texas-moody

Jornalistas ambientais mexicanos se unem para lançar a Rede de Jornalismo do Mar

O que acontece no mar tem um impacto direto na vida das pessoas fora dele. Ainda mais no México, que tem um litoral com extensão de mais de 11 mil quilômetros e onde há pelo menos 150 municípios costeiros. É por isso que a organização mexicana Causa Natura lançou a Rede de Jornalismo do Mar (Repemar, na sigla em espanhol), uma iniciativa que busca articular jornalistas interessados ​​em questões marinhas, oferecer apoio, acompanhamento, capacitação e oportunidades de financiamento. 

“Ficou cada vez mais claro que o jornalismo ambiental não pode dar as costas ao que acontece nos oceanos. Embora no México existam outras redes que reúnem jornalistas ambientais, vimos uma lacuna justamente nas questões marinhas”, disse Juan García Hernández, coordenador de jornalismo de dados da Causa Natura e fundador da rede, à LatAm Journalism Review (LJR). 

A rede foi possível graças ao apoio financeiro da Internews Earth Journalism Network, que trabalha pela conservação ecológica e permite que jornalistas de países em desenvolvimento cubram o meio ambiente de forma mais eficaz. Atualmente , o primeiro bloco de repórteres da rede foi formado, composto por profissionais da região noroeste do México, especificamente dos estados de Sinaloa, Sonora, Baja California e Baja California Sur.

“Tornou-se uma região importante para nós pela sua riqueza ecológica e marinha, e pelo que acontece na produção pesqueira. A ideia é poder formar outros dois blocos com participantes de outras regiões do México, como leste e sudeste do país. Assim, no final do ano, podemos ter cerca de 30 jornalistas na rede”, explicou García. 

Primeira reunião da rede

Em maio passado, dez jornalistas se reuniram em La Paz, capital do estado mexicano de Baja California Sur, para o primeiro encontro da Rede de Jornalismo do Mar. No encontro de dois dias, os participantes puderam ter um panorama da história ambiental da região por meio de um historiador, fizeram um tour por vários pontos da cidade e conheceram as iniciativas ambientais de sucesso na região. 

“Quando soube da convocação, me candidatei porque tenho interesse em continuar treinando para fazer mais e melhor jornalismo especializado. Principalmente porque comecei a me aventurar no assunto há apenas três anos com a criação do Son Playas, então ainda tenho muito a aprender e melhorar”, disse à LJR Raquel Zapien, diretora-fundadora do Son Playas, veículo especializado em meio ambiente e ecossistemas costeiros.

Foto da primeira reunião da rede

A primeira reunião da rede foi realizada em maio de 2022 em La Paz, capital do estado mexicano de Baja California Sur (Foto: Patricia Ramírez da Causa Natura)

Son Playas é o primeiro meio de comunicação especializado em meio ambiente em Sinaloa. Segundo Zapien, a iniciativa surgiu de sua preocupação com a deterioração do ambiente natural e a poluição constante das praias. Então, ela decidiu explicar a crise ambiental em nível local, ou seja, a partir do que as pessoas conhecem e vivem no dia a dia.

“Em cidades pequenas e médias, como Mazatlán [onde moro], praticamente não há opções de treinamento para jornalistas. Por isso, construir redes é importante para se atualizar e também ter apoio e/ou acompanhamento, principalmente se você for um jornalista independente”, explicou Zapien. 

Outro jornalista que decidiu participar pelo potencial da rede para criar laços colaborativos é César Ernesto Hernández, editor-chefe da revista Espejo, que mora em Culiacán.

“Decidi participar pela possibilidade de conhecer outros contextos, de ver histórias e situações paralelas que estão acontecendo em outras regiões do país. A ideia é poder fazer mais conteúdos sobre esses temas, principalmente colaborativos e com alto grau de incidência. Percebi que, atualmente, com a crise energética gerada pela guerra na Ucrânia, as crises inflacionárias, as batalhas pelo lítio e a reconversão energética, é dada especial importância às questões relacionadas aos recursos naturais e aos ângulos energéticos”, disse Hernández à LJR. 

Jornalismo ambiental também pode ser arriscado

O jornalismo ambiental é uma fonte que vem crescendo nos últimos anos no México e cada vez mais jornalistas estão interessados ​​em trazer essas questões para a sociedade. No entanto, isso não necessariamente se traduziu na criação de veículos especializados em meio ambiente ou seções exclusivas na mídia tradicional; os jornalistas consultados para este artigo concordam. 

“Parece-me que atualmente no México há um bom número de jornalistas ambientais, talentos e pessoas com experiência. Mas ainda há muito espaço a ganhar para o jornalismo ambiental e em termos do que ele pode oferecer ao público”, explicou García. “A cobertura ambiental no México se intensificou com o atual governo do presidente Andrés Manuel López Obrador (AMLO), porque vários de seus megaprojetos têm justamente um impacto ambiental significativo. Isso fez com que houvesse uma intersecção entre projetos e meio ambiente, e é preciso fazer um escrutínio do que está acontecendo”, acrescentou o jornalista. 

Jornalistas no primeiro encontro da Rede

A vulnerabilidade na cobertura de questões ambientais aumenta quando se trabalha de forma independente e em pequenas cidades. (Foto: Patricia Ramírez da Causa Natura).

O governo de AMLO tem se caracterizado por lidar com uma retórica violenta e estigmatizante contra a mídia e os jornalistas, como confirmado pelo Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Por sua vez, ano após ano, o México continua sendo um dos países mais perigosos e mortíferos do mundo para praticar o jornalismo. Até agora, em 2022, 12 jornalistas foram assassinados no país. 

A cobertura de questões ambientais não está isenta dos riscos sofridos pelos jornalistas mexicanos. Além disso, a vulnerabilidade do jornalista torna-se muito mais palpável quando ele trabalha de forma independente e está localizado em locais distantes das grandes cidades. 

“O jornalismo por si só é uma profissão de alta responsabilidade e alto risco. O jornalismo ambiental aumenta esse risco porque, por trás dos crimes ambientais e da exploração de recursos, frequentemente estão interesses econômicos e políticos. E se você adicionar a isso ser um jornalista ambiental independente (sem uma equipe de apoio) que mora em uma cidade pequena, o nível de risco aumenta”, disse Zapien. A fundadora da Son Playas explicou ainda que os jornalistas locais são mais fáceis de identificar ou encontrar, “geralmente te conhecem, sabem onde vive, que escola frequentam os nossos filhos, nos encontram na rua, no mercado. Isso nos torna mais vulneráveis”.

Um relatório de 2020 da RSF revelou que pelo menos dez repórteres ambientais foram mortos em todo o mundo em cinco anos — um deles era do México. Talvez o caso de destaque mais recente tenha sido o de Dom Phillips, um repórter britânico morto enquanto trabalhava para um livro sobre a Amazônia brasileira.

A convocação da Rede de Jornalismo do Mar nesse sentido, como explica a Causa Natura, é apoiar os jornalistas ambientais e formar redes que minimizem os riscos. 

“Os jornalistas ambientais, como todos os jornalistas no México, estão expostos a riscos que obviamente devem ser considerados ao realizar seu trabalho”, disse García. "Os jornalistas ambientais devem cuidar uns dos outros e a formação de redes é uma contribuição nesse sentido."

Mais artigos