texas-moody

Jornal de Ciudad Juárez, no México, denuncia retirada de publicidade oficial da Secretaria de Segurança Pública

O jornal mexicano Diario de Juárez denunciou que tem sido excluído da contratação de publicidade oficial da Secretaria de Segurança Pública federal desde o dia 20 de fevereiro.

O secretario de Segurança Pública, Genero García Luna, deu a entender ao dono do jornal, Osvaldo Rodríguez Borunda, que a causa da retirada de publicidade é que o jornal não publicava sua versão dos fatos. “Isso é falso, pois, quando temos uma nota crítica, buscamos seu ponto de vista e seus porta-vozes não respondem”, denunciou Pedro Torres Estrada, subdiretor editorial do diário de Ciudad Juárez, ao Centro de Jornalismo e Ética Pública (CEPET).

dono do jornal enviou uma carta em 16 de março ao secretário de Segurança Pública para reafirmar o compromisso do veículo de incluir a versão da Polícia Federal e, em troca, pediu que a equipe de comunicação responda os pedidos de informação dos jornalistas.

Em um editorial, o jornal denunciou o uso de recursos públicos para impor a censura, observando também que esta atitude é um sinal de que outras ações podem ser tomadas contra jornalistas do El Diario.

O jornal assegura que, em abril de 2011, já havia ocorrido situação similar, mas que ela foi revertida após uma conversa com membros da área de comunicação do órgão público.

Centro Knight para o Jornalismo nas Américas já havia informado a respeito das relações tensas entre as forças de segurança pública e os jornalistas em Ciudad Juárez. Organizações como Artigo 19 e Fundar alertaram que os governos federal e estadual do México retirou os investimentos comerciais em publicações de grande circulação como o jornal a.m. de Guanajuato, o Diario de Yucatán, as revistas Contralínea e Proceso e a Radio Bemba.

Mais artigos