texas-moody

Infobae se junta a outros meios da América Latina ao criar a posição de editor de gênero na sua redação

Um novo papel está surgindo nas redações da América Latina e de outras regiões ao passo que movimentos de mulheres como #NiUnaMenos e #MeToo se espalham pelo mundo.

Gisele Sousa, editora de gênero no Infobae. (Cortesía)

O site independente Infobae, da Argentina, é o mais recente a se juntar à tendência de nomear uma editora "para garantir uma perspectiva de gênero em todas as áreas do veículo," como explicou a organização.

Gisele Sousa, a nova editora de gênero do Infobae, concordou que isso não estaria acontecendo sem os diferentes movimentos feministas que ocorrem no mundo.

“A mesma coisa aconteceu em outras redações, é como a força do movimento de mulheres e os diferentes feminismos - porque não há apenas um feminismo, no feminismo existem diferentes vertentes - o poder que ele teve na Argentina e no mundo, mudou por #NiUnaMenos, por #MeToo, e por diferentes movimentos que visam tornar visíveis questões que estavam escondidas e que são baseadas nessas desigualdades e que afetam as mulheres em diferentes momentos de suas vidas ”, disse Sousa ao Centro Knight.

Sousa também considera a crítica manifestada pela audiência nas redes sociais sobre questões de gênero como uma força externa que impulsiona este novo foco nas redações.

A tendência de se adotar um editor de gênero começou com o The New York Times, que nomeou o seu editor em outubro de 2017. O jornal espanhol El País fez o mesmo em maio de 2018.

Na América Latina, a jornalista brasileira Paula Cesarino Costa assumiu a função de editora de diversidade, que inclui gênero, no jornal Folha de S. Paulo em maio de 2019.

E, mais recentemente, o jornal argentino Clarín nomeou a jornalista Mariana Iglesias como editora de gênero em junho de 2019.

Sobre suas expectativas como editora de gênero no Infobae, Sousa comentou que enfrentará o desafio de incluir a perspectiva de gênero em todas as editorias. “Esse é o maior desafio porque, como vemos, na Argentina, pelo menos, já temos alguma responsabilidade de lidar com as diferentes formas de violência que afetam as mulheres, e esse foi o primeiro passo que foi dado ao longo do tempo”, disse ela.

Acima de tudo, disse Sousa, trata-se de tornar as mulheres mais visíveis na cobertura, para que também sejam citadas como especialistas e sejam referências em artigos jornalísticos.

"Usar mulheres como fontes de questões que eram tradicionalmente dirigidas aos homens, não chamá-las apenas para questões delicadas, enquanto os homens discutem a economia e a política do país. Há homens e mulheres especialistas em todas as áreas", disse Sousa.

E isso, por exemplo, “nos esportes, quando falamos de mulheres, elas não são apenas companheiras dos jogadores, mas são atletas mulheres. Eu acho que às vezes é o mais difícil, eu acredito que muitas pessoas fazem isso às vezes sem perceber, e colocar essa lente perspectiva de gênero está dizendo: você faria a mesma pergunta a um homem? ”

Treinamento em perspectiva de gênero no Infobae com Mariana Carbajal. (Cortesia)

Além de incorporar uma editora de gênero na redação, Infobae trouxe a jornalista Mariana Carbajal por sugestão de Sousa para treinar toda a equipe, tanto jornalística quanto administrativa, sobre como produzir jornalismo com perspectiva de gênero.

“Mariana Carbajal trabalha nessa questão há mil anos e, como é jornalista que fala a nossa língua, eu pensei que estava dando esse poder a outra mulher que estava em condições de fazê-lo”, enfatizou Sousa.

O treinamento, que será cíclico e atenderá às necessidades das diferentes editorias da redação e de outras áreas do meio, durará vários meses e também será feita remotamente com redação do Infobae, no México.

O Infobae disse que também pretende “promover uma mudança cultural para quebrar o que é conhecido como 'teto de vidro'” e destacou que as mulheres “dirigem áreas vitais” da organização de notícias.

"A verdade é que acho que o desafio é maior agora", disse Sousa. "É incluir a perspectiva de gênero em todas as editorias e tentar promover igualdade e equidade, basicamente, entre homens e mulheres e as diferentes formas de ser. uma mulher, não só a mulher biológica, mas as meninas, adolescentes, mulheres trans. Impulsionando essa igualdade de oportunidades, cada uma em sua área".

Mais artigos