texas-moody

Reportagem premiada do Prodavinci expõe o colapso do sistema previdenciário na Venezuela por meio de jornalismo de dados, arte e multimídia

Entre as múltiplas vítimas da crise econômica que atingiu a Venezuela nas últimas duas décadas, um dos setores mais afetados foram os idosos. Em 2019, o veículo digital Prodavinci assumiu a tarefa de investigar os motivos pelos quais as pensões dos aposentados não eram suficientes para cobrir suas necessidades básicas.

Naquele ano, o portal, que há 13 anos oferece conteúdo jornalístico e analítico sobre a realidade venezuelana, começou a publicar partes do especial “Envelhecimento na Venezuela”, com histórias sobre como a qualidade de vida dos idosos na Venezuela piorou no país.

A equipe por trás de "A promessa quebrada" foi composta por jornalistas, designers, analistas e fotógrafos, entre outros profissionais. (Foto: Prêmio Rei da Espanha)

A equipe por trás de "A promessa quebrada" foi composta por jornalistas, designers, analistas e fotógrafos, entre outros profissionais. (Foto: Prêmio Rey de España)

“Nós nos perguntamos o que estava acontecendo com o valor da aposentadoria na atualidade e queríamos ver se os dados poderiam nos dar uma visão disso”, disse Indira Rojas, jornalista do Prodavinci, à LatAm Journalism Review (LJR). “Já estávamos fazendo um registro através da crônica e da história de aposentados e pensionistas e queríamos ver se os dados também poderiam nos contar a história que estávamos vendo através da não ficção.”

O resultado foi  “A promessa quebrada: o colapso da previdência social na Venezuela”, um trabalho de jornalismo de dados multimídia que conseguiu mostrar que o sistema previdenciário dos trabalhadores venezuelanos não garante a subsistência dos beneficiários.

O Prodavinci analisou centenas de dados salariais e previdenciários dos últimos vinte anos na Venezuela e descobriu, entre outras coisas, que os trabalhadores que se aposentaram em 2020 contribuíram até 57 vezes mais para a Previdência Social do que receberão em pensões durante a velhice e que o valor das pensões no ano 2000 foi 330 vezes superior ao de 2020.

“A promessa quebrada”, publicado em fevereiro de 2021, recebeu este mês o prêmio Rey de España 2022 na categoria Cooperação Internacional e Ação Humanitária. Há seis meses, em setembro de 2021, o trabalho obteve uma Menção Especial na categoria Jornalismo Investigativo nos prêmios do Instituto Prensa y Sociedad Venezuela (IPyS) e esteve entre os finalistas do Prêmio de Jornalismo Online 2021 na categoria Jornalismo Investigativo.

A reportagem conseguiu superar a polarização política e a falta de transparência na Venezuela criando bancos de dados que não existiam no país e um vínculo pessoal e emocional com os leitores por meio da combinação de jornalismo de dados, texto e material audiovisual e elementos artísticos.

Jornalismo de dados contra opacidade e polarização

A equipe por trás de "A promessa quebrada" descobriu que na Venezuela não há bancos de dados oficiais suficientes sobre os salários dos funcionários do Estado nos últimos 20 anos. Por isso, decidiram recorrer a grêmios e sindicatos de diferentes áreas do setor público, como policiais, militares, médicos e enfermeiros para realizar sua investigação.

Os únicos dados que eles conseguiram coletar foram dos trabalhadores da educação: professores da educação básica e professores universitários.

Faz parte da reportagem o curta documental "Não houve depois" (Foto: Captura de tela)

Faz parte da reportagem o curta documental "Não houve depois" (Foto: Captura de tela)

"Não há uma única entidade sindical que tenha uma compilação completa, e isso foi parte de um dos maiores esforços que esse trabalho teve", disse à LJR Salvador Benasayag, jornalista do Prodavinci responsável pelo especial. "De outros sindicatos não conseguimos nem fazer uma reconstrução."

Os professores se tornaram uma amostra representativa do universo de trabalhadores do setor público na Venezuela. O setor de educação é um dos maiores empregadores do país. Até 2015, havia mais de 2,5 milhões de funcionários públicos no país,  segundo a organização Espacio Público. Destes, cerca de 700 mil são professores.

"No caso de professores, verificou-se que tínhamos os dados mais completos possíveis, os mais atualizados e eles realmente pertencem aos grupos mais amplos e representativos", disse Benasayag. "Os professores são sempre uma referência de como funciona a questão da remuneração pública."

O júri do Prêmio Rey de España destacou a forma como o Prodavinci superou as dificuldades na coleta de informações e na construção de suas próprias bases de dados, o que levou quase três meses.

“Não existe uma fonte organizada desses sindicatos para consultar os dados. Seria realmente ideal que esses sindicatos tivessem uma organização mais detalhada ao longo do tempo [dos dados] do que ganham, principalmente porque isso também interessa aos trabalhadores”, disse Benasayag. "Isso não existe aqui, foi muito complicado e nos levou muito tempo."

A opacidade obrigou a equipe a reunir informações de diferentes fontes e coletadas sob diferentes metodologias e escalas. Apesar disso, eles conseguiram montar um banco de dados coerente que lhes permitiu alcançar as descobertas a que chegaram.

“Na Venezuela, os jornalistas não podem fazer um pedido como em outros países que têm uma lei de acesso à informação pública”, disse Benasayag. "Sempre acontece de alguém obter os dados, mas é sempre por meio de um vazamento ou de alguém em quem você confia, mas não há procedimento legal, não há página de dados públicos do governo onde tudo é centralizado."

Mas as dificuldades não se limitaram à falta de transparência. Para desenhar a metodologia de análise que permitisse calcular a queda do valor das pensões, os analistas da equipe tiveram de considerar fatores macroeconômicos como a inflação, o câmbio e o salário mínimo, dados que não são tão acessíveis ou apresentam um certo nível de viés, dependendo da fonte que os fornece.

A polarização política na Venezuela influenciou a confiabilidade dos dados públicos publicados. Por exemplo, o Banco Central da Venezuela (BCV) – órgão responsável pela publicação dos dados macroeconômicos do país – deixou de publicar essas informações entre 2015 e 2019. Em 2016, o presidente Nicolás Maduro conseguiu obter o controle desse órgão.

Em resposta, a Assembleia Nacional (AN), que em 2016 tinha maioria da oposição, começou a compilar dados macroeconômicos e construir bancos de dados paralelos. Organizações como o Fundo Monetário Internacional, o Banco Interamericano de Desenvolvimento e consultores privados passaram a tomar esses dados como os únicos indicadores disponíveis. A equipe do Prodavinci decidiu fazer o mesmo para a sua ponderação metodológica.

“Houve dados conflitantes e uma decisão teve que ser tomada. E naquele momento decidimos do ponto de vista jornalístico que a melhor maneira de estabelecer certos cálculos era usar os dois dados”, disse Rojas.

A equipe optou por dar ao leitor as duas perspectivas. Por exemplo, os gráficos que mostram o impacto da inflação nas pensões dos trabalhadores nos últimos 20 anos foram feitos tendo em conta os valores de inflação do BCV e do AN para que o leitor possa fazer uma comparação.

Os gráficos do especial contrastam os dados das diferentes fontes. (Foto: captura de tela de "The broken primesa".

Os gráficos do especial contrastam os dados das diferentes fontes. (Foto: captura de tela de "A Promessa Quebrada".

A equipe também enfrentou o dilema de decidir em qual moeda refletir os cálculos de sua análise. Embora o bolívar continue sendo a moeda oficial na Venezuela, na última década o dólar americano se tornou a moeda não oficial do país devido a fatores como a desvalorização do bolívar e a hiperinflação na economia.

“Calculamos o valor das pensões em dólares norte-americanos a partir do salário mínimo e sua conversão com a taxa de câmbio entre bolívares e dólares para fazer uma equivalência que também pudesse ser compreensível e útil, não só para venezuelanos, mas para leitores de outros países”, explicou Indira.

Dados, jornalismo e arte para criar empatia

Embora o núcleo de “A Promessa Quebrada” seja sua metodologia de coleta e análise de dados, as organizações que premiaram este trabalho também encontraram inovação na forma como os resultados são apresentados.

O relatório principal consiste em um  explainer multimídia que combina análise de dados com visualizações e explica em detalhes a complexidade do colapso da previdência social na Venezuela de maneira compreensível.

“Dado que a informação é um pouco pesada, queríamos que fosse o mais clara possível, e o expaliner dá a possibilidade de tornar um tópico de dados, de números, muito mais digerível para o leitor”, disse Rojas. “Como neste caso também queríamos priorizar os gráficos,  o explainer permite que você use muito pouco texto e dê prioridade ao visual, e queríamos aproveitar isso.”

"A Promessa Quebrada" também inclui seis crônicas que exemplificam as descobertas do projeto através das histórias reais de aposentados venezuelanos. Também incorpora um trabalho fotográfico intitulado "Os Esquecidos" , do fotógrafo Carlos Becerra, que mostra como é a vida dentro dos lares de idosos daquele país.

A obra também contém elementos artísticos: as coleções de colagens  “Balance do exercício anterior”“Promesa quebrada” , das artistas María Elena Álvarez Lourens e Josefina Núñez, respectivamente, que buscam fazer uma interpretação do conteúdo jornalístico; o curta-metragem documental "Nunca houve depois", dirigido por Edwin Corona Ramos e produzido por Helena Carpio, diretora de inovação do Prodavinci, que apresenta depoimentos de pessoas que dependem do sistema previdenciário venezuelano.

O objetivo de incluir esses elementos era que o leitor criasse um vínculo pessoal e afetivo com a reportagem, além da frieza dos números.

“O lado humano é sempre necessário e eu estava muito preocupado que esse explainer priorizasse muito a visualização de dados e não criasse uma conexão com o leitor, e aconteceu o contrário, e na verdade foi com uma surpresa: muita gente se identificou porque acho que isso se refletiu nos números”, disse Rojas.

Por meio de "A promessa quebrada", o Prodavinci busca contribuir para o debate sobre os sistemas previdenciários em um nível mais global, por meio de um trabalho jornalístico sobre um problema da Venezuela que é replicado em outros países da região.

“É uma questão que obviamente não se restringe ao nosso país”, disse Benasayag. “É algo que está presente e que é um grande debate na América Latina, sobre quais são os sistemas previdenciários ideais, se devem mudar ou não, se as pessoas estão vivendo abaixo de suas necessidades... políticas publicas".

Colaboração interdisciplinar

O Prodavinci tem se caracterizado por estabelecer estreitas colaborações com especialistas nos temas abordados em seus relatórios. Para o especial "Incêndios na Venezuela", também publicado em 2021, o veículo digital se uniu a cientistas e acadêmicos para analisar dados de código aberto sobre incêndios florestais em áreas naturais protegidas do país. O trabalho ficou entre os indicados ao Prêmio Gabo na categoria Inovação no ano passado.

"Trabalhar em conjunto com especialistas é um ponto forte do Prodavinci", disse Rojas. "Também devemos assumir que, como repórteres, podemos não ter todo o conhecimento e ferramentas para fazer os cálculos mais precisos."

“Foi muito importante ter, pelo menos um pouco, o consenso de várias pessoas que entenderam que a metodologia não era apenas a melhor para os leitores entenderem, mas também a mais adequada do ponto de vista das ciências sociais. que está nos sustentando, neste caso a economia”, acrescentou Benasayag.

Rojas destacou que "A Promessa Quebrada" inclui cálculos de projeções, algo que, segundo ele, não é comum em projetos de jornalismo de dados. E conseguiram isso graças à participação de especialistas em economia e matemática financeira.

O Prodavinci colaborou com a consultoria independente ANOVA Policy Research para cálculos de projeção de pobreza de renda, para descobrir quantas pessoas teriam sido retiradas da pobreza se uma pensão semelhante ao valor da cesta básica tivesse sido paga. Isso graças aos cálculos de pobreza aos quais a consultoria tem acesso.

O restante dos cálculos financeiros de salários e pensões e reajustes inflacionários foram elaborados pela equipe do Prodavinci, com o apoio de especialistas.

O explicador multimídia explica em detalhes a complexidade do colapso da previdência social na Venezuela. (Foto: Captura de tela de "The Broken Promise")

O explicador multimídia explica em detalhes a complexidade do colapso da previdência social na Venezuela. (Foto: Captura de tela de "The Broken Promise")

"Existem cálculos, dados e informações que precisavam de muitos olhos para sair da maneira correta", disse Rojas. “Podemos ser grandes jornalistas de dados, mas acredito que se pudermos sempre contar com o apoio de especialistas, agregamos valor ao nosso trabalho, sempre pensando que o leitor recebe um trabalho de qualidade, que é revisado, que já passou pelas mãos de especialistas que o aprovaram”.

Após a quantidade de trabalho que "A promessa quebrada" representou, seus diretores concordam que sua principal satisfação é a reação dos leitores às constatações da reportagem.

Rojas e Benasayag disseram que, após a publicação, as pessoas compartilharam histórias semelhantes às contidas nas crônicas, sobre pessoas que trabalharam a vida toda na esperança de obter uma boa aposentadoria, mas depois obtiveram pensões precárias que não são suficientes para viver.

“Tivemos muitos comentários de pessoas da academia, incluindo políticos, de vários setores e também do público leitor em geral, que mencionam anedotas pessoais em sua família, seus pais ou eles mesmos, que mencionam o drama que está por trás desses números”, disse Benasayag .

Mais artigos