texas-moody

Ex-prefeito é preso por suposta autoria intelectual de agressão a jornalista no México

O ex-prefeito de Silao (estado de Guanajuato, México), Enrique Benjamín Solís Arzola, foi detido na sexta-feira, 11 de março por sua suposta participação no ataque à jornalista Karla Silva, do jornal  El Heraldo de León, em 2014. Depois de uma longa audiência, o juiz local determinou a prisão preventiva de Solís por dois meses, período no qual deve concluir a investigação contra ele.

In a possible first in Mexican justice, ex-mayor of Silao under arrest for the 2014 assault on reporter Karla Silva https://t.co/ADvdfr1bNp

— Jason McGahan (@JasonMcGahan) March 13, 2016

O ex-prefeito é acusado de ser o suposto autor intelectual do espancamento sofrido pela jornalista há dois anos. Segundo a revista mexicana Proceso, o objetivo da agressão teria sido conseguir fazer com que Silva baixasse o teor de suas reiteradas críticas à gestão municipal de Solís e à polícia local.

A jovem repórter Karla Janeth Silva Guerrero foi violentamente golpeada na cabeça e no corpo por três homens que invadiram a redação do jornal El Heraldo de León, na cidade de Silao, em setembro de 2014. Durante a agressão a Silva e a sua colega Adriana Palacios, que foi ameaçada com um objeto pontiagudo, os agressores exigiram expressamente que “baixassem” o tom nas matérias informativas, publicou o portal noticioso AM.

Proceso também informou que Silva comemorou a decisão da Procuradoria Geral do Estado de Guanajato de deter o ex-prefeito e indicou que constitui um fato histórico na luta contra as afrontas à liberdade de expressão e contra o trabalho jornalístico no México.

“Estou lutando por todos (…) por nós como jornalistas, para que nos assegurem o direito a trabalhar e um espaço livre da violência que coloca em risco nossa vida e o exercício de nosso trabalho”, disse Silva ao periódico Correo.

Mais de 30 jornalistas e organizações civis celebraram por um comunicado a disposição de punir a agressão à repórter, e pediram às autoridades para levar adiante o processo seguindo os mais altos padrões em matéria de direitos humanos. Segundo o portal da revista Proceso, eles também manifestaram que “o fato de um ex-prefeito apontado como autor intelectual de ataques contra jornalistas estar diante de um juiz representa um avanço significativo e inédito na administração da justiça no México, o país mais perigoso para exercer o jornalismo”.

Em 2015, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas colocou o México no oitavo lugar de seu Índice Global de Impunidade, que lista os países onde um número considerável de assassinatos de jornalistas ficam impunes. Apesar do país ter estabelecido em 2012 um mecanismo especial de proteção para jornalistas, críticos vem apontando a ineficácia deste instrumento.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos