texas-moody

Jornalistas colombianos usam suas contas no Twitter para opinar abertamente sobre Uribe

  • By Guest
  • 16 October, 2014

Por Víctor García

Quando se trata de política, os 100 jornalistas colombianos com mais relevância e seguidores no Twitter compartilham abertamente suas opiniões e estão cada vez mais dispostos a incluir links que conduzem a sites além dos próprios veículos onde trabalham. A revelação foi feita por um estudo apresentado pela Universidade do Texas em Austin durante a mais recente conferência anual da Association for Education in Journalism and Mass Media (AEJMC) realizada em Montreal.

Através de uma análise de conteúdo no Twitter, o estudo encontrou que os jornalistas se distanciam de sua posição neutra e expressam opiniões políticas (81,7%) quando mencionam em seus tweets o ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010).

Três de cada quatro tweets dos jornalistas que mencionam Uribe expressam uma atitude negativa em relação à participação política do ex-presidente (73.8%).  Só cerca de 25% dos tweets contêm apenas fatos e informação pura e dura, e 12% expressa humor ou sátira.

O tipo de veículo para o qual os jornalistas trabalham foi significativo nesse caso. Os repórteres que trabalham para organizações tradicionais que pertencem à elite jornalística emitem menos opiniões sobre Uribe (78,6%) que seus colegas de organizações não tão tradicionais tais como os meios nativos da web (86,7%).

Os jornalistas também estabelecem uma relação em seus tweets entre Uribe e o processo de paz ocorrido no governo de Juan Manuel Santos com as FARC em La Habana. 12% dos tweets analisados relacionam Uribe ao processo de paz, e dessas mensagens, 90,6% expressam um tom negativo em relação à influência de Uribe na negociação.

Os comunicadores percebem a atividade de Uribe como prejudicial para a política e para o processo de paz entre o governo e a guerrilha das FARC.

Para identificar a opinião dos jornalistas sobre Uribe, este projeto rastreou e recolheu tweets de cada uma da contas de 100 jornalistas, entre setembro e dezembro de 2013. Um total de 1.523 tweets foram analisados.

Quatro fatos destacados ocorreram durante o tempo selecionado para a mostra: 1. O ex-presidente Uribe anunciou seu regresso à arena política ao se lançar como candidato ao Senado; 2. Oscar Iván Zuluaga foi selecionado pelo novo partido político de Uribe como candidato às eleições presidenciais de 2014; 3. Como parte das negociações de paz, um acordo entre o governo colombiano e as FARC foi alcançado em La Habana sobre a futura participação política da guerrilha; 4. O presidente Santos anunciou que buscaria a reeleição.

Por outro lado, os jornalistas colombianos parecem haver entendido a dinâmica das redes sociais, ao compartilhar abertamente conteúdos e links externos que são úteis para suas audiências, ainda que levem a páginas fora do universo de suas próprias empresas jornalísticas.

38,5% dos tweets dos jornalistas tinham links. Destas mensagens, 57,6% levavam a páginas que não correspondiam a sites das empresas onde os jornalistas trabalhavam.

Como consequência, os jornalistas não usam o Twitter só como uma plataforma para divulgar seus próprios conteúdos e abriram parcialmente as portas a outros meios ou recursos informativos para beneficiar os usuários dentro de suas redes. Apesar disso, os jornalistas preferem publicar mensagens originais no Twitter e têm certas dificuldades para responder ou replicar conteúdos dos usuários.

No que diz respeito à transparência, poucos jornalistas compartilham o processo de elaboração das notícias (15,1%) ou informação pessoal (7,8%) em seus tweets. Contudo, neste caso, uma pesquisa mais avançada é necessária para analisar a interação dos jornalistas em contextos distintos à cobertura política do ex-presidente Álvaro Uribe. O tema espinhoso da política pode condicionar a abertura dos repórteres na hora de compartilhar assuntos próximos a seus trabalhos ou famílias.

O objetivo final deste estudo era mostrar como os jornalistas adotam novas práticas no universo online e se distanciam um pouco de sua tradição profissional em assuntos como a objetividade, o gatekeeping e a transparência.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

More Articles