texas-moody

Vencedora do Prêmio Cabot Mary Beth Sheridan diz que sua grande lição é "verificar cada fato", mesmo que a história pareça ótima

Um dos mais antigos e prestigiosos prêmios de jornalismo internacional, o Prêmio Maria Moors Cabot da Columbia Journalism School, premia este ano jornalistas de Brasil, México, Honduras e Estados Unidos com medalhas e citações especiais.

Mary Beth Sheridan, atual correspondente do The Washington Post no México e América Central, recebe o prêmio em 12 de outubro junto com colegas latino-americanos em reconhecimento por seu trabalho como jornalista e sua contribuição para um maior entendimento interamericano.

Mary Beth Sheridan

Mary Beth Sheridan en Ciudad Juarez, Chihuahua, México. (Foto: Michael Robinson Chavez/The Washington Post)

Sheridan já trabalhou como correspondente em Bogotá para o Miami Herald e no México para o Los Angeles Times. Em 2018, ela voltou ao México como correspondente, mas agora para o The Post.

De acordo com o The Washington Post, sua melhor reportagem no ano passado foi "Perdendo o controle". Nessa história, Sheridan mostra como a violência do crime organizado está transformando o México.

Durante uma recente viagem de reportagem ao país, ela percebeu que “tornou-se quase impossível para os jornalistas locais escreverem sobre o que estava acontecendo” na cidade sobre a qual ela estava escrevendo, como ela disse à LatAm Journalism Review (LJR).

A correspondente de longa data considera uma honra fazer parte da longa fila de mentores, colegas e pessoas que a inspiraram e que ganharam o Prêmio Cabot.

“Os vencedores latino-americanos do prêmio inspiraram meu trabalho; são verdadeiros heróis da transição democrática na região”, continuou ela.

Abaixo está a entrevista de Sheridan com LJR.

LatAm Journalism Review: Quando e por que você decidiu entrar no jornalismo?

Mary Beth Sheridan: Entrei no jornalismo em grande parte por acidente. Quando criança, eu adorava desenhar; Entrei no jornal do colégio com a esperança de ser cartunista. Eu não era muito boa nisso. Mas eu poderia escrever. Tornei-me editora do jornal e ganhei uma bolsa de estudos da rede de jornais Scripps-Howard para a faculdade. Para renovar a bolsa todos os anos, precisava continuar trabalhando no jornalismo; Tornei-me editora de notícias do jornal da faculdade e escrevia para os semanários locais.  

Quando terminei a faculdade, decidi ir para a Espanha, tentar iniciar uma carreira como correspondente. (Passei meu primeiro ano na Inglaterra e descobri a vida no exterior). Consegui um emprego de meio período na Associated Press em Madri e me apaixonei pelo ofício. Senti que a AP realmente cobria o mundo - e como foi divertido! Foi o início do que seriam oito anos na AP, e depois uma longa carreira como repórter e editor. 

LJR: Este ano, todas as ganhadoras do Prêmio Cabot são mulheres. Que desafios específicos você enfrentou como mulher fazendo reportagens sobre a América Latina?

MBS: Na maioria das vezes, as pessoas que entrevistei me levaram a sério; eles entenderam que eu represento um jornal importante - não importa o meu gênero.

Ainda assim, na década de 1990, lembro-me de ser ignorada às vezes em pequenos grupos de políticos ou jornalistas do sexo masculino. Embora seja um insulto, às vezes isso se mostra uma vantagem. As pessoas se esqueciam de que eu estava lá e falavam com mais liberdade ao meu redor do que de outra forma. Então, consegui obter mais informações.  

Na verdade, acho que ser uma jornalista pode ser uma vantagem. As pessoas às vezes veem as mulheres como mais acolhedoras ou menos ameaçadoras e se abrem mais.   

LJR: Qual é um erro importante que você cometeu em sua carreira, o que você aprendeu com ele e como isso influencia seu trabalho futuro? 

MBS: Em 2005, enquanto cobria a imigração em Washington. Eu escrevi como a intensificação da triagem de segurança pós-11 de setembro estava levando a atrasos intermináveis ​​para requerentes árabes e muçulmanos de green cards e passaportes dos EUA. Eu tinha o quadro geral definido, mas precisava de um caso para ilustrar o problema.

Um refugiado iraquiano ligou com a história perfeita: ele estava ansioso para voltar para casa e trabalhar como tradutor para os militares dos EUA em um momento crítico da guerra, mas seu pedido de imigração ficou preso. Liguei para um porta-voz da imigração dos EUA para perguntar sobre o caso, e ele nunca ligou de volta; Presumi que era porque as autoridades não podiam comentar, de acordo com as leis de privacidade. 

A história foi publicada e de repente o porta-voz ligou de volta. Acontece que o pedido do homem foi adiado porque ele cometeu um crime. Fiquei horrorizada com meu erro. Isso me ensinou a sempre verificar cada fato em um artigo e a ser cautelosa com minha própria tentação de acreditar em uma história realmente boa - uma história "boa demais para verificar".

LJR: Qual é a reportagem mais interessante que você escreveu recentemente?

MBS: Escrevi uma reportagem no início de junho sobre a violência extraordinária nas eleições locais mexicanas, um sinal dos esforços crescentes de grupos do crime organizado para controlar o território. Passei cinco dias em Taxco, uma charmosa cidade colonial de mineração de prata no estado de Guerrero que visitei pela última vez 20 anos antes. Hoje, um grupo criminoso assumiu o controle silencioso, mas firme da cidade - extorquindo dinheiro de motoristas de táxi, estabelecendo regras para alguns comerciantes, dominando a polícia. A viagem me permitiu entender a relação simbiótica entre grupos criminosos e políticos. Também percebi que se tornou quase impossível para os jornalistas locais escreverem sobre o que estava acontecendo. Um repórter local que expôs a corrupção foi morto a tiros do lado de fora de sua casa há alguns anos.

LJR: Nos últimos anos, o estado da mídia na região tornou-se cada vez mais desafiador. Qual é a sua visão para o futuro próximo do jornalismo no México e na América Central? 

MBS: Fiquei muito inspirada pelo surgimento de excelentes sites de jornalismo independente como El Faro, em El Salvador, e Animal Politico e Quinto Elemento Lab, no México. Apesar das condições difíceis - economia, perigo, opacidade do governo e mão pesada - esses jornalistas fizeram um trabalho muito bom.

Dito isso, existem muitas tendências preocupantes.  

Muitas organizações de notícias continuam dependentes da publicidade do governo e estão sujeitas à pressão oficial. Eles têm lutado para encontrar um modelo de negócios de sucesso que não dependa de financiamento governamental. Isso tem sido especialmente difícil em um momento de crise econômica e transformação digital.  

Em países como El Salvador e Nicarágua, há uma retaliação crescente do governo contra jornalistas e publicações críticas. No México, o presidente demonizou repórteres e organizações de notícias das quais discorda.   

E grupos do crime organizado silenciaram a mídia e mataram um número chocante de jornalistas. Infelizmente, não vejo isso mudando tão cedo. 

LJR: Que conselho você daria para jovens jornalistas? 

MBS: Continue lutando. Não desista. Bom jornalismo é difícil, mas é muito gratificante. Continue procurando maneiras de melhorar - ser um repórter melhor, um escritor melhor, um jornalista mais criativo.  

Seja implacável na busca pela qualidade - verificando três vezes seus fatos, sem comprometer a ética. Esteja disposto a experimentar ideias e maneiras de apresentar histórias e, se uma história não decolar imediatamente, não desanime. Continue tentando.   

LJR: O que receber este prêmio significa para você?

MBS: Fui inspirado a cobrir a América Latina na faculdade, ao ler sobre as guerras na América Central e desenvolver um fascínio pela região. Meus heróis foram pessoas como Julia Preston e Stephen Kinzer e Alma Guillermoprieto e Alan Riding. Todos foram vencedores do Prêmio Cabot.

Mais tarde, tive a sorte de trabalhar para editores renomados por sua cobertura latino-americana, como Juan Tamayo e Don Bohning. Eles foram vencedores do Cabot. Um dos meus mentores mais importantes como jovem jornalista foi Bill Montalbano - premiado com Cabot. Muitos de meus queridos colegas ganharam o Cabot. Os vencedores latino-americanos do prêmio inspiraram meu trabalho; eles são verdadeiros heróis da transição democrática na região.   

Juntar-se a essa distinta fraternidade / irmandade é uma honra extraordinária.

* Nota Editorial: Rosental Alves preside o Conselho do Prêmio Cabot e é fundador e diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, que publica a LatAm Journalism Review.

Mais artigos