texas-moody

Alunos do MOOC 'Introdução à Programação' criam seus próprios programas e recebem bolsa para workshop exclusivo no Google

Scripts que compilam dados de bens de candidatos políticos, enviam e-mails alertando sobre horários de jogos de futebol feminino ou minimizam os riscos de roubo de senhas e outras informações sensíveis. Robôs que tuítam os votos dos senadores em proposições legislativas ou que acompanham projetos de lei sobre direitos das mulheres na Câmara. Estes foram alguns dos projetos finais desenvolvidos por jornalistas que passaram a programar depois do MOOC "Introdução à programação: Python para jornalistas", oferecido pelo Centro Knight com o apoio do Google News Lab.

Quinze participantes tiveram seus trabalhos selecionados para um workshop presencial na sede do Google em São Paulo, que acontecerá no dia 19 de fevereiro. Eles aplicaram o aprendizado obtido no curso para criar seus próprios programas e automatizar tarefas das suas rotinas jornalísticas.

Durante quatro semanas, mais de 3 mil alunos viram os conceitos básicos de programação usando Python, uma das mais populares e acessíveis linguagens disponíveis hoje. Diferente de outros cursos de programação, o MOOC apresentou exemplos e estratégias direcionadas às necessidades e dificuldades mais comuns entre jornalistas. O curso foi ministrado pelo programador Álvaro Justen, gerente de projetos da Escola de Dados, e o jornalista Pedro Burgos, Knight International Fellow do ICFJ e líder do projeto Impacto.Jor.

Além do workshop exclusivo e da visita ao Google, os selecionados que não residem em São Paulo vão receber uma bolsa viagem, incluindo passagens aéreas e ajuda de custo. O concurso previa a seleção dos 10 melhores projetos, mas a equipe do Knight Center e do Google News Lab decidiu premiar os esforços de mais cinco concorrentes.

"O mais interessante para mim foi a diversidade. As pessoas que fizeram o curso foram capazes de pensar em maneiras inovadoras de criar programas como 'assistentes editoriais'. Desde automatizar tarefas maçantes como o clipping, a extrair dados de páginas governamentais e acompanhar a movimentação nas redes sociais. Teve de tudo um pouco. Ficamos bem impressionados e satisfeitos", afirmou Pedro Burgos.

O instrutor Álvaro Justen, programador experiente e figura conhecida na comunidade Python, ficou impressionado com a qualidade técnica de alguns projetos finais. "Foi uma grata surpresa ver tanta gente interagindo e vendo como a programação pode facilitar a vida dos jornalistas. E também me surpreendeu a quantidade de participantes que foram além do conteúdo passado no curso para implementar seus projetos finais", contou.

Seguindo as lições oferecidas pelos instrutores, Cristian Fávaro, repórter da Agência Estado, desenvolveu um programa para automatizar a publicação de informações de um relatório do Departamento de Agricultura dos EUA sobre oferta e demanda de commodities agrícolas.

"Agilidade e precisão na divulgação dos dados são fundamentais para os leitores de serviço em tempo real, que precisam disso para operar no mercado financeiro", explicou o jornalista, um dos selecionados no concurso do MOOC.

Segundo ele, o curso mostrou as potenciais aplicações da programação na sua rotina de trabalho. "Estudo programação há pouco mais de um ano. Já fiz diversos cursos online, mas nenhum deles tinha um foco em jornalismo tão legal quanto esse. Os exercícios foram ótimos e totalmente conectados com a realidade de uma redação ", afirmou.

Para Bárbara Libório, que trabalho no Canal Meio e no Aos Fatos, o curso foi a oportunidade que faltava para ela perder o medo e desenvolver habilidades de programadora. "Programação sempre me pareceu um bicho de sete cabeças. Era também uma frustração, porque para ir atrás de algumas pautas, dependia desse conhecimento", afirmou a jornalista, também selecionada no concurso.

"Percebi que posso fazer muito mais do que eu imaginava com programação e quero me dedicar a aprender novas linguagens e ferramentas nos próximos anos, para ser uma jornalista e uma cidadã mais completa."

Criatividade, habilidade técnica e valor jornalístico foram métricas utilizadas para julgar os trabalhos vencedores. Confira abaixo a lista dos alunos contemplados e clique em seus nomes para ver os projetos escolhidos:

Todos os projetos vencedores serão apresentados no Google São Paulo e receberão o feedback direto dos instrutores do MOOC. O concurso foi organizado para estimular os estudantes do curso massivo a aplicarem o aprendizado obtido em projetos com interesse jornalístico.

“Estamos muito orgulhosos deste projeto e gratos ao Google News Lab pela parceria e por organizar o workshop e a visita à sede do Google em São Paulo,” disse o professor Rosental Calmon Alves, fundador e diretor do Centro Knight. “Estou certo de que os instrutores Álvaro Justen e Pedro Burgos mudaram a vida e a carreira de muitos jornalistas brasileiros que aprenderam neste curso online gratuito os princípios básicos da programação”.

O Centro Knight para o Jornalismo nas Américas foi criado em 2002 pelo professor Rosental Calmon Alves, titular da Cátedra Knight de Jornalismo na Escola de Jornalismo da Universidade do Texas, em Austin. O Centro tem recebido contribuições da Fundação John S. & James L. Knight e de outros doadores como a Open Society Foundations.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

More Articles