texas-moody

Arrasado pelo governo Ortega-Murillo, jornalismo da Nicarágua aposta em resistência, resiliência e reinvenção

“Corajoso”, “esperançoso”, “combativo” e “criativo”. Foi assim que quatro jornalistas nicaraguenses descreveram o jornalismo que se faz em seu país durante o painel “SOS Nicarágua: jornalistas presos, perseguidos e exilados” que aconteceu em 3 de abril durante o 15º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital na Universidade do Texas em Austin.

Lúcia Pineda, Octavio Enriquez, Hans Lawrence Ramirez e Jennifer Ortiz conversaram com o moderador do painel Dagmar Thiel, CEO da ONG Fundamedios, sobre as condições em que o jornalismo é feito, como conseguem superar obstáculos no campo e no exílio e até como a comunidade internacional pode ajudar a superar essas barreiras.

Periodistas nicaragüenses durante panel de Coloquio Iberoamericano

Dagmar Thiel, Octavio Enríquez, Hans Lawerence Ramírez, Lucía Pineda, e Jennifer Ortiz. (Patricia Lim/Knight Center)

 

A situação do jornalismo na Nicarágua se agravou em 2018, quando ocorreram os protestos massivos dos cidadãos contra o governo de Daniel Ortega e foram noticiados por diferentes meios de comunicação. Em retaliação e desde então, notícias sobre jornalistas sendo espancados, perseguidos, processados, presos, forçados ao exílio e até o confisco de meios de comunicação pelas autoridades têm sido comuns. O ano de 2021, por exemplo, foi listado como o ano mais violento contra a imprensa desde 2018.

Os jornalistas nicaraguenses, porém, não desistem e deixaram claro.

“Eu não quero que eles nos vejam como derrotados porque não somos. Continuamos a fazer jornalismo e vamos continuar”, disse Octavio Enríquez, jornalista investigativo da Confidencial, um meio de comunicação cuja sede foi invadida duas vezes.

Enríquez explicou, no entanto, que fazer esse tipo de jornalismo “é como mergulhar no escuro”, especialmente considerando que até as fontes sofrem represálias se ousam falar.

Ele explicou que é por meio de três leis com que a imprensa é perseguida: a primeira é aquela com a qual tentam punir as chamadas notícias falsas – mas que cabe às autoridades definir o que são notícias falsas. A segunda tem a ver com o tipo de financiamento recebido pelos meios de comunicação e organizações, usada na acusação a jornalistas e representantes da Fundação Violeta Barrios de Chamorro. Finalmente, a terceira lei diz respeito à soberania. Com isso, uma crítica ao governo pode ser marcada como traição ao país.

“E não estou dizendo isso teoricamente. A maioria das mais de 40 pessoas que foram detidas, incluindo jornalistas e sete candidatos presidenciais […], foi acusada ​​precisamente, e recentemente foram condenados por isso, por esses 'crimes' entre aspas”, disse Enríquez. “Então, é um contexto completamente adverso, e a verdade é que o que tentamos é assumir o compromisso [de continuar informando].”

Lucía Pineda, diretora do canal 100% Noticias, foi uma dessas jornalistas presas por exercer sua profissão. “[Informar] nos custou nossa liberdade, nossas vidas e também […] ele nos tem no exílio, ele ainda tem outros na cadeia.”

Na noite de Em 21 de dezembro de 2018, membros da polícia entraram no canal e prenderam Pineda, Miguel Mora (então diretor e fundador do canal) e Verónica Chávez, diretora executiva do canal, que foi liberada horas depois. De acordo com Pineda, eles foram levados para 'El Chipote' “uma prisão de tortura” e depois ela foi transferida para outro centro penitenciário onde foi isolada, mantida incomunicável e até teve que dormir no chão.

“Quero dizer a vocês que, literalmente, o jornalismo nicaraguense foi arrasado. Era para que todos estivéssemos mortos”, disse Pineda. "Oprimidos em tudo: sem canal de televisão, sem equipe, sem nossa liberdade de informar, muitos forçados ao exílio."

Seis meses depois, ela saiu da prisão “desesperada” para abrir 100% Noticias, desta vez por meio de uma plataforma totalmente digital. A sede do canal foi confiscada naquele mesmo dezembro de 2018 e posteriormente convertida em centro de reabilitação que segundo Pineda "nem está sendo usado". Ela disse que eles conseguiram continuar informando sobre a Nicarágua gratuitamente, porque apesar de ter modelos de assinatura, ele aponta que a economia do país não é boa o suficiente para cobrar sua audiência. Através da doação de algumas pessoas e bolsas a que se candidataram, conseguiram obter recursos.

“O que está acontecendo é triste, mas acho que há esperança porque estamos vivos, porque somos livres, embora no exílio e continuamos resistindo. E a melhor forma que temos de defender a liberdade de imprensa é realizando nosso trabalho como jornalistas”, disse Pineda.

Panel SOS Nicaragua durante el Coloquio Iberoamericano de Periodismo Digital

Nicaraguan journalist Lucía Pineda talks about the difficulties of reporting in her country. (Patricia Lim/Knight Center)

Um desses veículos que continuaram defendendo a liberdade de imprensa apesar dos obstáculos foi o jornal La Prensa. Em seus mais de 95 anos de história, eles começaram a ver o bloqueio das suas matérias-primas pela Direção-Geral das Alfândegas: segundo denunciaram, o papel de jornal e a tinta permaneceram retidos.

Diante disso, explicou Hans Lawrence Ramírez, jornalista do jornal, eles imprimiram duas capas nas quais tentaram explicar ao público a gravidade do assunto. Uma delas, por exemplo, ficou completamente em branco com a afirmação “Já se imaginou vivendo sem informação?”.

A este bloqueio foi posteriormente adicionado o busca ilegal de suas instalações pela polícia. Desde sexta-feira, 13 de agosto de 2021, eles estão sob custódia da polícia que não permite a entrada de pessoas, nem mesmo para manter máquinas ou proteger a biblioteca de jornais que contém "quase um século de história" do país. O confisco de sua sede também significou a perda de pelo menos 130 empregos: entre jornalistas, pessoal administrativo e técnico, conforme explicado. Além disso, o único jornal impresso que restava no país chegou ao fim.

O próprio Ramírez sofreu em primeira mão os perigos de ser jornalista. Em março de 2020 sofreu uma surra brutal. Ele finalmente decidiu ir para o exílio para ficar em segurança.

É por isso que Ramírez está convencido de que o jornalismo se faz no país com os três R's: resistência, resiliência e reinvenção constante. La Prensa, por exemplo, "está se reinventando e se reinventando e continua sendo feita clandestinamente da Nicarágua, principalmente do exílio, e totalmente digital".

Para Jennifer Ortiz, que também foi forçada ao exílio depois de ver como sua família estava sendo exposta aos perigos do jornalismo, a crise do país de alguma forma ajudou o veículo que ela e seu marido criaram, Nicarágua Investiga.

“Havia uma grande sede de informação, as pessoas queriam saber o que estava acontecendo e as pessoas procuravam os meios de comunicação”, explicou Ortiz. No entanto, ele assegurou que o que mais os ajudou é "a credibilidade que a mídia independente construiu ao longo de muitos anos".

Ortiz disse que ao contrário do maquinário que a família Ortega Murillo tem investido na mídia, fazendo com que atualmente entre 80-90% da mídia do país seja oficial – segundo seus números – a mídia independente teve que trabalhar com recursos limitados, mas permanecem graças a essa credibilidade.

E parece que está dando a eles sucesso. A Nicarágua Investiga já tem 160 mil seguidores em seu canal no YouTube, 200 mil no Facebook e 50 mil no Twitter.

“O jornalismo hoje é mais necessário do que nunca. É mais necessário porque precisamos que o mundo saiba o que está acontecendo na Nicarágua, essa enorme máquina de desinformação que o governo de Daniel Ortega tem, que está sempre vendendo uma imagem completamente diferente do que realmente está acontecendo no país”, disse Ortiz. “Existem realmente duas Nicaráguas. A verdadeira Nicarágua, que é o que você está vendo aqui: exílio, confisco, morte, mais de 328 vítimas em 2018, mais de 170 presos políticos, mais de 140 jornalistas exilados. Isso diz muito e contrasta com o que o governo de Daniel Ortega tem dito.”

Os jornalistas também falaram com a comunidade internacional sobre o que ela poderia fazer para ajudar. Desde a doação de equipamentos – muitos foram confiscados ou destruídos – até continuar denunciando o que está acontecendo no país. Apelaram também à formação continuada dos meios de comunicação e jornalistas do país, mas apelaram especialmente às grandes plataformas tecnológicas para ajudar a promover a informação relacionada com o país e a analisar com diferentes olhares quaisquer alegações sobre o conteúdo destes meios de comunicação que incluam o contexto de Nicarágua.

“Sei que há muitas disposições que estão nos parâmetros do YouTube e do Google, [mas] a situação na Nicarágua é diferente, diferente de outros países. Acho que deve haver um pouco de entendimento aí, porque há afirmações que estão além de toda lógica”, disse Pineda.

Você pode assistir ao vídeo de todo o 15º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital em espanhol. O encontro anual, tradicionalmente realizado após o Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), é organizado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas.

More Articles