texas-moody

Fevereiro começa com mais violência contra jornalistas no México, e presidente López Obrador intensifica discurso estigmatizante contra imprensa

Após um início de 2022 sangrento para a imprensa no México, com um total de quatro assassinatos e duas tentativas frustradas de assassinato de jornalistas em janeiro, os casos de violência contra membros da imprensa continuam a aparecer no segundo mês do ano. Enquanto isso, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, elevou o tom de seu discurso hostil à mídia do país.

A imprensa mexicana ainda estava consternada com os assassinatos em Tijuana do fotojornalista Margarito Martínez e da jornalista Lourdes Maldonado, em 17 e 23 de janeiro, respectivamente; e pela morte a facadas em Veracruz do jornalista José Luis Gamboa em 10 de janeiro, quando Roberto Toledo, cinegrafista e editor de vídeo do site  Monitorar Michoacán, foi morto a tiros em 31 de janeiro na cidade de Zitácuaro, no estado de Michoacán.

O comunicador foi atingido por oito tiros disparados por um número desconhecido de agressores depois de ouvir a campainha e sair para abrir a porta do escritório de um dos editores do site, onde havia ido gravar uma coluna de vídeo. Toledo morreu antes que os serviços de emergência chegassem ao local, informou o El País.

“Exibir corrupção de governos, funcionários e políticos hoje levou à morte de um de nossos colegas”, disse Armando Linares, diretor do Monitor Michoacán, em uma transmissão no Facebook pouco depois. Linares também disse que seu veículo recebeu ameaças de morte em decorrência de suas críticas às autoridades municipais e estaduais.

Armando Linares, director de Monitor Michoacán, anunció el asesinato de su compañero Roberto Toledo en una transmisión en Facebook. (Captura de pantalla de Facebook Live)

Armando Linares, diretor de Monitor Michoacán, anunciou o assassinato de seu colega Roberto Toledo em uma transmissão no Facebook. (Captura de tela / Facebook Live)

A Presidência mexicana condenou o crime de Toledo, mas ao mesmo tempo tentou desviar a atenção da profissão da vítima, o que organizações como o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) consideraram uma tentativa de minimizar a gravidade do referido ataque à imprensa.

Jesús Ramírez Cuevas, porta-voz da presidência de López Obrador, disse em um tuíte que Toledo não era jornalista, mas sim colaborador de um escritório de advocacia, apesar de em um tuíte anterior ter se referido a ele como jornalista. Esta posição foi replicada pelas autoridades locais em Zitácuaro. No entanto, Linares esclareceu posteriormente que Toledo, de fato, gerava conteúdo para o Monitor Michoacán e que, embora também fosse assistente do advogado Joel Vera, este é colunista do portal e divide escritórios com o meio digital.

“Repudiamos o ataque covarde ocorrido em nossas instalações, esclarecendo que os escritórios do Monitor Michoacán também estão localizados nesse mesmo local, pelo que solicitamos à Câmara Municipal de Zitácuaro que não tente deturpar a informação, bem como vários meios de comunicação, divulgando que [Toledo] não era colaborador de um meio digital”, escreveu Vera em sua conta no Facebook.

Um dia após o assassinato de Toledo, no primeiro dia de fevereiro, dois fotojornalistas foram atacados na Cidade do México durante uma cobertura. Ernesto Álvarez, do Canal 11, e Iván Montaño, do Diario Pásala, foram capturar imagens de duas execuções na Prefeitura de Azcapotzalco quando foram espancados por moradores locais. Outro repórter presente no local, Juan Carlos Alarcón, informou que a polícia da Cidade do México foi quem incitou as pessoas a atacar os jornalistas.

Dois jovens foram presos pelos ataques, enquanto as autoridades locais anunciaram que iniciariam uma investigação. Um dos jornalistas teve o nariz deslocado, enquanto o outro teve um ferimento na cabeça, segundo a mídia local.

Horas depois, naquele mesmo dia, no estado de Quintana Roo, um homem armado invadiu a casa do jornalista Netzahualcóyotl Cordero, diretor do meio digital local CGNoticias. O comunicador informou que o agressor ameaçou sua prima com uma arma de fogo antes de entrar em sua casa com a intenção de atirar contra ele.

“Ele me disse textualmente 'jornalista, eu vim atrás de você', ele colocou uma arma na minha cabeça e quando ele engatilhou a arma, eu levantei a mão dele com a mão esquerda. Muitos vizinhos saíram e tiraram a arma dele e com a mesma arma bateram nele", disse Cordero ao portal Marcrix Noticias.

O agressor foi levado ao hospital pelos golpes e três dias depois recebeu alta e foi levado para prisão preventiva. O jornalista assegurou que já havia recebido ameaças por telefone, além de imagens da fachada de sua casa, na divisa entre Cancún e o município de Isla Mujeres.

O mais recente incidente de violência relacionado à imprensa ocorreu em 6 de fevereiro, quando Marco Ernesto Islas, filho do jornalista Marco Antonio Islas, foi morto a tiros em Tijuana. A Procuradoria do Estado de Baja California anunciou em nota que a vítima não era jornalista e que seus familiares haviam declarado que ele não realizava trabalho informativo.

No entanto, a mídia informou que Islas havia fundado o portal de notícias NotiredesMX, que deixou de funcionar em 2019. em 31 de janeiro, seu pai publicou uma coluna em sua página de notícias do Facebook Zona Norte Noticias em que questionava o nível de responsabilidade do ex-governador Jaime Bonilla na morte da jornalista Lourdes Maldonado.

“Por enquanto, não estamos considerando este caso [como um ataque a um jornalista], pois não há indícios de que ele estivesse trabalhando no momento do ataque. Além disso, não temos evidências neste momento de que o ataque tenha ocorrido como resultado direto de seu trabalho. No entanto, continuaremos monitorando o caso muito de perto”, disse Jan-Albert Hootsen, representante no México do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), à LatAm Journalism Review (LJR).

Palavras hostis do Palácio Nacional

Nos primeiros dias de fevereiro, López Obrador dedicou mais tempo e mais adjetivos às suas agressões verbais desde sua coletiva de imprensa matinal e chegou a fazer acusações diretas contra jornalistas específicos.

López Obrador llamó "corrupto", "mercenario" y "golpeador" al periodista Carlos Loret de Mola tras una investigación sobre el hijo del presidente. (Foto: Captura de pantalla de transmisión de Latinus)

López Obrador chamou de "corrupto" e "mercenário" o jornalista Carlos Loret de Mola após uma investigação sobre o filho do presidente. (Captura de tela / YouTube)

"Acho que vemos as consequências mais perigosas da constante retórica anti-imprensa do presidente López Obrador em como a opinião pública no México sente a urgência de enfrentar a violência contra a imprensa", disse Hootsen. “Se considerarmos que o presidente continua a gozar de um apoio bastante amplo no México e que a opinião de muitas pessoas que o apoiam é influenciada por sua retórica, verifica-se que eles compartilham a hostilidade do presidente em relação à imprensa.”

Após a publicação da investigação "Assim vive o filho mais velho de AMLO em Houston", da organização Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade (MCCI) e a plataforma digital Latinus, em 27 de janeiro, o presidente criticou em diversas ocasiões nos dias que se seguiram o jornalista Carlos Loret de Mola, apresentador do Latinus, e o descreveu como um "golpeador, corrupto, mercenário, sem ideais e sem princípios".

Desde o início do governo López Obrador, em 2018, Loret de Mola tem veiculado em seu programa diversas investigações sobre casos de corrupção envolvendo parentes diretos do presidente. Esta última reportagem revelou que o filho mais velho do presidente morava em uma luxuosa casa em Houston que supostamente pertence a um empreiteiro da PEMEX.

Outra jornalista atacada diretamente pelo presidente foi Carmen Aristegui, que reproduziu a reportagem do MCCI e da Latinus em seu programa “Aristegui en Vivo”. A jornalista equiparou o escândalo da casa do filho de López Obrador com o da "Casa Branca" da então esposa do ex-presidente Enrique Peña Nieto.

Em resposta, López Obrador disse em 4 de fevereiro que Aristegui era partidária do bloco "conservador" que é contra seu governo e chamou de "caluniosos" as reportagens que ela apresentou em seu programa.

"[...] Carmen Aristegui mantém, com sutileza, a mesma máxima do 'submundo do jornalismo', que caluniar, quando não mancha, tinge", disse o presidente.

Desde antes de ser eleito presidente, López Obrador usa o termo “conservadores” para desacreditar qualquer um que se oponha às suas políticas. Desde 2020, o presidente incluiu uma seção em sua conferência matinal chamada “Quem é quem nas notícias falsas?”, durante a qual responde e desqualifica as críticas da mídia e dos jornalistas.

López Obrador dedica una sección en su conferencia matutina para refutar y descalificar reportes de la prensa. (Captura de pantalla de transmisión en YouTube)

López Obrador dedica uma sessão em sua conferência matutina para refutar e desqualificar reportagens da imprensa. (Captura de tela / YouTube)

Outras expressões que López Obrador usa constantemente para se referir à imprensa são “fantoches”, “hipócritas”, “dupla cara”, “imprensa fifi”, “neoliberais” e “máfia do poder”.

“[A atitude contra a imprensa] não apenas desvia a atenção das poucas políticas públicas que o governo López Obrador desenvolveu para combater a impunidade e melhorar a proteção dos jornalistas no México, mas também gera hostilidade aberta em relação aos jornalistas que foram ameaçados por seu trabalho”, disse Hootsen. “O melhor exemplo é o caso da jornalista Azucena Uresti, que recebeu ameaças no ano passado, supostamente do líder do Cartel Jalisco Nova Geração. Embora o presidente tenha dito que essas ameaças eram inaceitáveis ​​e que o caso tinha que ser tratado imediatamente, vi muitas manifestações de ódio contra Uresti nas redes sociais, até de pessoas que diziam que ela 'merecia' por representar 'a direita' e 'ser contra o presidente'”.

Em 4 de fevereiro, a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) anunciou que havia enviado uma carta a López Obrador pedindo-lhe que parasse com seu “discurso estigmatizante contra a imprensa”, pois poderia estar dando “carta branca” a criminosos para silenciar jornalistas.

“Estamos escrevendo para você desta forma para pedir que enfrente a seriedade do momento com toda a energia e decisão que forem necessárias e que, nesse contexto, você suspenda todo discurso estigmatizante contra a mídia e os repórteres. Porque essa prática [...] representa hoje um incentivo para que os violentos descarreguem sua fúria assassina sobre jornalistas indefesos”, indicou a SIP em sua carta. “Quando se desqualifica o trabalho da imprensa, quando se atacam os que informam e investigam, quando se cria oposição com o jornalismo como estratégia política, abre-se a porta para os violentos, para os intolerantes.”

Mais artigos