texas-moody

Jornalistas latino-americanos que cobrem conflitos violentos em seus próprios países enfrentam incertezas e dinâmicas em transformação

Este é o segundo capítulo de uma série sobre a cobertura de conflitos violentos na América Latina.*

 

Nenhuma reportagem é igual quando se trata de cobertura de conflitos violentos ou áreas violentas. Cada situação parece ter um componente imprevisível.

Image of journalist crouching to avoid crossfire

(Illustration: Pablo Pérez "Altais")

Esse é o testemunho de vários dos jornalistas e especialistas do México, Brasil, El Salvador, Venezuela, Equador e Colômbia que a LatAm Journalism Review (LJR) entrevistou e que vivenciaram esse fator imprevisível na violência cotidiana em algumas áreas de seus países.

Histórias sobre gangues e organizações criminosas, áreas de fronteira com a ambiguidade de seus limites e jurisdições, cidades urbanas marginais ou uma simples praça central de uma cidade tomada por cartéis de drogas são alguns dos temas e cenários latino-americanos onde os jornalistas da região podem encontrar suas melhores reportagens ou uma situação de vida ou morte. Embora não seja uma guerra em seu conceito tradicional, as condições e os preparativos não são tão diferentes para os jornalistas.

Cobrindo situações de violência em áreas de risco

O antropólogo, cronista e colunista salvadorenho Juan Martínez d'Aubuisson, cujos textos são publicados por El FaroInsight CrimeRevista Factum e Gatopardo, entre outros, documenta a violência social no norte da América Central.

Há anos, Martínez frequenta o bairro de Rivera Hernández, em San Pedro de Sula, em Honduras, onde coexistem várias gangues como Barrio 18 e Mara Salvatrucha, uma das maiores estruturas criminosas de Honduras.

JuanMartinezWithExpandilleros

À esquerda, o cronista salvadorenho Juan Martínez d'Aubuisson em El Salvador, junto com ex-membros do MS13 e do Bairro 18. (Cortesia)

 

“A violência é tão intensa [lá] que as gangues, às vezes as novas gangues, são exterminadas com relativa facilidade. Então eu estava tentando documentar e descrever como é o nascimento de uma gangue naquele bairro”, disse Martínez.

Em uma de suas viagens a Rivera Hernández, no final de 2018, e depois de passar várias semanas com uma das novas gangues, formada por jovens, Martínez testemunhou um confronto entre o novo grupo e membros da Mara Salvatrucha.

Os encontros entre gangues em geral são muito fortes, disse Martínez, mas o que foi diferente naquela época foi que a gangue de jovens ficou sem munição e começou a tacar coquetéis molotov do telhado. Ou seja, garrafas com gasolina e um pano aceso como fusível. Naquele momento de tanta incerteza, “estava absolutamente convencido de que ia morrer”, confessou Martínez.

Felizmente, ele viveu para contar, e não foi a última vez que visitou aquele bairro, nem aquela região conflagrada de Honduras.

Martínez reconhece que essa não é a forma mais tradicional de cobrir a violência, por isso não recomenda a ninguém a forma como trabalha. “Uma vez que a violência começa, não há protocolos de proteção fixos.”

Na opinião dele, para esse tipo de cobertura, é bom ter algum tipo de preparo físico. Uma opção de proteção muito boa é conhecer algum tipo de técnica de defesa pessoal ou artes marciais, “como o grande professor [e jornalista peruano, Gustavo] Gorriti”. Também é útil, durante os confrontos armados, usar roupas escuras, manter-se sempre em movimento e ser bem identificado pelo grupo que está acompanhando. Outro aspecto essencial é manter a comunicação com um contato de confiança, ou monitor, que sabe onde você está e qual é a sua situação.

Cobrindo eventos comuns em áreas violentas

Em algumas cidades mexicanas, como Nuevo Laredo, em Tamaulipas, perto da fronteira norte com os Estados Unidos, mesmo os eventos mais comuns, como os eventos de cidadania da prefeitura em praça pública, não deixam de ser cenários de violência potencial.

Alberto Carrasco, chefe de informação do jornal Nuevo Laredo El Mañana, cobre vários temas como repórter há seis anos, como segurança, política e meio ambiente. Vive diariamente essa violência latente de Nuevo Laredo, como jornalista e como cidadão.

Alberto Carrasco

Jornalista Alberto Carrasco do jornal "El Mañana" de Nuevo Laredo, México. (Cortesia)

“Qualquer repórter que esteja aqui há cerca de dez anos fez pelo menos um ou dois cursos de capacitação que incluem [técnicas para] algum treinamento” sobre como se proteger, disse Carrasco à LJR, como os oferecidos às vezes pelo Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ).

Em 25 de janeiro de 2018, Carrasco teve que colocar em prática todo o seu conhecimento de autoproteção ao cobrir um ato oficial do então prefeito de Nuevo Laredo, Enrique Rivas Cuéllar, que contou com a presença de mais de 150 convidados, incluindo muitas crianças, que terminaram no chão, segundo a Telemundo.

Quando o prefeito inaugurava um mural da cidade, um fogo cruzado irrompeu entre facções criminosas a poucos metros de distância, fazendo com que todos os presentes se agachassem e buscassem abrigo em qualquer lugar: atrás de estátuas, bancos de praça, jardins etc., disse Carrasco. A segurança do prefeito e os agentes do Exército acionaram suas defesas.

Os jornalistas estão mais acostumados a esses tipos de eventos, disse Carrasco, e a primeira coisa a fazer nesses casos é se proteger.

Em cidades como Nuevo Laredo, ou nas áreas rurais de Tamaulipas, qualquer cobertura implica um risco moderado se não forem tomadas as devidas precauções.

Também é bom ir de carro com os vidros abaixados para ouvir os tiroteios, que são frequentes, e assim saber qual caminho tomar, disse Carrasco.

Geralmente os jornalistas não abordam temas que possam colocar em risco sua integridade física.

Para a organização Artigo 19 México, que defende a liberdade de expressão, a cobertura que consideram arriscada está relacionada a questões de corrupção e política, direitos humanos, segurança e justiça, protestos, eleições e questões sobre a defesa da terra e do território, disse à LJR Itzia Miravete, coordenadora de prevenção da organização.

“É importante que o governo [de Andrés Manuel López Obrador] faça uma campanha permanente de reconhecimento do trabalho dos jornalistas para melhorar a percepção dos cidadãos em relação à imprensa", disse Miravete. "Por outro lado, isso deve ser acompanhado pela coibição dos discursos estigmatizantes que são gerados a partir dos três níveis de governo contra a imprensa.”

Em zonas de ‘milícias’ não se entra (em favelas, sim)

Mauro Pimentel é um fotojornalista brasileiro e correspondente da Agence France Presse (AFP) no Rio de Janeiro. A maior parte de sua cobertura documenta a vida dos moradores das favelas cariocas, que muitos preferem chamar de comunidades ou bairros. Pimentel disse à LJR que sempre evita ser o primeiro repórter no território quando se trata de cobrir eventos violentos, como confrontos entre gangues ou com a polícia.

MauroPimentelByDouglasShineidr

Fotojornalista brasileiro, Mauro Pimentel, correspondente da AFP no Rio de Janeiro. (Crédito: Douglas Shineidr)

“No Rio, há muita comunicação entre fotógrafos, por exemplo, e até entre repórteres. Então, sempre que você tem que cobrir as ‘breaking news’, nunca está sozinho”, disse ele.

Quando se trata de reportar nas favelas que Pimentel visita com frequência, ele se atreve a correr mais riscos porque já tem contatos conhecidos, fontes. Mas sempre depende de qual situação você tem que cobrir, e é melhor entrar na área com outros repórteres.

“Sempre tento entrar em contato com alguém local. Mas se já estou lá, a primeira coisa que faço é conversar com alguém na rua, para tentar entender o cenário. Acho que é a forma que encontro de ser simpático, acessível, de explicar o que estou fazendo no local e ter a ajuda das pessoas da área para ter acesso. Além de ajudá-los a entender por que esse cara veio com essa câmera grande.”

Pimentel sempre procura manter uma comunicação constante, compartilhando sua localização por telefone, com seu editor e com o motorista que o acompanha e espera por ele em um ponto seguro. O bom de cobrir eventos dentro da cidade é que você sempre tem um sinal de telefone para se comunicar.

Há poucos dias, ele teve que cobrir um tiroteio na favela da Vila Cruzeiro, onde morreram oito pessoas. A polícia invadiu o bairro, alegando que estava procurando por traficantes de drogas da favela vizinha.

No início de fevereiro, o Supremo Tribunal Federal votou para que o governo do Rio criasse um plano para reduzir a letalidade da violência policial nas favelas da cidade.

Reportar apenas enquanto há luz do dia é outra das premissas de Pimentel. Certa manhã, quando ele cobria uma procissão de Corpus Christi na favela da Rocinha, antes de começarem a caminhar e enquanto as pessoas se preparavam para o rito, houve um tiroteio entre gangues. Refugiou-se na casa de um dos moradores, que o recebeu. Todos esperaram o tiroteio passar e continuaram com a procissão. “Quando você entra nas favelas, todo mundo já sabe que você está lá. Eles espalham a palavra.”

Pimentel, no entanto, nunca faz coberturas nas áreas ou favelas controladas por milícias, que são formadas por gangues de ex-policiais nas quais, às vezes, há até policiais da ativa entre seus.

“Nesses locais [controlados por milícias], não há negociação. A mídia não é permitida, ponto final”, explicou Pimentel.

LJR entrou em contato com a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, mas não obteve resposta antes do fechamento desta matéria.

Quando as autoridades não são o melhor contato

Como prática comum, os jornalistas que se preparam para viajar pela primeira vez a uma zona rural ou fronteiriça para fazer uma reportagem costumam entrar em contato e se apresentar a líderes comunitários locais, pastores de igrejas locais, professores de escolas que têm influência junto ao povo, as autoridades e as forças da ordem.

No final de março de 2021, a equipe de jornalistas do meio colombiano NTN24 descobriu a exceção à regra na Venezuela, quando foram detidos após se identificarem com os postos de comando da área onde foram reportar.

Naquela época, o jornalista venezuelano Luis Gonzalo Pérez, correspondente internacional da NTN24, foi com seu colega Rafael Hernández fazer uma reportagem de uma semana no estado venezuelano oriental de Apure, que faz fronteira com o departamento colombiano de Arauca. A ideia, disse Pérez à LJR, era cobrir o deslocamento de milhares de venezuelanos para o lado colombiano devido à violência desencadeada pelos confrontos entre os militares venezuelanos e as facções guerrilheiras colombianas.

Luís Gonzalo Pérez

O jornalista venezuelano Luis Gonzalo Pérez, correspondente da NTN24 da Colômbia. (Cortesia)

Eles foram de Caracas a Apure, em uma viagem de 12 horas, porque devido à pandemia de COVID-19, as viagens aéreas não foram autorizadas. Eles conseguiram atravessar para o lado colombiano para entrevistar famílias que haviam migrado fugindo da violência e depois retornaram novamente para o lado venezuelano para continuar suas reportagens. Quando foram pedir autorização ao comando da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) na área para realizar sua reportagem, foram presos, disse Pérez.

Nós nos identificamos e “mostramos nossas credenciais de imprensa aos comandos”, disse Pérez, mas eles ainda acabaram em uma sala de detenção do comando do GNB por quase 48 horas, onde, segundo Pérez, dormiram no chão, ficaram incomunicáveis e foram alimentados apenas uma vez, com uma arepa [um tipo de pão] e um café. Levaram seus pertences, celulares, dinheiro, equipamentos e todo o material jornalístico que produziram até então.

Antes de tirarem seus celulares, disse Pérez, ele conseguiu se comunicar com sua editora em Caracas e dizer a ela que a situação era muito suspeita porque eles estavam tirando fotos deles e pedindo muitas informações. Pérez e Hernández foram acompanhados por um motorista e duas pessoas da organização Fundaredes.

“Eles colocaram guardas armados do lado de fora da sala de detenção e a partir daí começou a tortura mental (…) Eles ignoraram todos os nossos pedidos de comunicação”, disse Pérez. “Foi a noite toda (...) e ouvimos cerca de 70 detonações de morteiros fora do comando, sacudindo o local”, acrescentou.

Naqueles dias, Diosdado Cabello, deputado venezuelano e número dois do chavismo na Venezuela, chamou todos os jornalistas que cobrem o conflito fronteiriço em Apure de “inimigos”. Durante seu programa na TV aberta, ele disse que os jornalistas que vão para aquela zona de conflito não vão cobrir as notícias, mas sim “semear ódio”.

No Twitter, o presidente colombiano Iván Duque condenou a prisão de jornalistas por “forças da ditadura venezuelana” e pediu a intervenção de organizações internacionais. Os jornalistas foram liberados na tarde seguinte, segundo Pérez, deixando o comando do GNB apenas com as roupas que vestiam.

“Foi um ato de intimidação, amedrontamento e roubo. Foi um crime”, disse Pérez.

Em um comunicado das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas sobre os confrontos de 31 de março de 2021 na zona fronteiriça do estado venezuelano de Apure com o departamento colombiano de Arauca, é mencionada a presença da imprensa no local.

“Deve-se notar que enquanto os moradores de La Victoria [em Apure] voltam de Arauquita [cidade colombiana] para suas casas, observa-se como os operadores da canalhice midiática empregam suas manipulações sujas para atiçar a violência em Alto Apure”, disse o comunicado.

LJR tentou entrar em contato com a Guarda Nacional Bolivariana, mas não obteve resposta antes do fechamento deste artigo.

Entre fronteiras, sem lei

Em 26 de março de 2018, o jornalista Javier Ortega, o fotojornalista Paúl Rivas e o motorista de imprensa Efraín Segarra, do jornal equatoriano El Comercio, foram sequestrados entre a fronteira do Equador e da Colômbia pelo grupo dissidente da guerrilha colombiana das FARC, Frente Oliver Sinisterra.

O líder desse grupo dissidente, Walter Patricio Arizala Vernaza, vulgo “Guacho”, teria ordenado o sequestro e posterior assassinato da equipe jornalística, após as fracassadas negociações que manteve com os governos da Colômbia e do Equador para libertar os jornalistas.

Os jornalistas foram fazer uma reportagem na área de Mataje, na província de Esmeralda, que faz fronteira com a Colômbia, no norte do Equador, para investigar o ataque armado que matou três fuzileiros navais equatorianos em 20 de março de 2018.

Desde o final de 2017, e no âmbito dos acordos de paz entre o governo colombiano e as guerrilhas das FARC, a zona fronteiriça entre o Equador e a Colômbia foi afetada por ataques armados, segundo o relatório da Equipe Especial de Monitoramento (EES) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), encarregada da investigação do sequestro e assassinato de jornalistas equatorianos.

“Javier era um dos meus repórteres mais experientes”, disse à LJR Geovanny Tipanluisa, então editor de segurança e justiça do jornal El Comercio do Equador.

Geovanny-Tipanluisa-Javier-Ortega-EC

Javier Ortega (segundo de la izquierda) y Geovanny Tipanluisa (sentado a la derecha) en la redacción de El Comercio de Ecuador. (Cortesía)

Segundo Tipanluisa, Ortega vinha fazendo reportagens na área fronteiriça da província de Esmeraldas desde 2013, incluindo a cobertura da última convenção armada das FARC nas montanhas da Colômbia, em 2016.

Quando na quinta-feira, 22 de março de 2018, eles tiveram a reunião editorial para determinar quais reportagens fazer, foi decidido que Ortega iria para Mataje. "Javier deu um pulo e disse: 'Ok, estou indo para a fronteira!'", disse Tipanluisa. Antes de se despedir naquele dia, comentou o editor, Ortega lhe disse que aquela seria a melhor reportagem de sua vida.

“Levantamos histórias humanas das cidades, e como elas estavam vivenciando aquela situação de violência. Sempre nos preparamos”, disse Tipanluisa. “Uma das medidas de segurança foi, primeiro, fazer contato com as lideranças das cidades, com a igreja, com os professores, com os militares ou com a polícia, para que eles nos protejam. Então é isso que sempre, sempre aplicamos quando os meninos saíam; e estar em comunicação permanente, por ligação ou por WhatsApp”.

Por isso, em 26 de março de 2018, quando nem Ortega nem Rivas atenderam as ligações ou as mensagens, Tipanluisa e sua equipe editorial começaram a se preocupar. Tipanluisa também tinha ido naqueles dias cobrir o norte do país, perto da fronteira, na província de Sucumbíos. Ao entrar em contato com o diretor do jornal, ele lhe disse que parecia se tratar de um sequestro.

Em 13 de abril de 2018, o presidente equatoriano Lenín Moreno confirmou a morte da equipe jornalística do El Comercio. O que "Guacho" havia pedido durante as negociações com os governos do Equador e da Colômbia para libertar os jornalistas era trocá-los por três prisioneiros e encerrar o acordo binacional antidrogas.

O sentimento de insolência, eu poderia dizer, por parte dos Estados [do Equador e da Colômbia] diante da situação, era algo que nos desanimava e alimentava a ideia de que o resultado poderia ser o que finalmente foi,”, disse à LJR Jonathan Bock, diretor da Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP) da Colômbia.

Bock destacou que no nível oficial ainda não há uma investigação satisfatória sobre o sequestro e assassinato dos jornalistas. “É um caso que não avançou em termos de justiça”, disse. O relatório da Fronteira Cativa, de jornalistas colombianos e equatorianos sobre o que aconteceu na fronteira, é uma das investigações mais confiáveis ​​sobre os eventos, disse Bock.

O fato “contundente” do sequestro e assassinato dos jornalistas do El Comercio “nos confronta com a realidade de que o Equador vive uma tremenda crise de segurança” devido ao crime organizado, disse César Ricaurte, diretor da Fundamedios, à LJR

O assassinato de jornalistas tem sido motivo constante para que a Fundamedios lute para que os mecanismos de segurança e proteção dos jornalistas sejam ativados no país, disse Ricaurte, e para que se estabeleçam os parâmetros de ação da força pública. Ricaurte lamentou que atualmente não haja resposta do Estado aos constantes ataques e ameaças de funcionários, forças públicas e crime organizado contra jornalistas no Equador.

A pandemia tornou mais difícil estabelecer um diálogo com autoridades e instituições governamentais, como o Ministério da Comunicação, disse Ricaurte, ao qual a Fundamedios vem propondo treinamento para servidores públicos em questões de liberdade de expressão, que ainda não se concretizou.

Jornalistas da América Latina que relatam conflitos violentos, sejam eles envolvendo crime organizado, traficantes ou membros das forças armadas, devem estar preparados para o imprevisível, como esses casos de México, Brasil, El Salvador e Venezuela, Equador e Colômbia. No próximo capítulo desta serie, veremos dicas e conselhos de jornalistas e especialistas em segurança com experiência nessas situações.

Crédito de foto/banner: Mauro Pimentel/AFP*

 

*Este é o quinto artigo de um projeto sobre segurança de jornalistas na América Latina e no Caribe. Este projeto da LatAm Journalism Review é financiado pelo Fundo Mundial de Defesa da Mídia da UNESCO.

Leia outros artigos do projeto neste link.

UNESCO DISCLAIMER POR USE

More Articles