texas-moody

Terceira edição de Latinográficas, do El Surti, abordará mudanças climáticas e ensinará como 'hackear' algoritmos em prol do jornalismo visual

Em linha com seu objetivo de tornar a comunicação de conteúdo jornalístico mais eficaz na América Latina, a terceira edição do programa de aprendizagem e colaboração Latinográficas, dirigido pelo meio digital nativo paraguaio El Surtidor, do Paraguai, abordará o tema da desinformação e violência em torno das mudanças climáticas, bem como procurará capacitar jornalistas, designers e ilustradores para otimizar a distribuição do jornalismo visual em plataformas digitais.

Dadas as constantes mudanças nos algoritmos programáticos das empresas de tecnologia como Google e Facebook, que impactam o acesso dos usuários a sites de notícias, o conteúdo jornalístico é forçado a competir com outros conteúdos, principalmente de entretenimento, pela atenção dos usuários.

Latinográficas 2022 poster in Spanish

A convocatória para se candidatar à terceira edição de Latinográficas estará aberta até 4 de agosto. (Foto: cortesia Latinográficas)

 

 

Com isso em mente, Latinográficas 2022 incluirá um componente de "hacking de algoritmos", com o objetivo de dar aos participantes ferramentas para maximizar a probabilidade de que os algoritmos das plataformas digitais trabalhem em prol do conteúdo jornalístico.

"A desprioritização do conteúdo jornalístico em geral por plataformas digitais, estas famosas mudanças de algoritmos que despriorizam as informações jornalísticas, são como um primeiro desafio", disse Sebastián Auyanet, coordenador de programa na Latinográficas, à LatAm Journalism Review (LJR). "Isto significa que o jornalismo tem que se adaptar a estas formas de comunicação. Há cinco ou dez anos você postaria links em redes sociais e teria um público muito amplo que pelo menos os veria e poderia estar disposto a clicar neles. Agora este não é mais o caso, então você tem que competir em outro nível.”

Um dos pontos mais fracos dos participantes nas edições anteriores da Latinográficas foi saber como propor conteúdo eficientemente nas redes sociais e conseguir uma melhor distribuição do conteúdo produzido pelos jornalistas. Daí a decisão de abordar a questão da visibilidade digital do conteúdo com maior profundidade este ano, disse Auyanet.

Sara Campos, editora de produtos do El Surti, será responsável pela clínica especializada em como os jornalistas podem se envolver positivamente com o público das redes sociais e as limitações impostas pelos algoritmos. A idéia é que os participantes levem para suas redações o aprendizado de que a distribuição do conteúdo de jornalismo visual é tão importante quanto o design das peças e a seleção das informações.

"Faz parte do ofício dos publishers desvendar como navegar nesses algoritmos", disse Juan Heilborn, editor visual do El Surti, à LJR. "Algoritmos são condicionamentos que determinam nosso trabalho e temos que nos acostumar a nos ajustar rapidamente a eles. Tenho certeza de que os gráficos sempre terão seu lugar no jornalismo e no público, mas é preciso navegar com este fator condicionante, trabalhar com ele e dedicar tempo para pensar sobre ele e fazer tentativas e erros.”

O esforço para otimizar a distribuição do conteúdo de jornalismo visual em plataformas digitais é influenciado por fatores que vão desde o tamanho da fonte até a resolução da imagem. De acordo com Auyanet, o objetivo dos jornalistas não deveria ser adaptar-se 100% ao que os algoritmos ditam, mas colocar-se na melhor posição possível para que seu conteúdo seja visto, para que seja mais provável que seja consumido pelo público.

Latinográficas é a oportunidade para El Surti compartilhar com jornalistas de toda a região a metodologia que fez do site uma referência para o jornalismo visual na América Latina, que seu co-fundador Alejandro Valdez define como uma metodologia para "transformar a informação em ação". Em outras palavras, um jornalismo que monitora o poder e conta histórias de quem o enfrenta, a fim de buscar soluções para problemas locais e globais.

O estilo gráfico de El Surti, que foi reconhecido com láureas como o Prêmio Gabo de Inovação em 2018 e o Global Youth & News Media Prize em 2019, baseia-se na idéia de que todas as informações que podem ser dadas sobre um tema devem caber em um "pôster", como eles chamam suas peças gráficas que sintetizam as informações visualmente. Ao longo de 11 sessões de Latinográficas, a equipe do El Surti trabalha diretamente com os participantes, compartilhando as melhores práticas por trás deste estilo.

Samples of Latinográficas graphic pieces

Os participantes de Latinográficas produzem peças com distintos formatos visuais baseadas em reportagens já publicadas de meios parceiros. (Foto: cortesia Latinográficas)

"Trabalhamos muito no lado prático, no feedback das peças e também no compartilhamento da metodologia do El Surti. Quando se trata de lidar com certos temas, há também o contato com a redação, que é algo que queremos desenvolver um pouco mais este ano", disse Auyanet. "Pensar em como apresentar, como trabalhar a partir da seleção de fontes para as letras, a paleta de cores, etc., são coisas muito difíceis de se entregar em um template. Você tem que fazê-lo trabalhando com as pessoas que o fazem o tempo todo".

O programa deste ano também inclui aulas magistrais com o designer e jornalista Ruben Pater (Holanda), o curador e crítico de arte Ticio Escobar (Paraguai) e a jornalista investigativa Natalia Viana (Brasil).

convocatória para a terceira edição da Latinográficas estará aberta até 4 de agosto. Jornalistas, ilustradores e designers que têm o apoio de um meio de comunicação podem se candidatar. Além das sessões virtuais e das aulas magistrais, os selecionados receberão uma bolsa de estudos de US$ 1.000.

Mudanças climáticas em linguagem gráfica

A edição de 2022 de Latinográficas será dedicada às mudanças climáticas a partir da perspectiva da desinformação, mas também do ponto de vista da violência sofrida por jornalistas e ativistas que denunciam os conflitos ambientais na América Latina.

A crise ambiental é um dos principais pontos da agenda de El Surti, e é por isso que, através do programa, o meio procura compartilhar as lições aprendidas ao longo de sua cobertura do tema e do monitoramento que vem realizando sobre as vítimas da luta ambiental na região.

"Acreditamos que os meios da região, ao contrário de outras regiões, precisam de um impulso sobre estas questões. Como muitas coisas na América Latina, às vezes o jornalismo de ciência e anti-desinformação ficam para trás", disse Heilborn. "Embora haja muita coisa de alta qualidade, é difícil que elas cheguem nos principais meios de comunicação. Acreditamos que vale a pena tentar empurrar um pouco de jornalismo visual sobre este assunto, acreditamos que podemos contribuir".

A aula magistral de Natalia Viana, co-fundadora e co-diretora do site de jornalismo investigativo Agência Pública, abordará a questão de como a desinformação se cruza com o fenômeno das mudanças climáticas no jornalismo.

Além disso, em linha com o tema, este ano a Latinográficas escolheu como parceira de mídia Tierra de Resistentes, uma iniciativa de jornalismo colaborativo e transfronteiriço que investiga fenômenos de violência contra defensores do meio ambiente na América Latina.

Tierra de Resistentes consiste em uma plataforma multimídia com um banco de dados de agressões contra os líderes ambientais e suas comunidades e 29 reportagens aprofundadas. É um esforço coordenado pelo Consejo de Redacción, uma associação de jornalistas sediada na Colômbia que promove o jornalismo investigativo, e é apoiada pela Deutsche Welle Akademie (DW) e pela Agência Alemã de Cooperação.

A iniciativa é composta por uma equipe de 50 jornalistas, desenvolvedores, fotógrafos e videógrafos de Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guatemala, Honduras, México, Peru e Venezuela.

"Parecia-nos que Tierra de Resistentes se encaixava perfeitamente no projeto jornalístico, no tamanho do meio com a qual queríamos colaborar e o conteúdo que gera, que merece bem um segundo esforço em termos de formato, de tradução para outros públicos", disse Heilborn.

Como parte da aliança de colaboração jornalística, os participantes da Latinográficas 2022 produzirão peças com diferentes formatos visuais com base nas reportagens de Tierra de Resistentes, que serão publicados tanto por El Surti como pela plataforma.

Nas edições anteriores, Latinográficas fez parceria com Salud con Lupa, da Colômbia, e Chequeado, da Argentina.

"Nós sempre agarramos meios aliados para divulgar o conteúdo jornalístico de outras formas e formatos", disse Heilborn. "Queremos ter parceiros de mídia diferentes e diversificados".

Através da relação com estes meios aliados e os participantes, tanto desta como de edições anteriores, El Surti tem como objetivo consolidar uma comunidade de prática em torno do jornalismo visual.

Esta comunidade consiste até agora em 17 membros das edições de 2020 e 2021, e contará com um máximo de oito jornalistas que serão selecionados este ano. El Surti mantém uma estreita relação com os participantes da Latinográficas, através de uma newsletter, convites para eventos, palestras e como participantes em pesquisas de usuários para melhorar a experiência de futuros programas.

El Surti team

Como parte da iniciativa, a equipe de El Surti trabalha diretamente com os participantes de Latinográficas compartilhando as melhores práticas por trás do estilo visual do meio. (Foto: cortesia El Surti)

"Nosso objetivo é que Latinográficas se torne um programa de educação à distância constante", disse Auyanet. "Tanto as pessoas que fazem parte do próprio programa, como aquelas que aparecem mas não ficam, a idéia é também estar perto dessas pessoas através de uma comunidade, para compartilhar conhecimentos e práticas, que é também o que pretendemos avançar este ano.”

O objetivo final é transformar Latinográficas no que a Escola de Dados é para o jornalismo de dados, ou o que a LatAm Chequea é para a verificação de fatos: redes colaborativas de conhecimento e prática regional para fortalecer uma área específica do jornalismo, disse Auyanet.

"Manter uma comunidade em uma base constante e permanente requer uma série de coisas que estamos construindo um pouco de cada vez", disse ele. "O nosso objetivo é que o programa cresça dessa forma. Descobriremos à medida que formos avançando".

Mais artigos