texas-moody

Violência, brutalidade policial e crise econômica deixam jornalismo no Haiti em situação crítica

*Este artigo foi atualizado para incluir o assassinato de Fritz Dorilas em 5 de novembro.

Na manhã de domingo, 30 de outubro, Romelson Vilcin ficou indignado com a prisão de seu colega Robeste Dimanche, que havia sido detido e espancado por membros da Polícia Nacional do Haiti (PNH) no início daquele dia enquanto cobria um protesto.

Vilcin, que trabalhou como repórter da estação de rádio digital Génération 80 e colaborou com o canal local SpotLight no distrito haitiano de Port-de-Paix,  alertou seus colegas por meio de sua conta no Facebook sobre a detenção arbitrária de Dimanche. Minutos depois, ele foi à delegacia da PNH na Rua Delmas, 33, na capital haitiana, Porto Príncipe, onde outros jornalistas e ativistas já estavam reunidos para exigir a libertação de Dimanche.

A tensão no local aumentou e os agentes dentro da estação tentaram dispersar com gás lacrimogêneo a "multidão hostil" que tentava entrar nas instalações. Uma das latas de gás atingiu o lado esquerdo da cabeça de Vilcin, segundo a versão policial. O jornalista foi levado ao Hospital Bernard Mevs, onde perdeu a vida cerca de três horas depois.

Delegacia de polícia em Port-au-Prince, onde um jornalista foi morto.

O jornalista Romelson Vilcin foi assassinado na delegacia da Polícia Nacional do Haiti em Porto Príncipe, onde seu colega Robeste Dimanche estava detido. (Foto: Captura de tela de Machann Zen HAÏTI no YouTube)

"O alto comando da PNH expressa suas condolências à família, aos membros da imprensa, em particular aos de Jim Studio, Zenyez TV e Radio de Génération 80, bem como a todos os afetados por este desaparecimento inesperado", disse a instituição em comunicado de 30 de outubro. “Do mesmo modo, aproveitamos para informar o público em geral, e os membros da imprensa em particular, que a Inspeção-Geral da PNH foi instruída a realizar uma investigação sobre este fato para apurar as circunstâncias e estabelecer, no seu caso, as responsabilidades."

No entanto, algumas testemunhas presentes no protesto, incluindo o jornalista  Reynald Petit-Frère, presidente do Coletivo Haitiano de Mídia Online (CMEL, na sigla em francês), e Richard Pierrin, fotógrafo da AFP, afirmaram que alguns agentes abriram fogo contra a multidão.

“Romelson Vilcin foi morto a tiros no pátio da delegacia de Delmas 33. Um policial que perdeu o controle de sua metralhadora abriu fogo na direção de Romelson enquanto outros nos bombardeavam com gás lacrimogêneo. Vários outros funcionários da imprensa foram brutalizados pela polícia”, disse Petit-Frère no programa de rádio Panel Magik na segunda-feira, 31 de outubro, segundo o Le Nouvelliste .

Imagens que circularam nas redes sociais mostravam o corpo imóvel de Vilcin no chão, de bruços e com o braço direito dobrado e sangue pingando da cabeça.

“A SpotLight de Port-de-Paix tomou conhecimento com grande tristeza da morte de seu repórter, o jornalista Romelson Vilcin, que foi baleado dentro das instalações da Delmas 33 enquanto apoiava o jornalista Robeste Dimanche, detido pela PNH. Toda a equipe do jornal acredita que o jornalista Romelson Vilcin encontrará justiça de alguma forma", publicou o jornal em suas redes sociais.

Dias antes, Vilcin havia usado seu perfil no Facebook para comentar a tentativa de assassinato do colega jornalista Roberson Alphonse, repórter do jornal Le Nouvelliste e colaborador do canal de TV Télé 20 e da rádio Magik9. Alphonse foi emboscado por homens armados em 25 de outubro nas ruas de Porto Príncipe, a caminho do trabalho.

Os agressoras atiraram à queima-roupa no carro do comunicador, que conseguiu escapar do ataque com vida. Com ferimentos de bala no braço, Alphonse conseguiu dirigir-se a um hospital, onde mais tarde foi relatado em condição estável.

Por sua vez, Dimanche, repórter da rede Radio Télé Zénith e porta-voz do CMEL, foi libertado no dia 30 de outubro, após mais de 10 horas de detenção policial. O jornalista disse que agentes da Unidade Departamental de Aplicação da Lei (UDMO, na sigla em francês) o colocaram em uma patrulha por volta das 9h30 de domingo, 30 de outubro, e o espancaram com armas em diferentes partes do corpo, principalmente na cabeça.

“Depois de me buscar, eles andaram por várias ruas em Delmas antes de decidir meu destino. Na parte de trás do veículo, um deles sugeriu me executar na [comuna de] Cité Soleil. Eles finalmente me levaram para a delegacia de Delmas 33, onde passei mais de dez horas sob custódia policial", disse Dimanche ao Le Nouvelliste .

Vilcin, Dimanche e Alphonse são apenas as últimas vítimas da onda de ataques a jornalistas ocorridos nos últimos meses no Haiti. Só em 2022, oito jornalistas foram assassinados no país caribenho, enquanto vários outros foram atacados ou detidos arbitrariamente por exercerem sua profissão.

Tanto organizações nacionais como internacionais manifestaram seu repúdio aos atos de violência contra a imprensa e pediram justiça e segurança para que os jornalistas possam exercer sua profissão.

A diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, condenou o assassinato de Vilcin e pediu esclarecimentos sobre os acontecimentos em que o jornalista perdeu a vida.

“Condeno o assassinato de Romelson Vilcin. Os jornalistas devem ser livres para participar e investigar eventos de interesse público sem temer por sua segurança. Peço às autoridades que investiguem as circunstâncias da morte de Vilcin e garantam que os responsáveis ​​sejam responsabilizados", disse Azoulay em comunicado enviado em 3 de novembro.

A Repórteres Sem Fronteiras disse estar horrorizada com a frequência com que jornalistas são mortos no Haiti. Em 3 de novembro, a organização pediu que medidas urgentes sejam tomadas para que os profissionais da imprensa possam trabalhar com segurança sem serem agredidos.

O jornalista haitiano Robeste Dimanche

Robeste Dimanche, repórter da Rádio Télé Zénith, passou mais de 10 horas detido após ser espancado a bordo de um veículo policial. (Foto: Captura de tela de Tande Koze no YouTube)

"É incompreensível que um jornalista possa ser morto por um policial, quando está na porta de uma delegacia exigindo a libertação de um colega detido por fazer seu trabalho", disse Artur Romeu, diretor do Escritório Latino-Americano da Repórteres Sem Fronteiras. "As autoridades devem acabar com a violência contra os jornalistas no Haiti. Sua inação e a sensação de impunidade que dela deriva provocam cada vez mais agressões".

Segundo a Repórteres Sem Fronteiras, 2022 é o ano com o maior número de assassinatos de jornalistas no Haiti em duas décadas.

A Associação Interamericana de Imprensa (SIP) aprovou em sua 78ª Assembleia Geral, realizada de 27 a 30 de outubro,  uma resolução sobre o Haiti, na qual destaca que o clima de violência e a crise política, econômica e de segurança em que o país se encontra mantêm os jornalistas indefesos e em alto risco.

“[A Assembleia resolveu] Pedir ao governo [do Haiti] que garanta a preservação da liberdade de expressão e o exercício livre e seguro do jornalismo. Instar os órgãos de imprensa das Américas a expressar sua solidariedade e apoio aos jornalistas e meios de comunicação que continuam cumprindo sua missão informativa apesar das circunstâncias de alto risco”, disse a SIP em sua resolução.

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) também condenou os acontecimentos e exigiu a implementação no Haiti da Convenção para a Segurança e Independência dos Jornalistas, para evitar que os trabalhadores da imprensa do país continuem em perigo.

“Este ano, a violência que assola o Haiti já deixou seis jornalistas mortos, vítimas tanto do crime organizado quanto da Polícia, que, longe de garantir a segurança e a integridade, tornou-se mais um fator de risco para os jornalistas”, disse a organização em um comunicado. “Neste contexto de crise, o papel dos comunicadores é vital para divulgar a realidade que o povo haitiano está passando, e essa tarefa não pode ser realizada em liberdade sem condições seguras de trabalho."

A Associação de Trabalhadores da Mídia do Caribe (ACM, na sigla em inglês) pediu uma investigação rápida e completa que leve ao processo criminal dos responsáveis ​​pelo assassinato de Vilcin. Ela também pediu às autoridades que acabem com o exercício de práticas violentas contra os trabalhadores da imprensa durante o desempenho de seu trabalho.

"Estamos particularmente preocupados que, no atual clima de violência criminal generalizada, aparentemente não tenha havido nenhuma tentativa de garantir que o trabalho da imprensa livre seja observado e protegido", disse a organização em comunicado.

Ano sangrento para o jornalismo haitiano

Uma semana antes do assassinato de Vilcin, autoridades da cidade de Les Cayes, no sul do Haiti,  anunciaram a descoberta do corpo sem vida do radialista Garry Tess, dado como desaparecido no dia 18 de outubro. Tess foi analista política do programa de rádio “Gran Lakou”, da emissora Radio Lébon FM de Les Cayes.

O CMEL detalhou que os restos mortais de Tess foram encontrados debaixo de uma ponte em uma obra portuária no bairro conhecido como Foko. Em comunicado de 25 de outubro, a organização destacou que, segundo sua própria análise e depoimentos de familiares do comunicador, por trás do desaparecimento de Tess estariam o comissário do governo em Les Cayes, Ronald Richemond, e o diretor da polícia na região, Daniel Compère.

Richemond negou qualquer responsabilidade pelos eventos e lembrou à imprensa que Tess tinha um registro legal relacionado a uma disputa sobre a venda de terras. Por sua vez, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) condenou o incidente e disse que vai investigar se a morte do comunicador está relacionada ao seu trabalho.

Journalists who have been killed in Haiti in 2022

Amady John Wesley, Wilguens Louissaint, Tayson Lartigue, Frantzsen Charles, Maxihen Lazarre, Garry Tess, Romelson Vilcin e Fritz Dorilas são os comunicadores que foram mortos até agora em 2022 no Haiti. (Foto: Facebook)

 

 

Aos jornalistas assassinados se somam Frantzsen Charles e Tayson Lartigue, que foram privados de suas vidas e depois queimados em 11 de setembro, enquanto faziam uma reportagem na comuna de Cité Soleil, palco de um confronto sangrento entre gangues.

No início deste ano, o fotojornalista Maxihen Lazarre morreu com ferimentos de bala no estômago enquanto cobria um protesto de trabalhadores têxteis em 23 de fevereiro. Testemunhas afirmaram que foram os policiais que efetuaram os disparos.

Em 6 de janeiro, Wilguens Louissaint e Amady John Wesley também foram mortos a tiros enquanto cobriam conflitos de gangues no bairro de Petion-Ville, em Porto Príncipe. Wesley trabalhou para a estação canadense Radio Écoute FM, enquanto Louissaint foi repórter dos veículos digitais Tele Patriote e Tambou Verite.

'A situação é caótica'

Não apenas a violência e a brutalidade policial impedem os jornalistas haitianos de realizar seu trabalho livremente. Múltiplos fatores da crise política e social que o país vive também têm causado estragos no exercício da liberdade de imprensa.

Godson Lubrun, presidente da Associação Haitiana de Mídia Online (AHML), descreveu a situação vivida pela mídia em seu país como “caótica”. O jornalista disse à EFE que, desde 2010, dezenas de colegas deixaram o país para se refugiar nos Estados Unidos, no Canadá e na República Dominicana devido à insegurança, às más condições de trabalho e à pobreza.

A escassez de água e combustível afetou diretamente a mídia. O jornal Le Nouvelliste anunciou em outubro deste ano a suspensão temporária da publicação de sua versão impressa devido à crise dos combustíveis.

Capa do jornal Hait Le Nouvelliste

Em sua edição de 27 de outubro, o jornal Le Nouvelliste anunciou que deixaria de imprimir sua versão em papel e a tentativa de assassinato do jornalista Roberson Alphonse. (Foto: Twitter @nouvelliste)

“A direção do jornal Le Nouvelliste está nessa penosa obrigação, pela impossibilidade de reabastecer, distribuir o jornal e depois de esgotar seu último estoque de papel”, anunciou em 27 de outubro o veículo, que é o único jornal impresso do Haiti e o jornal de língua francesa mais antigo do continente, fundado em 1898.

Devido à crise na mídia, muitos jornalistas haitianos estão se tornando profissionais independentes ou trabalhando como freelancers para a mídia estrangeira, embora esses tipos de empregos não sejam suficientes para se sustentar.

“As oportunidades para jornalistas freelancers no Haiti são mínimas, […] porque há muito poucos meios de comunicação locais que solicitam trabalho freelancer. Esta é uma situação que enfraquece economicamente os jornalistas independentes”, disse Milo Milfort , editor-chefe do veículo de investigação haitiano Enquet'Action, à Rede Internacional de Jornalistas (IJNET) .

A ACM alegou que não houve tentativa por parte das autoridades de garantir o respeito e a proteção do trabalho da imprensa. Ela também disse que a suspensão da versão impressa do Le Nouvelliste é uma consequência direta dessa indiferença.

"A ACM compartilha a profunda preocupação de todos os jornalistas caribenhos sobre a deterioração da situação no Haiti e seu impacto na prática do jornalismo independente", disse a organização. "Nossos bravos colegas têm todo o nosso apoio, e incentivamos mais esforços diplomáticos e regionais que possam ter o impacto de colocar a situação sob algum controle."

More Articles