texas-moody

Jornalista nicaraguense acusa exército de espionagem política

Por Larissa Manescu

Ismael López, um jornalista nicaraguense que trabalha no site de notícias Confidencial e no programa de televisão Esta Semana, acusou o Exército do país de espioná-lo, de acordo com o portal de notícias em inglês The Nicaragua Dispatch.

López disse que dois homens que diziam ser um capitão e um major do Exército da Nicarágua, chamaram os membros de sua família em agosto para perguntar sobre sua vida pessoal depois que ele descobriu grupos da oposição rearmados no norte do país.

Os dois homens programaram uma reunião com López em um restaurante em outubro para interrogá-lo sobre seus sentimentos em relação ao presidente Daniel Ortega; desde então, eles foram vistos várias vezes fora do trabalho e da casa de López.

Carlos Fernando Chamorro, diretor de Esta Semana e Confidencial, escreveu uma carta solicitando ao chefe do Exército acabar com a intimidação e à Assembleia Nacional começar uma investigação independente sobre as táticas.

Na carta, Chamorro acusou os funcionários da Dirección de Información para la Defensa (DID) do Exército e mencionou que o artigo 96 da Constituição da Nicarágua proíbe a espionagem política.

O chefe do Exército, General Julio Cesar Avilés, ainda não respondeu a carta para confirmar ou negar as acusações de espionagem.

Contudo, em uma entrevista feita em 30 de outubro com a CNN sobre a situação, o sandinista Evertz Carmaco disse que a espionagem é uma prática comum, segundo o site Confidencial. “É possível. Todos os governos espionam todo mundo, você pode estar sendo espionada,  podemos estar sendo espionados todos, e o governo é espionado por outro governo”.

Filiberto Rodríguez, sandinista e presidente do Comitê de Governo da Assembleia Nacional, rechaçou a responsabilidade de investigar sobre as supostas acusações e questionou sua validez. “Sou ignorante se isto é uma montagem, se se trata de um bom teatro, se se trata de uma obra de teatro. Não sei realmente, mas dependo das instituições de investigação para esclarecer este tema”, disse Rodríguez.

Segundo o The Nicaraguan Dispatch, o partido da oposição do país, o Bloque Democrático Nicaragüense (BDN), anunciou seu apoio a López e pediu que o fim de qualquer espionagem por parte do Estado pouco depois de Chamorro anunciar publicamente as acusações na televisão em 28 de outubro.

Em um comunicado emitido por seu capítulo na Nicarágua, a organização sem fins lucrativos PEN Internacional disse que apoia todas as iniciativas tomadas pelo jornalista e os meios afetados para colaborar com organizações internacionais como a Organização dos Estados Americanos e as Nações Unidas.

Desde que os sandinistas voltaram ao poder em 2007, Esta Semana tem sido um dos poucos programas de televisão que ainda se dedicam ao jornalismo de investigação na Nicarágua.

Nicarágua é um dos piores países no que diz respeito à liberdade de expressão na região, de acordo com Claudio Paolillo, presidente da comissão de liberdade de expressão da Sociedade Interamericana de Imprensa.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog Jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos