamatórios com campanhas inteiras, como as da revista Factum e El Faro, fechamento de caminhos para acessar informações públicas, assédio fiscal e, ultimamente, “[os ataques] passaram para o campo da segurança física".

"Sofremos assédio, intercepções, espionagem, acompanhamento de veículos e, nos últimos 15 dias, dois jornalistas foram trazidos para suas casas para levar apenas o computador,"disse Dada, que acrescentou que um deles estava publicando figuras e modelos matemáticos sobre COVID-19. "Quando você cruza essa linha, que não havia sido cruzada por governos anteriores, a natureza sombria e agressiva contra a liberdade de imprensa desse governo começa a se tornar mais preocupante", ele insistiu.

Segundo Dada, a imprensa se tornou esse alvo porque "é capaz de arranhar e encontrar a corrupção escandalosa" desse governo. Ataques agravados pela pandemia e pela perspectiva "provincial" que está sendo dada em cada país e que evita atenção internacional para eles.

"Se você acrescenta que os aeroportos estão fechados e as fronteiras estão fechadas, os ataques à imprensa, em vários meios de comunicação de El Salvador, como está acontecendo agora, ficam mais fáceis para o governo de plantão, porque eles não têm esse olhar externo, que, pelo menos em países como o nosso, era mais importante antes”.

Chamorro e Dada concordam é que, apesar dessas circunstâncias difíceis, é seu dever continuar seu trabalho. Em algum momento, como Chamorro disse, a semeadura produzirá uma colheita. Algo com que Dada concorda.

"Acredito que o papel do jornalismo, mesmo em um país onde um presidente autoritário e corrupto como esse, que tem tanta tração popular, é continuar informando a sociedade sobre o que está acontecendo e [...] resistir à tempestade de insultos e descrédito que chove todos os dias”, disse Dadá. “Mas se realmente acreditamos em uma democracia; [...] A mídia e o jornalismo temos que insistir em nosso papel nessa democracia, temos que promover o debate público, temos que continuar informando a sociedade desse desmantelamento da nossa vida democrática e também temos que educar a população sobre democracia porque uma democracia não funciona se não houver cidadãos informados e melhor formados, ou seja, mais comprometidos com esse processo democrático”.

Nesse sentido, Dada lembrou que o presidente Bukele, desconhecendo as decisões anteriores da Suprema Corte, destacou que "a vida dos salvadorenhos não pode depender de cinco pessoas" para se referir aos cinco magistrados que fazem parte da Câmara Constitucional. Dadá, parafraseando um ex-magistrado, disse que, de alguma forma, ele está certo: essas cinco pessoas não serão mais do que isso se não tiverem o apoio do povo. "Enquanto os cidadãos não se voltarem para apoiar os princípios da vida republicana e da vida democrática, cinco magistrados não passarão de cinco magistrados", disse Dada, e, portanto, a responsabilidade que a mídia também cumpre.

Apesar de o jornalismo não poder gerar mudanças por si só, segundo Chamorro, a verdade é que o trabalho persistente pode levar outras pessoas a levantar a voz.

"Acho que a solidão de que Carlos Fernando [Chamorro] estava falando, que é um sentimento um pouco parecido com o que está começando a chegar até nós em El Salvador, também parte de outra coisa: o poder intimida todos, toda voz dissidente . Trata-se de erradicar a dissidência ou pelo menos a sua voz, especialmente a sua voz”, disse Dadá. "Mas acredito que naquela solidão em que a Confidencial continuou a trabalhar, isso também serviu para encorajar outras pessoas que hoje estão enfiando a cabeça nesse processo de denúncias contra um regime autoritário".

Chamorro finalmente falou da resistência semelhante compartilhada por cidadãos e jornalistas nicaragüenses e venezuelanos. E ele os chamou para encontrar outros cenários para superar a censura - por exemplo, procurar nas redes sociais o melhor aliado para se reconectar com seu público - e impedir que as narrativas autoritárias predominassem.

“A história que permanece, afinal, é a história da verdade, é a história da resistência, é a história de um país que exige justiça sem impunidade. E isso será alcançado quando houver uma mudança política democrática, e acho que nicaraguenses e venezuelanos andam de mãos dadas por lá”, concluiu Chamorro.

Mais artigos