texas-moody

Ex-bolsistas Nieman expressam apoio a fundador de jornal boliviano que precisou deixar publicação após pressão do governo

  • Por Guest
  • 24 outubro, 2013

Por Alejandro Martínez

Para salvar seu jornal diário, Raúl Peñaranda, jornalista boliviano, teve que desistir do mesmo.

Como uma das poucas vozes críticas do atual cenário da mídia da Bolívia, a cobertura da corrupção pública feita pela revista investigativa fundada há três anos por Peñaranda, Página Siete, levou a várias advertências diretas e indiretas e foi alvo da fúria do governo.

No final de 2012, as tensões entre o jornal e o governo do presidente Evo Morales aumentaram dramaticamente e, em agosto deste ano, atingiram o seu ponto crítico: um erro infeliz pela publicação culminou com a saída de Peñaranda, que se demitiu para proteger a reputação do Página Siete.

Esta semana, um grupo de 14 alunos latino-americanos da Fundação Nieman da Universidade de Harvard escreveu uma carta de apoio para se juntar a outros colegas e indíviduos que expressaram sua solidariedade com Peñaranda, o primeiro jornalista boliviano que ganhou um prestigioso prêmio. Entre os signatários estão Mónica Almeida do Equador, Alfredo Corchado, correspondente do jornal americano The Dallas Morning News no México, e o fundador do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, Rosental Calmon Alves.

"Nós que assinamos esta carta expressamos a nossa solidariedade e exigemos que o governo boliviano cesse sua pressão contra Raul Peñaranda e Página Sete", disseram eles.

O governo contra o Página Siete

A publicação diária Página Siete foi fundada em 2010 e desde então tem sido um problema para as autoridades.

Nos últimos anos, o governo Morales tem procurado consolidar um suporte de mídia de rede através de compras de mídia e pressão contra as publicações críticas. No entanto, existem algumas dificuldades em coagir o Página Siete na medida em que a publicação nunca confiou na publicidade do governo. Mesmo Peñaranda disse, há uma ordem do governo que proíbe a publicidade dentro de concessão do Página Siete.

As tensões começaram a piorar em agosto do ano passado, com a publicação de uma nota da ANF na Página Siete, relativamente a declarações feitas por Morales sobre segurança alimentar na cidade de Tiahuanacao, e na qual se referiu aos moradores do leste do país como "preguiçosos".

O comentário provocou críticas do governo, que por sua vez se recusou e iniciou processo penal contra a Página Siete, ANF e outros meios, por supostamente incitar o racismo.

Em seguida, desde o ano passado, vários funcionários e até Morales usaram a sensível questão da demanda internacional da Bolívia contra o Chile, relativa ao acesso ao oceano, para desacreditar o jornal. É uma questão que une os bolivianos - a grande maioria acredita que o país deve ter acesso ao mar - e que o governo tem tentado incessantemente tratar o Página Siete como um inimigo nesta demanda.

O vice-presidente Álvaro Garcia Linera, disse em outubro de 2012, por exemplo, a cunhada do sócio maioritário do diário, Raúl Garáfulic, é uma deputada chilena acusando o jornal de defender os interesses pró-chilenos.

García Linera também atacou Peñaranda diretamente. Em outubro do ano passado, o vice-presidente mostrou numa conferência de imprensa a foto de Peñaranda, ressaltando que sua mãe nasceu no Chile e acusando-o de "falta de patriotismo" e de ser "direitista".

Em uma entrevista ao Centro Knight, Peñaranda disse que ao contrário do que o governo diz, a publicação é consistente com os objectivos da demanda.

"Temos o direito de ser contra o governo, mas realmente é totalmente injusto, porque a nossa posição sobre o Chile é aquele que corresponde 99% dos bolivianos, que é o acesso da Bolívia ao mar", disse ele. "Eles usam essa má coincidência da deputada e mãe para desacreditar e criar xenofobia".

Novas alegações de vários ministros e funcionários surgiram dia após dia. Em um discurso no início de agosto, Morales referiu que a "mídia chilena" tem afetado a demanda por acesso ao mar. Alguns ministros atacaram repetidamente o jornal, acusando-o de "Pinochet" e até mesmo ameaçando abrir um processo contra Página Siete por "traição".

Foi nesse estado na defensiva, num dos seus piores momentos, que o jornal cometeu um erro.

Em agosto deste ano, em uma reportagem de capa, a publicação relatou que a Igreja Católica tinha excomungado quatro ministros que apoiaram a descriminalização do aborto no país. No entanto, a igreja negou o relatório. O Página Siete publicou um arquivo de áudio em que o Secretário-Geral da Conferência Episcopal Boliviana, Dom José Fuentes, disse que os ministros estão a "cometer um pecado diante de Deus, porque eles se tornarem mestres da vida quando o único proprietário da vida é Deus, que o pecado é chamado de excomunhão, e, portanto, eu não posso comer o corpo de Cristo".

A Igreja, em seguida, observou que a declaração não significa que os ministros tinham sido automaticamente excomungados.

"O erro que me causou muita tristeza, apenas no momento em que estávamos a bater com tanta força com o governo. Ter errado de forma tola, enfraqueceram por não haver melhor controle", disse Penaranda. "Mas era minha responsabilidade que não existissem erros".

O diário Página Siete pediu desculpas publicamente, mas, após o erro, o governo acusou a publicação de tentar prejudicar o presidente Morales perante o público e de sabotar a viagem do presidente ao Vaticano em setembro. De acordo com Nieman Fellows, página de internet de Peñaranda e do Página Siete foram desativadas após ataques cibernéticos.

Peñaranda estima que, no contexto dos constantes ataques do governo, para salvar a reputação do jornal teria que tomar medidas mais drásticas: o jornalista assumiu a responsabilidade pelo erro e renunciou. O jornal está agora sob o comando de um novo diretor, Juan Carlos Salazar, e Peñaranda diz que a Página Siete manteve sua editoria.

Depois do Página Siete

A renúncia de Peñaranda ajudou mitigar os danos. O governo não fez referências públicas à publicação desde o seu lançamento, disse Peñaranda.

"Eu tenho esperança de que isso vai custar ao governo iniciar uma nova campanha contra o jornal. Espero que, nestas circunstâncias, nós damos-lhe pelo menos um ano, um ano e meio de paz" , acrescentou.

Não foi uma decisão fácil deixar o jornal que ele fundou, mas Peñaranda tem agora um novo plano e está atualmente à procura de financiamento para começar um instituto para formar uma nova geração de jornalistas na Bolívia.

No final Penaranda lamenta que, se o clima político do país fosse diferente, um pedido de desculpas aos leitores pelo erro da publicação teria sido suficiente e não teria sido necessário deixar o Página Siete.

"Se não tivesse havido tanta hostilidade talvez eu não tivesse desistido, talvez no dia seguinte teríamos pediu desculpas pelo erro e oferecido um espaço para a Igreja explicar o estado da questão", disse o jornalista. "Mas eu assumi a responsabilidade de impedir que o governo continue usando esse tema e, em parte, na verdade serviu."

21/10/2013 Correção: Uma versão anterior deste artigo erroneamente sugeriu que as agressões de funcionários bolivianos contra o Página Siete continuou após a saída de Peñaranda. O jornalista disse que o governo não fez nenhuma nova referência pública contra a publicação desde a sua demissão. O erro foi corrigido.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos