texas-moody

Caso de fotojornalista peruano que pediu garantias de vida abre importante precedente em matéria de proteção

Um policial vestido com roupas civis, vestindo um colete à prova de balas, dispara diretamente com uma arma de fogo, o cartucho da bala voa pelo ar. O fotojornalista Iván Orbegos estava no local -- na região peruana de La Libertad -- para fotografar um protesto contra uma proposta de lei agrária, capturou esse momento decisivo que o levaria a pedir ao governo a concessão de garantias para sua vida.

Foto: Iván Orbegoso/La Industria

Policial disparando frontalmente durante manifestação contra lei agrária. (Foto: Iván Orbegoso/La Industria)

No final de 2020, uma proposta de lei agrária que prejudicava os trabalhadores rurais do Peru gerou uma série de protestos em todo o país. A repressão policial foi violenta e houve dezenas de feridos e pelo menos duas mortes em La Libertad.

A foto de Orbegoso foi imediatamente divulgada nas redes sociais, jornais nacionais e internacionais pela agência noticiosa espanhola EFE. O fotógrafo teve que buscar as autoridades de sua região para pedir garantias para sua vida porque começou a receber ameaças de algumas contas anônimas no Facebook.

“A polícia foi fazendo os manifestantes recuarem até serem levados para uma parte mais remota, um campo aberto, onde tudo parecia uma fazenda, perto da [rodovia] Pan-americana. É onde eu ouço os tiros e corro para tirar a foto”, disse Orbegoso à LatAm Journalism Review (LJR), sobre o momento em que tirou a polêmica foto do policial atirando.

A polícia estava permitindo transmissões ao vivo, não fotografias, disse o fotógrafo, acrescentando que tanto a polícia quanto os manifestantes foram agressivos com a imprensa no local.

Após as ameaças, Orbegoso foi obrigado a mudar de rotina.

“Tenho tomado todos os cuidados necessários no sentido de que os locais, por exemplo, onde costumava comer - porque estou sempre na rua -, por exemplo, já não frequento. Ou onde eu ia pegar meu carro para voltar para casa, agora vou por outro caminho. Não é mais o mesmo de antes. … Às vezes me assusta ”, disse Orbegoso.

Em 13 de janeiro, a Associação Nacional de Jornalistas do Peru (ANP, por sua sigla em espanhol) denunciou as ameaças contra Orbegoso, ao mesmo tempo que a Associação de Fotojornalistas do Peru (AFPP).

A princípio, a prefeitura da região de La Libertad negou a Orbegoso as garantias de proteção por não poder provar que sua vida corria perigo. No entanto, eles mais tarde concordaram e concederam-lhe proteção. Zuliana Lainez, secretária-geral da ANP, disse à LJR que o caso Orbegoso abre um precedente importante no Peru.

“Existem vários casos de jornalistas no Peru que foram agredidos. Principalmente quando se trata de questões de cyberbullying, em que quando vão à prefeitura para pedir garantias, o argumento é sempre o mesmo, que por não apresentarem evidências que mostrem que sua vida está em perigo, pois não conseguem identificar os agressores com nome e sobrenome, negam-lhes as garantias. Por isso o que aconteceu com Iván vai servir de precedente", disse Lainez.

LJR tentou se comunicar com a Prefeitura Regional de La Libertad, mas não obteve resposta.

O Ministério Público conseguiu identificar, por meio de um perito e da fotografia da Orbegoso, o suboficial da polícia Víctor Bueno como responsável pela morte de um trabalhador que participou da marcha de Virú em La Libertad, no dia da tomada da polêmica fotografia, publicada pela Peru jornal La República.

Em entrevista ao El Comercio, o ministro do Interior José Elice disse que iria encontrar-se com o alto comando da peruana polícia Nacional (PNP) para esclarecer o que aconteceu entre a polícia e os manifestantes durante o protesto em La Libertad.

“Se o que esta fotografia revela corresponde à verdade, não se trata apenas de um membro do PNP que não devia estar ali como está, é visto com uma arma de fogo que não corresponde segundo essas circunstâncias", disse o ministro, segundo o El Comercio.

A foto de Orbegoso foi indicada ao Prêmio Nacional de Jornalismo convocado pelo Instituto de Imprensa e Sociedade (IPYS) do Peru e da Universidad Nacional Mayor de San Marcos nas categorias Fotografia Jornalística e Grande Prêmio Nacional, disse Adriana León, diretora da área de informativo liberdades de IPYS, à LJR.

Foto: Renzo Salazar/El Comercio

Fotojornalista peruano Iván Orbegoso sendo levado pela polícia durante manifestação. (Foto: Renzo Salazar/El Comercio)

Orbegoso sofreu danos em seus equipamentos de trabalho em mais uma manifestação da série de protestos contra a lei agrária que o governo iria aprovar. Renzo Salazar, fotojornalista do El Comercio, tirou uma foto de Orbegoso sendo arrastado pela polícia.

Salazar, que costuma cobrir manifestações, também contou como a polícia sempre os ataca, apesar de ser identificada como a imprensa. “Uma vez, [em uma manifestação] um policial me disse para recuar ou eu atiro em você '... naquele momento eu perdi toda a fé, toda esperança naquela instituição”, Salazar disse à LJR.

Após a violenta repressão policial nas manifestações dos últimos meses no Peru, a AFPP está organizando uma série de palestras informativas sobre medidas de proteção para fotojornalistas.

“Tendo em vista que nas passeatas de novembro a polícia atirou em vários colegas, fomos obrigados a pelo menos dar um pequeno treinamento para os fotógrafos da organização”, disse Jose Vidal, presidente da AFPP, à LJR.

Esta primeira palestra da AFPP foi proferida por Jesús Olarte da Agence France Presse (AFP), na qual compartilhou os protocolos de segurança que os jornalistas da agência têm em nível internacional. Entre os conselhos dados está a saída em grupo ou em par para cobrir manifestações, usando capacete, colete protetor, botas de cano alto e máscara de gás.

“A partir de novembro, a coisa nos fez refletir porque houve pessoas que morreram, porque os tiros da polícia foram diretos”, disse Vidal.

O Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), liderado por Michelle Bachelet, disse em seu relatório que nos protestos ocorridos entre 9 e 15 de novembro, a polícia violou as normas e padrões internacionais de direitos humanos.

Jornalistas e profissionais da mídia foram afetados por "restrições, ameaças e ataques", o que representou uma deterioração da liberdade de expressão, segundo o relatório.

Mais artigos