texas-moody

Uma em cada quatro mulheres jornalistas sofreu ataques online, de acordo com relatório da UNESCO

Setenta e três por cento das jornalistas entrevistadas sofreram assédio online em algum momento por causa de seu trabalho, de acordo com um estudo recente da UNESCO.

O estudo, publicado em inglês e conduzido pelo International Center for Journalists (ICFJ), define a violência de gênero contra mulheres jornalistas como ameaças misóginas e assédio nas redes sociais e a violação da privacidade e segurança digital que aumenta os riscos físicos relacionados à violência sexual conectados. Também inclui campanhas de desinformação coordenadas que promovem a misoginia e outras formas de discurso de ódio.

Relatório da Unesco sobre violência online contra jornalistas mulheres

Relatório global da UNESCO sobre violência online contra jornalistas mulheres.

O relatório, "The Chilling: Tendências globais na violência online contra mulheres jornalistas", foi apresentado no final de abril durante a Conferência Mundial de Liberdade de Imprensa da UNESCO de 2021. A versão completa do relatório será publicada em junho deste ano em formato de livro.

Uma equipe de 24 pesquisadores internacionais de 16 países contribuíram para o relatório. 

Entre setembro e novembro de 2020, os pesquisadores conduziram mais de 900 entrevistas com mulheres jornalistas de 125 países. A maioria das jornalistas contatados disse ter recebido ataques baseados em desinformação que buscavam desacreditá-las pessoal e profissionalmente. Especialmente na América Latina, África, Ásia e países árabes, os ataques eram narrativas falsas de orientação sexual.

Os ataques pessoais que 55 por cento das entrevistadas receberam foram 40 por cento misógino, sexista ou assédio explícito, 59 por cento de outro tipo e 1 por cento racista, de acordo com a pesquisa.

Em termos de raça, os ataques ocorrem em maior número contra jornalistas mulheres que se identificaram como indígenas (86%) e negras (81%), em comparação com 64% dos ataques recebidos por jornalistas brancas, observou o estudo.

“Não há nada virtual na violência online”, diz a introdução do relatório. A violência online “se tornou a nova linha de frente em segurança do jornalismo - e as jornalistas estão no epicentro do risco”.

O estudo também se concentra em países em desenvolvimento subestimados, concluindo que a violência de gênero contra mulheres jornalistas é um problema global que tem um impacto desproporcional em situações de risco offline. Vinte por cento das jornalistas entrevistadas disseram ter sofrido ataques físicos ou assédio offline relacionados a ataques online recebidos anteriormente. 

Dois grandes casos investigados pelo estudo foram os da jornalista filipina Maria Ressa, editora do Rappler Filipinas, e da jornalista britânica Carole Cadwalladr, repórter do The Guardian, para os quais foram analisados ​​mais de 2,5 milhões de posts no Facebook e Twitter dirigidos independentemente a ambas as jornalistas.

Além das pesquisas e dos dois extensos estudos de caso, a pesquisa inclui 15 estudos de caso detalhados, incluindo um do Brasil e um do México. Este último apenas será incluído no próximo livro.

Patricia Campos Mello

Patricia Campos Mello. (Cortesia)

O caso brasileiro é o da jornalista Patricia Campos Mello, que sofreu assédio nas redes sociais pelo presidente de extrema direita Jair Bolsonaro e seus apoiadores.

Este cerco contra Campos Mello foi baseado em suas reportagens de 2018 sobre a onda de desinformação ocorrida durante as eleições presidenciais que favoreceram Bolsonaro.

“O tipo de violência online era muito agressivo, eram mais notícias falsas. Havia milhares de memes de uma mulher nua, ou de sutiã e calcinha, com meu rosto ... milhares de memes com diferentes posições [sexuais], filmes, vídeos de mim como uma 'jornalista prostituta' e ameaças como 'você deveria ser estuprada'”, disse Campos Mello, segundo o relatório.

Campos Mello processou Bolsonaro, seu filho e alguns parlamentares que participaram dos ataques online, por danos morais. Ela ganhou o caso no início de 2021.

Campos Mello ganhou o Prêmio Maria Moors Cabot de Jornalismo em 2020.

No Brasil e nos Estados Unidos, os ataques também ocorrem na forma de embarques de produtos ofensivos, como brinquedos sexuais etc., para as casas dos jornalistas, segundo o estudo.

“Não deveria haver espaço para misoginia e violência no jornalismo. As plataformas de mídia social e os governos devem proteger as jornalistas mulheres da violência online”, disse António Guterres, secretário-geral da ONU.

Reportagens sobre desinformação se tornaram um potencial gatilho de assédio e abuso contra jornalistas mulheres, de acordo com 16 por cento dos entrevistados. Uma tendência alarmante é o assédio online de mulheres jornalistas por atores políticos de alto escalão, segundo 37 por cento dos jornalistas consultados, como no caso de Campos Mello, do Brasil.

O estudo identificou três aspectos prevalentes de desinformação sobre violência de gênero para atacar jornalistas mulheres: a desinformação é publicada em diferentes plataformas online; reportagens sobre desinformação, conspirações digitais e extremismos de extrema direita são gatilhos para ataques intensificados; aqueles que espalham desinformação usam ameaças e ameaças misóginas para minar a confiança do público no jornalismo crítico e nos fatos em geral.

Os ataques online também foram intensificados pela cobertura de questões de gênero - como a legalização do aborto - afetando 49 por cento das jornalistas do estudo, seguidos por assuntos políticos e eleitorais, que afetaram 44 por cento, e os de políticas sociais e direitos humanos , que afetou 31 por cento dos entrevistados.

Trinta por cento das jornalistas mulheres que participaram do estudo disseram que se autocensuraram nas redes sociais e 20% decidiram interromper totalmente suas interações online. A autocensura em geral, segundo o estudo, foi a resposta de muitos das jornalistas pesquisadas.

Entre as descobertas do estudo está o efeito paralisante da violência online contra jornalistas mulheres em suas carreiras e em nível pessoal. Este tipo de violência de vários atores, muitas vezes organizada, visa diminuir, humilhar e envergonhar, desacreditando-as como jornalistas e retirando-os do debate público, para que tenham medo e se autocensurem.

Os ataques a mulheres jornalistas estão se tornando cada vez mais sofisticados e tecnológicos, além de serem organizados e promovidos por atores políticos, concluiu o estudo. Há um clima de impunidade em torno dos ataques online contra mulheres que estão minando o jornalismo e a liberdade de expressão, de acordo com a investigação.

As organizações de notícias devem responder, mas não podem resolver o problema ... que é tecnológico e político”, disse Julie Posetti durante a apresentação da história. Posetti é diretora de pesquisa global do ICFJ e um dos principais autores do relatório.

Além dos meios de comunicação, o relatório observou que os atores políticos e perpetradores desses ataques, as plataformas de mídia social que permitem que eles ocorram e as instituições de aplicação da lei devem assumir sua responsabilidade nesta situação.

Mais artigos