texas-moody

Rede colaborativa visa mudar as narrativas da mídia sobre as comunidades indígenas da América Latina

Crescendo entre os Misak, um povo indígena da região sudoeste da Colômbia, Cauca, Diana Mery Jembuel Morales sempre sentiu uma espécie de superficialidade na forma como sua comunidade era coberta.

Jornalistas da mídia nacional ou internacional, ela descreveu, caíam de paraquedas na região notoriamente dilacerada pelo conflito sem uma compreensão básica das tradições e questões que constituíam sua realidade. Eles simplesmente ficavam por alguns dias, faziam fotos e nunca mais seriam vistos.

Nem os artigos escritos sobre eles.

“Há uma lacuna enorme porque os jornalistas estão nas cidades e em seus escritórios”, explicou ela à LatAm Journalism Review (LJR). “Quando um jornalista não-indígena chega, as comunidades não confiam nele porque não sabem quais informações estão sendo divulgadas e com quem está publicando ou por quê.

Mas uma nova iniciativa está trabalhando para preencher essa lacuna.

O projeto é chamado de Red Tejiendo Historias (Rede Tecendo Histórias).

A rede tem como objetivo conectar jornalistas não-indígenas, jornalistas indígenas e comunidades indígenas para construir uma conversa mais robusta sobre a cobertura de povos nativos do continente americano.

É formado por cerca de 230 membros em toda a América Latina, da Argentina, Colômbia, Guatemala e México.

Paola Jinneth, coordenadora da rede, disse que nasceu na Colômbia em 2019, lançada pela Agenda Propia, uma agência de notícias que investiga questões ligadas a minorias e grupos indígenas.

Encuentro-Miembros-Red-AgendaPropia

Reunião dos membros da Red Tejiendo Historias. (Cortesia)

Vendo lacunas como as descritas por Jembuel Morales, um pequeno grupo de jornalistas cobrindo questões indígenas iniciou webinars periódicos para discutir como as abordar de uma forma responsável.

“Existem todos esses estereótipos, o manuseio incorreto de informações sobre suas visões de mundo, suas crenças, suas terras, então eles começaram a criar espaços de conversa por meio de webinars” , disse ela à LJR.

Eles oferecem treinamentos sobre coisas como como usar dados para tratar das questões indígenas, como cobrir sobre desastres humanitários e conflitos que afetam os povos indígenas ou conversas com repórteres indígenas que criaram documentários sobre suas comunidades.

Os jornalistas criaram um grupo WhatsApp para se manterem em comunicação constante.

A Colômbia abriga 102 grupos indígenas, segundo a Organização Nacional Indígena da Colômbia. Esses povos frequentemente estão intrinsecamente ligadas a algumas das questões mais importantes do país sul-americano. Isso inclui coisas como proteger a biodiversidade do desmatamento e dos interesses de exploradores, luta pelo poder da terra, questões de direitos humanos e vitimização pela violência de grupos armados.

Ainda assim, a mídia tradicional na Colômbia e no exterior tem se concentrado historicamente neste último, explicou Jonathan Bock, diretor da Fundação para a Liberdade de Imprensa da Colômbia (FLIP, por sua sigla em espanhol).

Em parte, isso se deve à natureza do conflito na Colômbia, que ocorre em áreas rurais e costuma se cruzar com terras indígenas.

Mas, disse Bock à LJR, “eles acabam tendo uma narrativa superficial e quase sempre relacionada a conflitos. E isso, é claro, deixa de ser a cobertura de outros tópicos que são tão relevantes.”

Em toda a América Latina, existem aproximadamente 500 grupos indígenas diferentes. Os 50 milhões de indígenas na região representam aproximadamente 8% da população da região, de acordo com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas.

Dinâmicas semelhantes à da Colômbia ocorrem em toda a região, especialmente em países como México, Guatemala, Peru e Bolívia, que têm as maiores populações indígenas da América Latina.

Jembuel Morales, jornalista do povo Misak e integrante da rede, diz que espera que eles possam mudar a narrativa sobre questões indígenas e criar reportagens mais significativas sobre comunidades como a dela.

“O jornalismo indígena é outra forma de visibilizar e empoderar mulheres e homens que vivem em espaços que o mundo não indígena não entende”, disse ela. “Então, trata-se de tornar visível e reivindicar a memória e os direitos dos povos ancestrais.”

Ela disse que o cerne desse jornalismo é a reportagem local, passando tempo com as comunidades em suas regiões e entendendo, não apenas os conflitos que muitas vezes as afetam, mas também suas culturas e tradições.

Com os webinars, a iniciativa começou lentamente a se expandir para fora da Colômbia, disse Jinneth, o coordenador do projeto.

Quando o líder espiritual maia Tata Domingo Choc Che foi morto na Guatemala em junho de 2020, acusado de ser um bruxo, a rede fez uma campanha de vídeo online chamada #MiSaberTeDaMiedo, ou #MeuSaberTeAssusta. Jornalistas indígenas de toda a região explicaram suas tradições culturais e ensinamentos em um vídeo para conter a estigmatização e a desinformação.

Reunión con liderazgos indígenas y miembros de la Red

Encontro entre lideranças indígenas e membros da Red Tejiendo Historias. (Cortesia)

Embora cada comunidade indígena seja única, Jinneth disse que eles começaram a ver subcorrentes nas lutas que cada uma de suas comunidades estava enfrentando. Coisas como desmatamento em terras indígenas e violência contra as comunidades.

Eles começaram investigações coletivas maiores sobre questões mais amplas, lançando subsídios para financiar projetos de reportagem colaborativa em terras e territórios na Amazônia e na América Central. Depois de concluídas, as histórias serão publicadas noda Agenda Propia sitee em outras mídias da região.

Hoje, eles esperam se expandir para países como Brasil e Guiana Francesa, que falam línguas diferentes da maioria da rede, mas também são centros importantes para grupos indígenas.

“Essas crenças e suas próprias narrativas nos permitiram, não apenas crescer, mas também criar outras metodologias, outras formas de ouvir e outras formas de se relacionar com o entrevistado”, disse Jinneth.

Na América Latina, redes de jornalismo como a deles se tornaram cruciais para preencher lacunas investigativas em “desertos de notícias” emergentes, zonas que carecem de investigação ou cobertura consistente devido à falta de organizações de notícias, disse Bock, diretor da FLIP.

Eles também têm outro propósito: gerar segurança para repórteres que podem ser alvos de investigações que deixam as pessoas no poder ou atores armados desconfortáveis.

“Também significa segurança, uma forma de evitar os riscos que existem”, disse ele. “Não é infalível, mas ajuda a fortalecer esses projetos jornalísticos a partir das ameaças que podem receber.”

Mas maior do que isso, disse Jinneth, é construir uma plataforma para levantar as vozes das populações que tiveram suas histórias contadas por pessoas de fora para pessoas de fora.

“Achamos importante que essas mesmas comunidades comecem a narrar suas próprias histórias, e elas têm feito isso, mas com muitos desafios”, disse Jinneth. “No final das contas, a pessoa que conta a história, a pessoa que faz a reportagem, são eles que têm o poder.”

Mais artigos