texas-moody

Governador de Veracruz renuncia cargo para enfrentar acusações de corrupção; 17 jornalistas morreram durante sua administração

  • Por Guest
  • 15 outubro, 2016

Por Silvia Higuera e Teresa Mioli

Javier Duarte de Ochoa, governador de Veracruz, México, que tem sido alvo de críticas generalizadas devido aos altos níveis de violência contra jornalistas no seu estado, renunciou a sua posição por enfrentar acusações de corrupção não relacionadas com o seu cargo.

No dia 8 de outubro, Ochoa anunciou em entrevista com a Televisa que iria pedir ao Congresso de Veracruz uma licença com o objetivo de enfrentar as acusações de enriquecimento ilícito e peculato. No entanto, isso foi feito quando faltavam apenas 48 dias para terminar o seu mandato, de acordo com El Universal. Javier Duarte de Ochoa negou qualquer irregularidade.

Desde que Duarte assumiu o cargo em dezembro de 2010, 17 jornalistas foram mortos e mais de cinco desapareceram em Veracruz, de acordo com a organização defensora de liberdade de expressão Artigo 19. Além disso, a sua atitude para com a imprensa tem sido submetida a escrutínio.

Como observado anteriormente pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), no passado, a sua administração "tem procurado afastar qualquer ligação possível entre assassinatos de jornalistas e o seu cargo." Duarte também acusou repórteres de ter ligações com organizações criminosas, acrescentou a CPJ.

Este registro chamou a atenção de defensores de liberdade de expressão tanto no México e no estrangeiro. Por exemplo, em fevereiro de 2016, Carlos Lauría, coordenador senior do programa das Americas da CPJ, escreveu uma coluna para Univision argumentando que Duarte deveria renunciar.

Embora Lauría tivesse dito que Duarte não podia ser considerado o único responsável pela violência no estado, ele acrescentou que "o governador é responsável pela incapacidade de alcançar a justiça em qualquer um destes casos e pelo ambiente terrível em que os jornalistas têm de trabalhar".

Na sequência do assassinato de Pedro Tamayo Rosas a 20 de julho de 2016, a diretora do Artigo 19 no México, Ana Ruelas chamou Veracruz de Estado falhado, de acordo com Sin Embargo. Tamayo Rosas estava sob a proteção do Estado, no momento da sua morte.

Ana Ruelas apontou como um dos principais problemas das autoridades estaduais a rejeição do trabalho jornalístico das vítimas na investigação dos assassinatos, ​acrescentou​ a publicação.

Tamayo Rosas é um dos três jornalistas de Veracruz mortos este ano.

O corpo de Ana Flores Salazar foi encontrado em Puebla um dia depois de ter sido sequestrada de sua casa em Veracruz em 8 de fevereiro. Imediatamente após seu sequestro, o procurador de Veracruz acusou Flores Salazar de ser um suposto membro de uma organização criminosa. No entanto, o procurador do Estado, desde então, disse que Flores Salazar foi morta "por causa de publicações que afetaram os interesses de um grupo criminoso."

Manuel Torres González, editor-chefe do site de notícioso Noticias MT, foi morto em 14 de maio ao sair dos escritórios estatais em Poza Rica, Veracruz. Após a sua morte, o site de notícias Animal Político salientou que uma declaração do Gabinete do Procurador-Geral de Veracruz não identificou Torres​ González como jornalista.

Estas mortes são apenas as mortes mais recente de uma longa lista de assassinatos de jornalistas em Veracruz desde Duarte assumiu o cargo.

Um dos casos mais conhecidos foi ocorreu a 31 de julho de 2015, o assassinato do repórter fotográfico que trabalhava em Veracruz, Rubén Espinosa na Cidade do México. Ele foi morto junto com a ativista Nadia Vera e outras três mulheres. Espinosa tinha fugido da capital por temer pela sua vida.

Além de seu trabalho que abrange questões sensíveis, como protestos, Espinosa chamou a atenção sobre a violência contra os jornalistas em Veracruz e por todo o México. No momento da sua morte, muitos apontaram uma foto que ele tinha tomado do governador que foi capa da revista Proceso na edição que contém um relatório sobre os assassinatos de jornalistas em Veracruz e a suposta cumplicidade de funcionários públicos por não resolver os casos, de acordo com o Sin Embargo.

Em agosto deste ano, o jornalista Noé Zavaleta, que é correspondente do Proceso em Veracruz, deixou o estado devido a ameaças após o lançamento de seu livro "O Inferno de Javier Duarte: Crônicas de um governo fatídico". O livro menciona assassinatos de alto perfil de jornalistas em Veracruz durante o mandato de Duarte e relata irregularidades no tratamento de alguns casos.

O Gabinete do Procurador Geral da República (PGR por sua sigla em espanhol), a Administração de Imposto sobre Serviços (SAT) e o Escritório Superior de Auditoria do México estão investigando Duarte pelo desaparecimento de 35 bilhões de pesos mexicanos (cerca de $1,8 bilhões dólares americanos), segundo o jornal El Universal. O PGR está investigando Duarte também por suspeitas de enriquecimento ilícito, peculato e violação dos seus deveres, informou a Associated Press.​

Duarte foi suspenso do Partido Revolucionário Institucional (PRI na sigla em espanhol) em setembro passado.

O ex-governador é também acusado de ter conexão com crime organizado. Miguel Ángel Yunes, governador eleito do estado de Veracruz e membro do Partido de Ação Nacional, fez esta acusação e prometeu recentemente para ajudar em investigações contra Duarte.

De acordo com o New York Times em espanhol, o estado de Veracruz tem a maior taxa de homicídios e a terceira maior dívida do país.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog de jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos