texas-moody

Duas mulheres jornalistas são mortas a tiros em Veracruz; três jornalistas são assassinados em menos de uma semana no México

Em menos de uma semana, três jornalistas foram assassinados no México, duas delas mulheres, em uma série de violência contra a imprensa que se intensificou no início de 2022 e que não teve trégua.

Yesenia Mollinedo Falconi, 45, diretora do portal de notícias El Veraz, e Sheila Johana García Olvera, cinegrafista de 30 anos do mesmo veículo, foram mortas a tiros na tarde de segunda-feira, 9 de maio, no município de Cosoleacaque , ao sul do estado de Veracruz.

Portrait of Mexican Journalist Yesenia Mollinedo.

Desde 2020, Yesenia Mollinedo vinha recebendo ameaças, supostamente como resultado de sua cobertura de questões policiais. (Foto: Facebook de Yesenia Mollinedo)

As comunicadoras foram atacadas enquanto estavam em um carro do lado de fora de uma loja de conveniência, segundo o jornal El Universal. Homens armados numa motocicleta realizaram o ataque, segundo o repórter Carlos Alberto Santos, que noticiou o assassinato do local via Facebook Live.

Mollinedo foi transferida viva para o Hospital Geral da cidade vizinha de Minatitlán, onde acabou morrendo.

“Este crime fere terrivelmente minha família, sociedade, mulheres, com alguns feminicídios, desta vez contra repórteres do México”, disse o irmão de uma das vítimas, também jornalista, Ramiro Mollinedo, durante mensagem aos meios de comunicação veiculada meio digital que dirige, Ahora 3030.

Após os fatos, a Secretaria de Segurança Pública de Veracruz informou que havia sido montada uma operação para encontrar os responsáveis ​​pelo assassinato. Por sua vez, a Procuradora Geral do Estado, Verónica Hernández Giadáns, anunciou através do Twitter que foi aberta uma investigação na qual a atividade jornalística de Mollinedo e García seria considerada como um possível motivo do crime.

O irmão de Mollinedo duvidava que tal operação tivesse sido montada para encontrar os responsáveis ​​pelos assassinatos das jornalistas. Além disso, disse que nenhuma autoridade procurou sua família, exceto representantes da Subsecretaria de Direitos Humanos do Ministério Federal do Interior, responsável pelo Mecanismo de Proteção a Jornalistas e Defensores de Direitos Humanos do país.

O duplo homicídio ocorreu apenas quatro dias após a descoberta do corpo do jornalista Luis Enrique Ramírez Ramos, fundador do portal Fuentes Fidedignas e colunista do jornal Debate. Ramírez, de 59 anos , foi encontrado morto em 5 de maio de 2022 ao sul de Culiacán, no estado de Sinaloa.

Em 2012, Ramírez se refugiou na Cidade do México depois de uma série de assassinatos de comunicadores em Sinaloa, sua terra natal. Dias antes de sua morte, o jornalista havia sido sequestrado por homens armados, segundo as primeiras investigações.

A Unesco condenou o assassinato do jornalista de Sinaloa e instou as autoridades Mexicanas a garantir condições de segurança para o exercício da liberdade de imprensa no México.

“O assassinato de Ramírez nos lembra mais uma vez o alto preço que os jornalistas estão pagando no exercício de seu papel de vigilantes da sociedade. Por isso, é essencial para a sociedade como um todo que os autores deste crime sejam levados à justiça e que sejam tomadas medidas para reforçar os mecanismos de proteção que garantem aos jornalistas um ambiente de trabalho seguro”, disse Audrey Azoulay, diretora da Unesco, em comunicado publicado em 9 de maio.

Front page of El Sol de Sinaloa newspaper with the news of the killing of journalist Luis Enrique Ramírez.

Dias antes de sua morte, o jornalista Luis Enrique Ramírez havia sido sequestrado em Sinaloa, sua terra natal. (Foto: El Sol de Sinaloa)

Com os assassinatos de Mollinedo, García e Ramírez, já são 11 jornalistas privados de vida até agora em 2022 no México. Além dos comunicadores de Veracruz, outra jornalista foi assassinada este ano: Lourdes Maldonado, que morreu em janeiro em Tijuana, Baja California, após receber uma série de tiros do lado de fora de sua casa.

Em Veracruz, desde o início do governo do governador Cuitláhuac García, houve sete assassinatos de jornalistas, segundo informações da imprensa. Em janeiro deste ano, José Luis Gamboa, jornalista e editor da mídia digital nativa InfoRegio e La Noticia, foi morto a facadas.

O fato coloca Veracruz como um dos lugares mais perigosos para o exercício do jornalismo no México. O estado ocupa o segundo lugar no número de inquéritos por crimes contra jornalistas, atrás apenas da Cidade do México, segundo relatório da Procuradoria Especial de Atenção a Crimes Cometidos contra a Liberdade de Expressão (FEADLE).

Entre 2010 e 2021, 1.167 ataques contra mulheres jornalistas foram registrados no México, segundo a organização Artigo 19. Desse número, pelo menos 397 ataques vieram de funcionários públicos, 87 de partidos políticos, 78 de forças de segurança e 57 de organizações crime, segundo o relatório “Asedio, Amenaza y Ataque. La Condición de Vulnerabilidad de Periodistas en México”, publicado pela organização Signa_Lab em 9 de maio de 2022.

O documento indica que foram encontrados padrões que parecem indicar que as questões que as jornalistas cobrem são um fator relacionado à propensão a transformá-las em jornalistas vítimas de agressão.

“Do total de episódios reportados, 428 casos correspondem a jornalistas que cobriram corrupção e política, 167 trataram de questões de direitos humanos, 134 trabalharam em protestos e/ou movimentos sociais, 94 relacionados com segurança e justiça, 22 com cobertura de terra e território, ", afirmou o relatório.

Quase dois anos de reportagens entre ameaças

Desde 2020, Yesenia Mollinedo vinha recebendo ameaças, supostamente em decorrência de sua cobertura de questões policiais na zona sul de Veracruz, segundo seu irmão.

“Yesenia, como as mulheres jornalistas, repórteres e cinegrafistas que se dedicam a esta grande profissão [...] trabalhava apesar das múltiplas ameaças a que foi submetida durante um ano e meio e que se intensificaram após o 30 de abril”, disse Mollinedo. “Aqui estão agravando a mídia jornalística, aqui mataram uma mulher, mas sobretudo mataram uma mulher que sempre ousou dizer a verdade e que com as constantes ameaças que lhe faziam pelas publicações contra a polícia estadual, a polícia contra os criminosos, eles a forçaram a despublicar [as informações] com ameaças, até que finalmente conseguiram a tarefa de matar Yesenia e Johana ontem.”

Yesenia, a caçula de uma família de nove filhos e mãe de uma filha menor, trabalhou por 13 anos com o irmão no Ahora 3030 até se tornar independente em 2017 e fundou o portal de notícias El Veraz, que nos últimos anos só funcionou através Facebook.

A jornalista e sua equipe cobriram questões políticas e locais, especialmente questões relacionadas à insegurança no município de Cosoleacaque e territórios vizinhos, numa região considerada perigosa devido à presença de cartéis de drogas e sua proximidade com a região petrolífera do litoral do Golfo do México.

Mexican journalist Ramiro Mollinedo

O jornalista Ramiro Mollinedo, irmão de uma das vítimas, exigiu justiça em nome de sua irmã e dos jornalistas assassinados em Veracruz. (Foto: captura de tela do Facebook Live)

Johanna Garcia deixa três filhos, de 6, 11 e 15 anos, respectivamente.

Na segunda-feira, 9 de maio, quando foi anunciado o assassinato das duas jornalistas de Veracruz, na Cidade do México, associações de jornalistas como o Encontro Nacional de Jornalistas, a Fraternidade de Repórteres de México e os Periodistas Unidos manifestaram em repúdio ao assassinato alguns dias antes de seu colega Luis Enrique Ramírez.

Com slogans como "A verdade não se mata matando jornalistas" e "Nem silêncio nem esquecimento", os comunicadores pediram justiça pela morte dos 11 jornalistas assassinados no México este ano e pelos quase 60 privados de vida desde que López Obrador assumiu a Presidência, em 2018.

"Uma mulher, mãe de família, companheira, irmã, perdeu a vida", disse Rogelio Mollinedo. “Minha declaração como jornalista, como irmão, como líder do grupo de jornalistas de Cosoleacaque, digo ao Governador que não deve ser palavras, que não deve ser o verbo de sempre, que não deve ser o compromisso que nunca se cumpre [...] Que o crime de Yesenia e Johana não fique impune, que os crimes contra os jornalistas assassinados nesta administração em Veracruz não fiquem impunes.”

More Articles