texas-moody

La Prensa deixa de circular em papel por falta de matéria-prima, deixando a Nicarágua sem jornais impressos

O jornal nicaraguense La Prensa circulou pela última vez como impresso, pelo menos temporariamente, em 12 de agosto, por falta de matéria-prima, segundo o mesmo jornal. De fato, a última edição não pôde ser impressa na íntegra: foram impressas apenas oito páginas, e o jornal Hoy - do Grupo Editorial La Prensa - não pôde ser impresso, segundo o editorial do jornal.

La Prensa indicou que continuará a reportar por meio das redes sociais e de seu site.

Segundo o jornal de 95 anos, a Direção-Geral das Alfândegas (DGA) do país guarda "a matéria-prima desta empresa apreendida num armazém fiscal".

Parte da capa impressa do jornal La Prensa de Nicaragua de 12 de agosto de 2021. (Screenshot)

Parte da capa impressa do jornal La Prensa de Nicaragua de 12 de agosto de 2021. (Screenshot)

Os suprimentos necessários para a impressão do meio entram no país pelo porto de Corinto e vão para um entreposto fiscal enquanto a empresa pede isenção de importação, explica o jornal. O direito à isenção tributária para a importação de meios de comunicação, seja rádio, televisão ou mídia impressa, está estipulado no artigo 68 da  Constituição Política da Nicarágua.

Segundo o jornal, desde 26 de julho passado, solicitou a desoneração de 31 pacotes com 62 rolos de jornal, mas até agora não obtiveram resposta da DGA. O jornal disse que as autoridades não podem demorar mais de 10 dias para responder ao pedido, de acordo com a lei, mas até o momento são 18 dias.

O La Prensa também explicou que enviou cartas à DGA e também mensagens via WhatsApp ao diretor-geral da entidade, mas até o momento não obteve resposta.

Não é a primeira vez que o La Prensa retém sua matéria-prima vital para o funcionamento do jornal. Em 6 de fevereiro de 2020, a  DGA finalmente liberou toneladas de papel e outros suprimentos que havia guardado por mais de 500 dias, sem qualquer explicação. Na época, a DGA retinha 92 toneladas de papel jornal, 49 toneladas de papel para impressão, chapas, gomas, revelador de imprensa, cintos, tinta e peças de reposição que chegaram em dez remessas, informou o jornal .

No total, La Prensa viu a retenção de papel e outros suprimentos por 75 semanas durante 2018 e 2020, de acordo com o editorial.

Por isso, o jornal decidiu fazer importações menores, mas em intervalos de tempo menores. “No entanto, os atrasos na alfândega continuaram quando a isenção é exigida por lei”, informou La Prensa.

Por exemplo, em junho deste ano, La Prensa denunciou um atraso na alfândega, mas no dia seguinte os suprimentos foram liberados.

“Nesta ocasião, a resposta do DGA foi a mais demorada, o que obrigou La Prensa a deixar de circular. O papel de propriedade de La Prensa está no país e somente o bloqueio da ditadura impede que o jornal possa utilizá-lo para imprimir tanto La Prensa quanto Hoy”, escreveu o jornal.

Na capa impressa deste 12 de agosto, o jornal noticiava essa situação com a manchete “A ditadura mantém nosso papel, mas não pode esconder a verdade”. E ele acrescentou "eles não vão nos calar." Informou que enquanto os suprimentos são liberados, tanto as redes sociais quanto o site “continuarão a divulgar notícias e denunciar os abusos do regime contra a democracia”.

Condenamos a atitude hostil e anti-liberdade de imprensa do governo de Daniel Ortega e da vice-presidente Rosario Murillo, que apostam na asfixia econômica e nos contínuos ataques contra jornalistas e meios de comunicação”, disse o presidente da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), Jorge Canahuati, em nota da entidade.

Ataques à mídia independente na Nicarágua têm sido galopantes nos últimos anos.

As redações da revista Confidencial e do canal 100% Noticias foram invadidas e tomadas pelo governo.

Vários jornalistas deixaram o país devido a ameaças e ataques, e até La Prensa informou recentemente que vários meios de comunicação não incluem as assinaturas de seus repórteres em suas reportagens devido a ataques contra jornalismo independente.

Alguns jornalistas já foram alvo de investigações criminais, em um movimento que organizações internacionais apontam como uma estratégia para silenciar a dissidência e a imprensa crítica.

Mais artigos