texas-moody

Desde 2000, 68 jornalistas foram assassinados e 13 estão desaparecidos no México, segundo levantamento

Desde 2000, 68 jornalistas foram assassinados e outros 13 estão desaparecidos no México, país assolado pela violência ligada ao narcotráfico, informou a Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH).

Segundo a CNDH, no mesmo período, foram registrados 21 ataques a instalações de veículos de comunicação. Além disso, desde 2005, foram recebidas 473 queixas de ofensa a repórteres e ativistas de direitos humanos.

A CNDH pediu às autoridades que atuem “com eficiência na defesa e proteção de quem exerce as liberdades de imprensa e expressão" e esclareça de uma vez por todas os casos de ataque à imprensa, segundo o La Jornada.

A maioria das mortes de jornalistas ocorreu no estado de Michoacán, região central do país e berço do violento cartel de drogas La Familia, e nos estados ao Norte do México, na fronteira com os Estados Unidos, explicou o fiscal para a Atenção a Delitos Cometidos contra a Liberdade de Expressão, Gustavo Salas Chávez, citado pela agência Quadratín. De acordo com ele, a maior parte desse crimes está relacionada ao narcotráfico.

Para Salas, porém, um dos principais obstáculos na investigação de crimes contra jornalistas é a falta de colaboração e transparência não só das autoridades estaduais, como das próprias famílias das vítimas, desconfiadas do poder público.

Um relatório recente da Freedom House listou o México entre os países sem imprensa livre, por conta da violência e da intimidação de grupos de criminosos.


Other Related Headlines:
» Centro Knight (Crime organizado é o principal inimigo da imprensa, diz relatório da Repórteres Sem Fronteiras)
» Centro Knight (Traficantes não são únicos responsáveis pela crescente violência contra jornalistas no México, diz relatório)
» Centro Knight (Veículos de imprensa se unem para proteger os jornalistas e enfrentar o narcotráfico no México)

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

More Articles