texas-moody

Ministério Público descarta investigação de ameaças de morte contra a jornalista investigativa peruana Paola Ugaz enquanto ela enfrenta outro processo legal

Depois de receber duas ameaças de morte nas redes sociais nos últimos seis meses, a jornalista investigativa peruana Paola Ugaz soube recentemente que o Ministério Público não abrirá uma investigação em nenhum dos casos. Além disso, a jornalista é alvo de outra denúncia em uma série de ações judiciais após a investigação que realizou sobre a Sodalicio de Vida Cristiana, grupo eclesiástico da Igreja Católica fundado no Peru.

Paola Ugaz

Jornalista Paola Ugaz. (Foto de cortesia)

Em 24 de março de 2021, um usuário do Twitter a chamou de criminosa e disse que ela deveria ser "baleada na Plaza San Martín" por lavagem de dinheiro. O usuário conta com 15 seguidores, sendo um deles o atual candidato à presidência do Peru, Rafael López Aliaga.

Em outubro de 2020, por meio do Instagram, um sujeito a chamou de esquerdista retrógrada e disse a ela que iam fumigar todos os vermelhos, ameaçando que se veria uma versão peruana do ataque terrorista à revista satírica francesa Charlie Hebdo.

"Em ambos os casos, o MP tomou decisões lamentáveis", disse Carlos Rivera, advogado de Ugaz, à LatAm Journalism Review (LJR) .

Tweet contra Paola Ugaz

Em entrevista à LJR , Ugaz disse que enfrenta uma nova denúncia, desta vez por suposta lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito. No final de janeiro de 2021, a equipe especial da promotoria que investiga os casos de corrupção de funcionários no escândalo regional Lava Jato acatou a denúncia de Luciano Revoredo, diretor do site conservador La Abeja, e deu início à investigação contra o jornalista.  

A ação de Revoredo surgiu das publicações de Expreso, Willax TV, La Abeja e La Razón, nas quais se destaca que Ugaz teria enriquecido depois de trabalhar no Município de Lima quando Susana Villarán era prefeita. Villarán, que está em prisão preventiva, também vem sendo investigado pela equipe especial da promotoria que conhece o caso Lava Jato, pelo suposto crime de enriquecimento ilícito.

LJR tentou entrar em contato com a equipe de promotoria especial encarregada da investigação de Ugaz, mas não recebeu resposta antes da publicação deste texto.

Em 2013, trabalhei como associada da gestão municipal de comunicações, uma afiliada onde havia mais de 150 pessoas”, disse Ugaz em sua defesa. 

“Devido à minha experiência em mídia social, criei a área de mídia social dentro de comunicações. Em outras palavras, eu entendo alguma coisa de redes sociais para que eles me chamassem”, disse Ugaz. “Me chamaram [do Município] para melhorar a comunicação daquele lado, porque sabiam que não estavam bem, estando em plena campanha de recall [de Villarán]. Mas foi com base na minha experiência profissional, nunca peguei um sol [moeda peruana] de nada”.  

O jornalista Phillip Butters, da Willax TV, disse à LJR que Ugaz nunca quis lhe dar uma entrevista sobre o suposto caso de enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro.

Infelizmente, a senhora Ugaz não assume a responsabilidade dela, e seria fabuloso se ela nos desse uma entrevista com todas as garantias e tranquilidade do caso, onde ela quiser, na hora que quiser e nas condições que ela quiser. Obviamente, a entrevista é gravada e as perguntas são feitas e ela tem que responder. Mas não, a Sra. Ugaz só faz declarações em lugares onde ninguém a questiona”.

De sua parte, Ugaz disse que o programa Butters "nunca" lhe pediu uma entrevista para dar suas declarações.

Butters reiterou que "a Sra. [Ugaz] não está sujeita a qualquer tipo de assédio da mídia, jornalístico ou judicial e do Ministério Público".

Esta é a segunda denúncia de Revoredo, de La Abeja, contra Ugaz. Em 2020, Revoredo a processou com base em entrevistas públicas nas quais ela disse que seu portal era difamatório. O caso ainda está em andamento.

Em vários de seus editoriais, La Abeja menciona Ugaz. Uma delas se refere ao livro que Ugaz publicou com o jornalista Pedro Salinas em 2015, “Meio monges, meio soldados”. Este livro reúne testemunhos sobre abusos sexuais de menores que teriam sido cometidos por membros da Sodalicio anos atrás.

Segundo o advogado de Ugaz, desde 2018, La Abeja lançou uma “campanha de demolição e ataque” contra a jornalista quando ela foi denunciada pelo arcebispo de Piura, José Antonio Eguren.

Em 2018, o arcebispo a processou por difamação agravada. Eguren, da ordem católica Sodalicio de Vida Cristiana, a processou por uma série de tweets que ela postou quando o Papa Francisco visitou o Peru e por causa de um documentário da Al Jazeera sobre as atividades comerciais da Sodalicio, do qual Ugaz participou. O processo foi retirado pelo padre meses depois.    

Nesse mesmo ano e também como resultado do documentário, o então gerente geral da Inmobiliaria Miraflores Peru, Carlos Gómez de la Torre, denunciou Ugaz por difamação. Segundo a Ugaz já disse, a imobiliária está ligada à Sodalicio. O caso está em andamento e sem sentença, segundo o advogado do jornalista.

Revoredo negou que seu processo contra Ugaz fosse por causa de suas investigações sobre a Sodalicio.

Ugaz disse que o assédio judicial que sofreu nos últimos anos é ainda mais contundente por ser mulher. Porém, sua melhor estratégia nessa situação, destacou, é a carreira jornalística. 

“Sou especialista em formar equipes e montar redações digitais… Fui editora geral do blog la Mula quando ele ganhou seus prêmios em 2011, fui fundadora do IDL-Reporteros. Minha estratégia é meu currículo profissional”, disse Ugaz. 

Mais artigos